Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rua Dom Fernando – Por Elmo Elton

Rua Dom Fernando, anos 60 - Foto: Acervo Jorge Bernardino, Fotos Antigas do ES (FB)

Antes era estreitíssimo o caminho, ou melhor, apenas picada aberta em terreno acidentado, que quase esbarrava com a ladeira da Tapera, chegando até o Convento de São Francisco. A rua, tal como hoje se encontra, estreita e tortuosa, foi aberta pelo engenheiro Moacyr Avidos, quando prefeito municipal de Vitória, partindo a mesma de frente do antigo convento e terminando na Praça Misael Pena. Seu traçado e pavimentação se fizeram para que por ela passasse a linha do bonde circular, ligando o centro à parte alta da cidade. Para sua melhor preservação, isto é, a fim de evitar desabamentos de terras do morro de São Francisco, construiu-se, ao longo da calçada, do lado direito, uma sólida murada de pedra. Hoje, não mais o bonde, mas carros e caminhões lhe movimentam o tráfego, ali se construindo vários edifícios residenciais.

O patrono, Dom Fernando de Souza Monteiro, nasceu na fazenda Monte Líbano, em Cachoeiro de Itapemirim, em 1866. Foi o segundo bispo da Diocese do Espírito Santo, no período de 1902 a 1916, ano em que faleceu, no Rio de Janeiro, a 23 de março. Foi sepultado na capela do Colégio do Carmo, em Vitória. Patrono da cadeira n° 8 da Academia Espírito-santense de Letras. A historiadora Maria Stella de Novaes escreveu-lhe substanciosa biografia, sob o título Um Bispo Missionário, obra premiada pela Academia Brasileira de Letras (Prêmio José Veríssimo), em 1952.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2017

Bairros e Ruas

Praça do Imperador (ex-praça das Colunas) – Por Elmo Elton

Praça do Imperador (ex-praça das Colunas) – Por Elmo Elton

Em 1860 toda a cidade de Vitória se engalanou para receber a visita de Sua Majestade o Imperador Pedro II

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Escadaria Maria Ortiz

Ao tentar alcançar a parte alta da vila, subindo estreita rampa, conhecida como ladeira do Pelourinho, os corsários foram surpreendidos pela jovem Maria Ortiz

Ver Artigo
Bairro Glória – Por Edward Athayde D’Alcântara

O Bairro Glória era conhecido como “A Fábrica” por ter ali recebido a transferência da fábrica de bombons Garoto

Ver Artigo
Rua Nestor Gomes (ex-ladeira do Chafariz)

No governo de Florentino Avidos, a área foi urbanizada, pondo-se abaixo todos os casarões antigos ali existentes 

Ver Artigo
IBES 70 ANOS

O Ibes já foi um projeto mais ambicioso, em número de unidades projetadas, prevendo espaços para equipamentos comunitários, o primeiro desse estilo no Estado

Ver Artigo
Escadaria Bárbara Lindenberg – Por Elmo Elton

Ficou conhecida como ladeira das Colunas, sendo que, após a visita de Dom Pedro II ao Espírito Santo, em 1860, passou a denominar-se ladeira do Imperador

Ver Artigo