Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Vem uma pessoa - Rubem Braga (1949)

Marataízes - Foto: Walter de Aguiar Filho, 2012

Vem uma pessoa de Cachoeiro de Itapemirim e me dá notícias melancólicas. Numa viagem pelo interior, em estradas antigamente belas, achou tudo feio e triste. A estupidez e a cobiça dos homens continua a devastar e exaurir a terra.

Mas não são apenas notícias tristes que me chegam da terra. Ouço nomes de velhos amigos e fico sabendo de histórias novas. E a pessoa que me fala da praia – de Marataízes – e diz que ainda continua reservado para mim aquele pedaço de terra, em cima das pedras, entre duas praínhas. Ali um dia o velho Braga, juntando os tostões  que puder ganhar batendo em sua máquina, levantará  a sua casa perante o mar da infância. Ali plantará árvores e armará sua rede e meditará talvez com tédio e melancolia na vida que passou.

Esse dia talvez ainda esteja muito longe, e talvez não exista. Mas é doce pensar que o nordeste está lá, jogando as ondas bravas e fiéis contra as pedras de antigamente; que milhões de vezes a espumarada recua e ferve, escachoando, e outra onda se ergue para arremeter contra o pequeno território em que o velho Braga construiu sua casa de sonho e de paz.

Como será a casa? Ah, amigos arquitetos, vocês me façam uma coisa tão simples e tão natural que, entrando na casa, morando na casa, a gente nunca tenha a impressão de que antes de fazê-la foi preciso traçar um plano; tenha a impressão de que é assim mesmo e naturalmente deveria ser assim; e que a ninguém sequer ocorra que ela foi construída, mas existe naturalmente, desde sempre e para sempre, tranqüila, boa e simples. Uma casa, Caloca, em que não se tenha, de vez em quando, a consciência de se estar  em uma determinada casa, mas apenas de estar em casa.

Que árvores plantarei? A terra certamente é ruim, além de pequena, e eu talvez não possa ter uma fruta-pão nem um jenipapeiro; talvez mangueiras e coqueiros para dar sombra e música; talvez...

Mas nem sequer o pedaço de terra ainda é meu; meus títulos de propriedade são apenas esses devaneios que oscilam entre a infância e a velhice, que me levam para longe das inquietações de hoje. Que rei sou eu, Braga Sem Terra, Rubem Coração de Leão de Circo, triste circo desorganizado e pobre em que o palhaço cuida do elefante e o trapezista vai pescar nas noites sem lua com a rede de proteção, e a luz das estrelas e a água da chuva atravessam o pano encardido e roto...

Mas me sinto subitamente sólido; há alguns metros,  nestes 8 mil quilômetros de costa, onde posso plantar minha casa nos dias de aflição e de cansaço, com pedras de ar e telhas de  brisa; e os coqueiros farfalham, um sabiá canta meio longe, e me afundo na rede, e posso dormir para sempre ao embalo do mar.

.

Abril, 1949

 

Fonte: Crônicas do Espírito Santo, 1984
Autor: Rubem Braga
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2012
Obs.: Este livro foi doado à Casa da Memória de Vila Velha em abril de 1985 por Jonas Reis

Variedades

Discurso do Marechal Castelo Branco na UFES

Discurso do Marechal Castelo Branco na UFES

Pela sua própria condição intelectual é perfeitamente natural que, vivendo numa época em que tantas idéias, tendências e concepções políticas estão a inquietar todas as inteligências, não fiquem eles indiferentes ao debate, nem se conformem a uma posição de compulsório alheamento

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

UMA FEIRA, COM AMOR - Por Luiz Sérgio Quarto

Vá, mesmo que não tenha vivido no interior. Mas vá com a seguinte condição: a de expor o seu interior. Feito isso, será bem-vindo. Ou melhor: festejado

Ver Artigo
Cienfuegos no bar do Valfredo na Vila Rubim - Por Gilson Soares

O relógio na parede do Bar da Vila marcava meio-dia. Era a hora. O bando de bêbados inventou de enumerar em coro, sob a batuta de Cienfuegos, as batidas do velho relógio 

Ver Artigo
Bananas, Curiós e Peroás - Por Marien Calixte

Ali chegavam as canoas vindas de Caçaroca, Jucu, Tanque, Cariacica, via rio Marinho. Também vinham do rio Santa Maria.

Ver Artigo
Bota Muito - Por Cariê Lindenberg

Era um ritual quase religioso: frequentar o botequim do mercado da Vila Rubim apelidado pelo pessoal de, "Bota Muito", por razões que acredito óbvias

Ver Artigo
Frases de Caminhão - Por Eurípedes Queiroz do Valle

As 10 mais espirituosas Frase de Caminhão do Espírito Santo, 1971

Ver Artigo