Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rio Marinho

Rio Marinho - Foto: Leonel Albuquerque

O nome rio marinho tem origem nas palavras "MAR" e "RIOZINHO", que com alternâncias das características de qualidade de suas águas, ora salgada ora doce, foi denominado de rio "MARINHO".

Na altura da região de Caçaroca (Cariacica) o Rio Formate se unia ao rio Jucu naturalmente. Porem, os jesuítas construíram um canal artificial no século XIX para transporte fluvial de materiais até a baía de Vitória, ligando o Rio Formate ao Rio Marinho, o qual, na verdade, era um braço de manguezal que saia na Baia de Vitória.

Este Canal, construído em 1740, foi o primeiro do Brasil e a primeira transposição de bacias hidrográficas realizada.

No século XX o antigo DNOS Departamento Nacional de Obras e Saneamento abriu uma vala (o Canal das Neves) com o intuito de minimizar as enchentes no baixo vale do rio Jucu. Este Canal ligava o rio formate ao rio Jucu, mas atualmente está bastante obstruído e assoreado, fazendo com os Rios Jucu e Formate só tenham contato na época das maiores enchentes.

Na década de 50, do século passado, a CESAN - Companhia Espírito Santense de saneamento construiu o Canal Marinho, com o objetivo de servir de canal de tratamento auxiliar e tomada de captação para sistema de abastecimento de água para a grande Vitória, captando água no Rio Marinho (próximo à antiga fabrica da pepsi-cola) retirando cerca de 400l/s para abastecimento de água de Vitória.

Em 1977, o canal foi desativado pela CESAN e passou a ser o principal meio de escoamento da bacia hidrográfica. Desde sua desativação em 1977, não se tem noticia de que seu leito tenha recebido obras de drenagem, portanto, o grau de assoreamento é importante, a ponto de estar prejudicando o escoamento.

Grande parte do curso natural do Rio Marinho sofre penetração da maré, e embora de pequeno comprimento, possuía originalmente vários habitats diferentes para a fauna e flora aquáticas, em virtude de apresentar trechos onde era grande a variação da temperatura das águas, velocidade, teor de OD, salinidade, sólidos, etc. Neste rio, era comum, por exemplo, a piracema (subida de peixes desde o oceano até as cabeceiras para desova).

 

A TOPOGRAFIA

A Bacia Hidrográfica do Rio Formate-Marinho é uma pequena área territorial que apresenta características desde rio de montanha encachoeirado, rio de planície e até o estuário em manguezais.

 

A ABRANGÊNCIA FÍSICA

A bacia Hidrográfica do Rio Marinho liga o bairro de Caçaroca a Baia de Vitória, servindo como limite entre os municípios de Cariacica e Vila Velha.

O solo territorial da bacia está parcialmente dividido com projetos de loteamento urbano e sua densidade demográfica possui mais de 80% da área ocupada com imóveis residenciais e industriais.

Em toda sua extensão inclui os bairros: Cobi de baixo, Cobilândia, Jardim do Vale, Jardim Marilândia, Nova América, Rio Marinho, Santa Clara, Vale Encantado, Portal das Garças (VILA VELHA), e Alzira Ramos, bandeirantes, Bela Aurora, Bela Vista, Caçaroca, Campo Grande, Jardim Alá, Jardim América, jardim Botânico, Rio Marinho, Sotelândia, Valparaíso e Vasco da Gama (Cariacica).

 

A UTILIZAÇÃO DO RIO MARINHO E SUA IMPORTÂNCIA ECONÔMICA

Registram-se varias fases que mostram a importância do estuário na economia da população ribeirinha ao longo do tempo:

• Assentamento imobiliário residencial;

• A alternância de suas águas doce e salgada propicia o habitar e a criação de varias espécies aquática, que serviram como fonte de subsistência;

• "Corredor de navegação" ligando a fazenda Araçatiba e as demais comunidades do Rio Jucu à Baia de Vitória;

• Manancial de importância para o fornecimento de água para o sistema da Grande Vitória.

 

SITUAÇAO ATUAL DO RIO MARINHO

Atualmente, tanto o Rio Marinho quanto o Canal Marinho sofrem ocupações em suas margens e leito, por não possuírem um estudo de Bacia Hidrográfica e não ter orientação quanto a necessidade de preservar espaços para sua calha hidráulica de escoamento.

O Rio Marinho, em toda a sua extensão, pode ser considerado impróprio para abastecimento e sem condição de vida aquática devido à carga de poluição domestica e industrial recebida pelo Rio Formate e, mais a frente, pelos efluentes dos bairros Caçaroca, Bela Aurora e parte de Cobilândia.

Suas condições são pioradas pelo periódico represamento pela maré na Baia de vitória. 

 

Fonte: http://www.muitagenteboa.com.br/index_arquivos/Meio%20Ambiente/Rio%20Marinho.html



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

O assassinato de Reneê Aboab - Por Sérgio Figueira Sarkis

O assassinato de Reneê Aboab - Por Sérgio Figueira Sarkis

Uma dessas festas foi no Parque Moscoso, no casarão do desembargador Eurípedes Queiroz do Valle

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praça Costa Pereira ou Independência?

Certa vez, de passagem pela Capital, um estrangeiro queixava-se: - A língua capixaba é muito difícil: escreve Costa Pereira e pronuncia-se Independência!

Ver Artigo
Ofícios reservados do príncipe regente D. Pedro I, 1822

Tenha sempre em vista como requisito essencial e objeto em que interessa à causa pública deste reino o exame e conhecimento dos sentimentos dos pretendentes

Ver Artigo
Vale do Mulembá

O Vale do Mulembá fica no bairro Joana D’arc, em Vitória, entre a Pedreira Rio Doce e o loteamento São José. O acesso é pela Rodovia Serafim Derenzi

Ver Artigo
Escolhendo panelas capixabas

Algumas panelas de barro produzidas no Espírito Santo estão ficando grossas, com queima incompleta e perdendo a cor negra profunda, tão característica. Isto se deve a fatores que pretendemos apontar

Ver Artigo
Casa da Memória de Vila Velha - Sua História

Na Prainha, à beira mar, de frente para a Praça Tamandaré, havia um casarão geminado em ruínas, uma das últimas edificações do século XIX, datada de 1893, conforme inscrição em seu frontispício

Ver Artigo