Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Um 171 do Século 18

Foto ilustrativa escaneada da própria matéria da Revista Zêniteevista

Há palavras ou expressões que surgem por força de alguma coisa externa à língua, em determinado momento da História: um fato, um costume, um uso, um modismo (hábito que logo passa), novidades da evolução. Marcada pela sua época de origem, a expressão tende também a desaparecer quando o que a originou cai em desuso. É assim que, de repente, as pessoas se vêem falando coisas que não sabem explicar, pois é uma questão de conhecimento (os “saberes” que sustentam a cultura do meio em que se vive).

É o caso do substantivo “conto-do-vigário”. Tudo começou no Século 18, em Ouro Preto (MG). Duas paróquias, Pilar e Conceição, receberam de presente a mesma imagem de Nossa Senhora. Para definir qual ficaria com o presente, os vigários colocaram um burro com a imagem amarrada às costas no meio do caminho entre as duas igreja; aquela para onde ele se dirigisse seria a felizarda. E a vencedora foi... a Igreja de Pilar!...   Soube-se mais tarde que o burro era do vigário da igreja vencedora, que o havia treinado para seguir para lá...

O site “Exacta Press” oferece uma outra versão: “Segundo a pesquisadora mineira Lourdes Aurora, a expressão inicial era ‘cair na conta do vigário’, pois recebiam ouro roubado e pagavam pouco aos escravos. Várias igrejas foram construídas, segundo Lourdes, pela tal ‘conta do vigário’. Daí que veio a palavra vigarista, pessoa que agia como os vigários d’antanho.”

Com efeito, diz o Dicionário Aurélio que a palavra “vigarista” é a junção de “(conto-do-) vigário” com o sufixo “-ista”. O Dicionário Etimológico informa que ambas as palavras (vigário e vigarista) são derivadas do latim “vicarius” (=vicário, “que faz as vezes de outrem ou de outra coisa”). No rigor semântico, “vigário” designa o padre que substitui o titular em uma paróquia.

Na boca do povo, a expressão “conto-do-vigário” já está atualizada pela maior (e oportuníssima) difusão das leis em nosso país: agora é 171, artigo do Código Penal que trata das tentativas de levar alguém de boa-fé na conversa, “no bico”, “no lero”, do estelionato, enfim.

 

Fonte: Revista Zênite, Ano 8 - Edição 25 (novembro, dezembro2011 e janeiro/2012)
Contatos com a redação da revista: zenite.revista@gmail.com

Autor: Maurilen de Paulo Cruz
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março /2012 

 

Curiosidades

Atividades dos Tropeiros – Por Ormando Moraes

Atividades dos Tropeiros – Por Ormando Moraes

O seleiro era um artesão de muita habilidade na fabricação de selas e de todo o arreamento necessário ao animal de carga

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viajantes Estrangeiros ao ES – Barão de Humboldt

Basilio Daemon refere-se à possível passagem do Barão de Humboldt, no ano de 1800, pelo Espírito Santo

Ver Artigo
Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Ao longo de 20 dias, um grupo de 13 capixabas está revivendo parte da história do Brasil Colônia ao refazer os passos de Dom Pedro pelo interior do Estado

Ver Artigo
Pedra da Onça - Por Seu Dedê

Localizada à margem esquerda do canal da Costa, braço sul. De frente ao Shopping Praia da Costa 

Ver Artigo
Ponga de Bonde – Por Edward Athayde D’Alcântara

Existe uma diferença entre carona e ponga

Ver Artigo
Praia da Sereia - A origem do nome

A origem do seu nome remonta aos primeiros anos do século XX, quando chegaram a Vila Velha, vindos do Rio de Janeiro, alguns construtores para construir o Terceiro Batalhão de Caçadores

Ver Artigo