Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rua Comandante Duarte Carneiro - Por Elmo Elton

Rua Comandante Duarte Carneiro, paralela ao Palácio Anchieta, se estendendo até quase a entrada do Viaduto Caramuru - Google Maps

Aberta no governo de Florentino Avidos. Começa na Praça João Clímaco e termina na Rua Francisco Araújo, quase à entrada do viaduto, que liga esta última à Dom Fernando. Para que fosse possível a abertura dessa artéria construiu-se um muro de arrimo, do lado direito, para a contenção do terreno onde se erguem os prédios que dão frente para a João Clímaco. Construiu-se, também, um outro muro, alto e de pedra, para sustentação de parte do terreno fronteiro à igreja de São Gonçalo. Esse terreno formava uma barreira (a barreira do São Gonçalo, como a ela se referiam os antigos moradores da redondeza), a mesma se alongando até a Rua Francisco Araújo, estreitando-a. Hoje, a Duarte Carneiro dispõe de boas residências, edificadas justamente nos terrenos que, com o correr dos tempos, foram sendo aplainados, na parte antes murada.

O patrono, Inácio Pereira Duarte Carneiro, iniciou, em 1814, a construção de uma estrada ligando esta capitania a Ouro Preto e Mariana, "o mais arrojado e temerário empreendimento praticado pela monarquia ao Espírito Santo".

Quando da proclamação da independência do Brasil, no cargo de comandante das Armas, em Vitória, teve que enfrentar os inimigos da Junta do Governo Provisório (1822), vencendo-os. Era homem sincero, trabalhador e corajoso, daí ter seu nome reverenciado pelos historiadores capixabas.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2017

Bairros e Ruas

Iluminação das ruas de Vitória no século XIX

Iluminação das ruas de Vitória no século XIX

No começo da escadaria de acesso à igreja do Rosário, viam-se até pouco tempo passado, ainda, arcos de gambiarra desse sistema de iluminação

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Escadaria Maria Ortiz

Ao tentar alcançar a parte alta da vila, subindo estreita rampa, conhecida como ladeira do Pelourinho, os corsários foram surpreendidos pela jovem Maria Ortiz

Ver Artigo
Bairro Glória – Por Edward Athayde D’Alcântara

O Bairro Glória era conhecido como “A Fábrica” por ter ali recebido a transferência da fábrica de bombons Garoto

Ver Artigo
Rua Nestor Gomes (ex-ladeira do Chafariz)

No governo de Florentino Avidos, a área foi urbanizada, pondo-se abaixo todos os casarões antigos ali existentes 

Ver Artigo
IBES 70 ANOS

O Ibes já foi um projeto mais ambicioso, em número de unidades projetadas, prevendo espaços para equipamentos comunitários, o primeiro desse estilo no Estado

Ver Artigo
Escadaria Bárbara Lindenberg – Por Elmo Elton

Ficou conhecida como ladeira das Colunas, sendo que, após a visita de Dom Pedro II ao Espírito Santo, em 1860, passou a denominar-se ladeira do Imperador

Ver Artigo