Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Símbolos do ES

Cópia do original de Paulo Vieira Fundão

O texto abaixo foi enviado ao site Morro do Moreno por Jeruza Fundão Zanini, filha de Paulo Vieira Fundão, que desenhou a bandeira do Espírito Santo. O site e todos os visitantes agradecem por essa enorme colaboração aos nossos arquivos. Veja abaixo texto escrito pelo próprio Paulo, criador da nossa bandeira.

----------------------------------------------------------------------------------

Em 1947, ao deixar o Governo, o Dr. Moacyr Ubirajara, pelo Decreto nº 16.453 de janeiro daquele ano, restabeleceu os símbolos do Estado, confirmando que fosse adotado para o nosso hino, a letra de Ciro Vieira da Cunha.

Meses depois, já no Governo de Dr. Carlos Lindemberg, pelo Decreto nº 16.618 de 24 de julho daquele ano, resolveu de um modo mais claro, determinar os símbolos do Estado, com as alterações necessárias que na época, foram estudadas e sugeridas.

A BANDEIRA

Conforme o citado Decreto passou a ter nova forma e a inscrição "Trabalha e Confia".

O HINO

Voltou a ter a letra de Peçanha Povoa, com a mesma música de Arthur Napoleão.

AS ARMAS

Que no modelo anterior, tinha, no disco central, a vista do Monte Moreno e do Convento da penha, passou a ter somente a vista do Convento da Penha.

O SELO

Continuou como era anteriormente, sendo que apenas foi alterado o disco central, nas mesmas condições das ARMAS.

Na ocasião em que estavam sendo estudadas as alterações, cHegaram a pensar em substituir a cor "rosa" pela cor "vermelha", porque, dizem os entendidos, a heraldica não considera o "rosa" cor.

Entretanto, embora não tenha apoio em nenhum escrito, acho que o idealizador da nossa bandeira ao olhar o nosso céu num entardecer de verão, extasiou-se diante do colorido azul-róseo tão frequente nessa época e transportou-o para os nossos símbolos cívicos.

Na ocasião das modificações dos símbolos, todos os desenhos foram feitos pelo Oficial de gabinete do Governador, Dr. Paulo Vieira Fundão, principalmente a bandeira do Estado.

O motivo de ter sido retirado o Monte Moreno do disco central do Emblema do Estado, foi por ter acabado o posto semafórico do referido Morro, que dava os sinais por meio de bandeiras e galhardetes de cores vermelha e azul, aos navios que se aproximavam da nossa costa, para entrar no Porto.

O Monte Moreno teve a sua tradição, até quando foi útil ao Serviço Semafórico instalado naquele local, com o desenvolvimento da radiotelegrafia, tornou-se obsoleto aquele serviço.

NOTAS EXPLICATIVAS SOBRE A BANDEIRA DO ESPÍRITO SANTO

Baseados nos princípio da nossa fé cristã, foram idealizados os símbolos do Estado. Razão porque o Morro e o Convento da Penha, figuram com destaque no disco central das nossas armas e selo do Estado. também, pelos mesmos motivos, segundo os princípios da religião católica apostólica romana, foram estudados as cores da nossa bandeira.

Azul: Representa a cor do nosso céu...
Branco: Representa a pureza do Divino Espírito Santo, que tem como símbolo uma "POMBINHA BRANCA".
Rosa: Representa o colorido comum nas tardes de verão capixabas, quando no horizonte se misturam a luz vermelha do sol com as nuvens brancas, tornando a cor rósea que se vê na nossa bandeira.

A frase "TRABALHA E CONFIA" que consta das Armas e do Selo do Estado, acharam por bem que deveria figurar também na Bandeira, o que foi feito por ocasião de sua reforma.

 

Fonte: Paulo Vieira Fundão, em 2 de maio de 1972
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2011

 

Nota do Site: Conheça a história do Posto Semafórico que existiu no Morro do Moreno no livro infanto-juvenil "Krikati Tio Clê e o Morro do Moreno", autoria de Walter de Aguiar Filho



GALERIA:

📷
📷


História do ES

A História do Jornal O DIÁRIO

A História do Jornal O DIÁRIO

Com a chegada da ditadura militar, Edgard dos Anjos assumiu o jornal. Ele então era tido como esquerdista...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Marcelino Champagnat

Marcellin Champagnat, aportuguesado para Marcelino Champagnat nasce a 20 de maio de 1789, em Marlhes, aldeia de montanha no Centro-Leste da França, no início da Revolução Francesa

Ver Artigo
A PMES na Guerra do Paraguai: há 150 anos – Gelson Loiola

O enviar do efetivo da companhia de Polícia para a guerra, foi autorizada pela Assembleia Legislativa Provincial  mediante a aprovação e sanção da Lei nº 3, de 4 de maio de 1868

Ver Artigo
A Viagem do Imperador Pedro II à Província do Espírito Santo

Aos 35 anos de idade, estava ele no auge da vitalidade, naquele verão de 1859/1860

Ver Artigo
As expedições e as suas conclusões - Por Estilaque Ferreira dos Santos

Não se pode deduzir que antes desta doação a capitania já teria sido “descoberta” e explorada pelos navegantes portugueses

Ver Artigo
A História da Revolução de 1817 – Texto de 1917

Historiadores se deixaram levar pelas simpatias individuais e escreveram as suas narrativas eivadas de apreciações inexatas

Ver Artigo