Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rua Cosme Rolim – Por Elmo Elton

Capa do Livro: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura

Começa ao lado da igreja de São Gonçalo e termina na Rua Francisco Araújo. Por muito tempo não teve calçamento, o terreno era enladeirado e pedregoso, com o mato (capim e muxinga) crescendo por toda a área. Hoje tem calçamento de paralelepípedos, a rampa atual possibilitando mais fácil acesso ao referido templo, na parte que lhe dá fundos, embora poucos os que por ali transitam.

O patrono, Cosme Rolim de Moura, tem seu nome ligado à história do Espírito Santo pela razão seguinte:

Manuel Garcia Pimentel era filho e herdeiro do donatário Francisco Gil de Araújo, que governou a capitania durante algum tempo, dela se afastando em 1682, após ter promovido catorze entradas à Serra das Esmeraldas, pelo Rio Doce. Faleceu na Bahia, a 24 de dezembro de 1686. Era homem de grande reputação na época, louvado pelos intelectuais, tanto que o padre Simão de Vasconcelos, em 1672, dedica-lhe a Vida do Venerável Padre Anchieta.

Manuel Garcia Pimentel não veio para a Capitania, ficando a mesma governada pelo capitão-mor João Velasco Molina, um dos primeiros povoadores dos sertões espírito-santenses. Em alvará de 18 de agosto de 1716, obteve uma légua de largo e três de comprimento, para os lados do rio Jucu. Falecida essa autoridade, em 1711, sem deixar descendentes, a Capitania tornou-se devoluta, razão por que Sua Majestade, em carta régia de 19 do mesmo ano, ordenou ao governador da Bahia, Pedro Vasconcelos, que a seqüestrasse, incorporando-a aos bens reais. A ordem foi executada a 15 de outubro de 1712. Acontece que a sentença da Relação da Bahia reconheceu o direito de Cosme Rolim de Moura, por ser este primo e cunhado de Manuel Garcia Pimentel. Cosme Rolim não veio para o Espírito Santo, vendendo a capitania à Coroa Portuguesa, por quarenta mil cruzados, sendo a escritura lavrada a 6 de abril de 1718.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novemnbro/2017

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Escadaria Maria Ortiz

Ao tentar alcançar a parte alta da vila, subindo estreita rampa, conhecida como ladeira do Pelourinho, os corsários foram surpreendidos pela jovem Maria Ortiz

Ver Artigo
Bairro Glória – Por Edward Athayde D’Alcântara

O Bairro Glória era conhecido como “A Fábrica” por ter ali recebido a transferência da fábrica de bombons Garoto

Ver Artigo
Rua Nestor Gomes (ex-ladeira do Chafariz)

No governo de Florentino Avidos, a área foi urbanizada, pondo-se abaixo todos os casarões antigos ali existentes 

Ver Artigo
IBES 70 ANOS

O Ibes já foi um projeto mais ambicioso, em número de unidades projetadas, prevendo espaços para equipamentos comunitários, o primeiro desse estilo no Estado

Ver Artigo
Escadaria Bárbara Lindenberg – Por Elmo Elton

Ficou conhecida como ladeira das Colunas, sendo que, após a visita de Dom Pedro II ao Espírito Santo, em 1860, passou a denominar-se ladeira do Imperador

Ver Artigo