Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vasco Coutinho de novo na terra – Maracaiaguaçu

Tela da chegada de Vasco Coutinho Fernandes - Em exposição na Casa da Memória de Vila Velha

No primeiro quartel de 1555, Vasco Coutinho regressou à capitania. Um dos seus primeiros atos deve ter sido organizar a expedição de quatro navios mandada à Guanabara salvar Maracaiaguaçu e sua gente das unhas dos tamoios. O padre Luís da Grã herdou à História um relato completo sobre o assunto. Segundo o jesuíta, Gato Grande “ee mui conhecido dos christãos e mui temido entre os gentios”. Vivia no Rio de Janeiro e há muitos anos mantinha guerra com os tamoios, levando sempre a melhor. Quando a sorte mudou, viu-se o cacique em tais aperturas que mandou um filho ao Espírito Santo pedir transporte a fim de que pudesse se passar para cá, alegando que “elle e sua molher e seus filhos e os mais dos seus se queriam fazer christãos”. Todos ficaram muito apiedados da situação, mas o portador foi despedido sem ajuda, por se tratar de pendência ocorrida em capitania alheia. Em viagem, o índio soube do regresso de Vasco Coutinho e tornou a Vitória para implorar seu auxílio. Juntaram-se no apelo os jesuítas e muitas outras pessoas, de que resultou a citada expedição. Constatada a “extrema necessidade” em que se achavam Gato Grande e os seus, fizeram-nos embarcar, trazendo-os a esta terra. De início, foram localizados em um sítio nas proximidades da vila da Vitória.(32)

Essa missiva foi escrita a vinte e quatro de abril de 1555 e prova que Vasco Fernandes Coutinho chegara recentemente à donataria. Contudo, tamanha importância dava ao socorro pedido por Maracaiaguaçu que logo aprestou “quatro navios pera que fossem seguros dos francezes, que sempre aa naquelle Rio [de Janeiro], e que lhe dessem todo favor com artelharia e mantimento que levavão”. (33)

 

NOTAS

(32) - GRÃ, Cartas, II, 226-8.

– Diz SERAFIM LEITE que “esta carta de Luís da Grã dá a primeira origem da Aldeia de Nossa Senhora da Conceição” (HCJB, I, 234).

(33) - GRÃ – Carta de vinte e quatro de abril de 1555 (Cartas, II, 223-8).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

Vasco Fernandes Coutinho

Reabilitação Histórica de Vasco Fernandes Coutinho

Reabilitação Histórica de Vasco Fernandes Coutinho

Mandou V. S. dar sepultura decente aos ossos do primeiro donatário, Vasco Fernandes Coutinho, que, soterrados em uma área, ainda se conversam relíquias dele

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vasco da Glória - Francisco Aurélio Ribeiro

Frei Vicente do Salvador, em sua História do Brasil, de 1600 e pouco, afirmou que Vasco Fernandes Coutinho morreu pobre e abandonado

Ver Artigo
Vasco Coutinho à testa do governo – Auxílio a Pero de Góis

Pero de Góis estivera no Espírito Santo e daqui levara para S. Tomé um mestre de açúcar

Ver Artigo
Duarte de Lemos x Vasco Coutinho

Em contraste com o cavalheirismo pródigo de Coutinho, Duarte de Lemos é um ambicioso e frio, calculador e intrigante

Ver Artigo
Vasco Coutinho – Por Serafim Derenzi

Vasco Coutinho não foi o amolecido degenerado das crônicas mal avisadas, nem tão pouco um mistificador, que tramava contra a coroa

Ver Artigo
Os primeiros Jesuítas do ES - Por Mário Freire

A fundação dessa confraria ou irmandade justifica ser a Misericórdia do Espírito Santo, da qual Anchieta foi capelão, uma das mais antigas do Brasil

Ver Artigo