Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Marista e o Sítio do Batalha, contribuição de Lilindo

O sítio deve seu nome a um seu antigo proprietário conhecido como Francisco Batalha. Eram seus herdeiros as irmãs Batalha: Santinha, Lazinha e Lindinha.

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa. A entrada principal ficava na Avenida Jerônimo Monteiro através de uma cancela, uma tranca do tipo pica-pau servia para evitar que os animais domésticos fugissem para a rua. Somente à tardinha, depois do apascentamento deles era passado um cadeado. A passagem de pedestres era conhecida como engana-bode; era uma entrada feita de mourões de camará e arame farpado em paralelo, formando um ângulo agudo onde o animal não tinha condição de virar sem que ficasse agarrado nas farpas do arame.

Pelo lado do mar (leste) fazia divisa com o Rio da Costa e pelo sul, em parte, com o rio citado e um regato que hoje seria o canal Bigossi tendo na outra margem os terrenos de Dona Emilinha Tesh Mascarenhas; no lado oeste sua divisa começava com os fundos das casas de seu Ailton (marido da professora Dona Amália), do senhor Câmara (pai de Chico), seu Canico (casado com Dona Laura e pai do Silmo, Layr, Marinalva, Élcio e Lauro Antônio), seu Jonas (casado com Dona Viruta e pai do Asdrúbal e José), seu Zezinho Queiroz (marido de Dona Isaura e pai de Maria Carmem e Yeda), e seu Vitor (casado com Dona Vitória e pai do Menininho, Jorge e Lindaura) até atingir a Rua Sete de Setembro e daí em diante acompanhando o caminho do Lixo até o pequeno córrego do Celamim e por este até alcançar o Regato (canal Bigossi) nos terrenos de Dona Emilinha. Mais tarde, ao longo do caminho diversas pessoas construíram suas residências.

No sítio, uma casinha coberta de zinco onde morava o seu Reparato e os filhos Valdemar, Ernani (Paizinho) e Romeu e as filhas, Jacy, Zizi e Aracy.

Comprado e doado pela Prefeitura do Município à  Brasileira de Educação e Ensino para construção do educandário dos Irmãos Maristas, pelo artigo 2º da Lei Municipal nº 85.

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2020

Variedades

Chupa - Por Elmo Elton

Chupa - Por Elmo Elton

Desdentado, tinha boca de chupa-ovo. Preto. Galanteador. Já era idoso quando o conheci, morando aos fundos da casa da, muito solicitada, parteira Dona Maria Augusta Mendes

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

UMA FEIRA, COM AMOR - Por Luiz Sérgio Quarto

Vá, mesmo que não tenha vivido no interior. Mas vá com a seguinte condição: a de expor o seu interior. Feito isso, será bem-vindo. Ou melhor: festejado

Ver Artigo
Cienfuegos no bar do Valfredo na Vila Rubim - Por Gilson Soares

O relógio na parede do Bar da Vila marcava meio-dia. Era a hora. O bando de bêbados inventou de enumerar em coro, sob a batuta de Cienfuegos, as batidas do velho relógio 

Ver Artigo
Bananas, Curiós e Peroás - Por Marien Calixte

Ali chegavam as canoas vindas de Caçaroca, Jucu, Tanque, Cariacica, via rio Marinho. Também vinham do rio Santa Maria.

Ver Artigo
Bota Muito - Por Cariê Lindenberg

Era um ritual quase religioso: frequentar o botequim do mercado da Vila Rubim apelidado pelo pessoal de, "Bota Muito", por razões que acredito óbvias

Ver Artigo
Frases de Caminhão - Por Eurípedes Queiroz do Valle

As 10 mais espirituosas Frase de Caminhão do Espírito Santo, 1971

Ver Artigo