Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vista do Jeanne DArc

Prefeitura e Secretaria de Obras de Vitória

Lembrança, quanta lembrança

Dos tempos em que já lá vão

Minha vida de criança

Minha bolha de sabão!

(Guilherme de Almeida)

Eta ferro! Já vai muito tempo! Era uma senhora vista! Descortinava-se a paisagem sul da cidade, podendo alcançar até Jardim América.

A catedral imponente, na cidade alta, figurava sozinha naquele cenário de indescritível beleza. Via-se o mar, os navios chegando, atracando, descarregando e indo embora, levando mercadorias para portos distantes, além de esperança de aventuras para os ilhéus que aqui embarcaram.

O Colégio do Carmo, cujas varandas de circulação das alunas ficavam de frente, nos dava a imagem da ordem e disciplina mantidas a pulso de ferro pelas irmãs de caridade. Brincalhões e jovens, entretanto, conseguíamos quebrar a sisudez delas criando brincadeiras que as faziam rir e esquecer, naqueles momentos, a rígida disciplina imposta.

Era grandioso... Ao final da tarde, o pôr-do-sol tomava todo o céu de nuances de cores que iam esmaecendo até se tornar noite. As lâmpadas se acendiam, dando a verdadeira impressão de um presépio sendo montado. Que Paisagem!

A Prefeitura Municipal, com suas palmeiras imperiais esvoaçando como pluma ao sabor dos ventos contrastava com o balé aéreo dos urubus ao final da tarde.

O morro de São Francisco, cujo mosteiro secular se impunha a toda vista, aparecia imponente, majestoso e muito belo. Paisagens dignas de um pintor.

Exatamente por não ter um magnífico dom artístico, muito bem desenvolvido pelo meu avô e mãe, que com perfeição retratavam nas telas dos quadros as paisagens que mais lhes tocavam, desenvolvi a capacidade de registrar tudo em minha memória. Dessa forma, exercito-me permanentemente, para que aquelas imagens não desapareçam com o progresso vertical da cidade, que escondeu e alterou todo o panorama bucólico e agradável, visto do oitavo andar do Edifício Jeanne D’Arc na Rua Sete.

 

ESCRITOS DE VITÓRIA — Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES.

Prefeito Municipal: Paulo Hartung

Secretário Municipal de Cultura e Turismo: Jorge Alencar

Diretor do Departamento de Cultura: Rogerio Borges

Coordenadora do Projeto: Silvia Helena Selvátici

Conselho Editorial: Álvaro José Silva

José Valporto Tatagiba

Maria Helena Hees Alves

Renato Pacheco

Bibliotecárias

Lígia Maria Mello Nagato

Cybelle Maria Moreira Pinheiro

Elizete Terezinha Caser Rocha

Revisão: Reinaldo Santos Neves , Miguel Marvilla

Capa Pedra dos Olhos (Foto de Carlos Antolini)

Editoração Eletrônica: Edson Maltez Heringer  

Impressão: Gráfica Ita

 

Fonte: Escritos de Vitória 12 – Paisagem - Secretaria Municipal de Cultura e Turismo – PMV
Autor do texto: Sérgio Figueira Sarkis
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2019

Variedades

Autobiografia de Massena

Autobiografia de Massena

Filho de capixaba, nascido em Barbacena, aos 6 meses de idade fui transportado para Vitória, de onde saí aos 5 anos para Juiz de Fora, onde iniciei os estudos primários

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa

Ver Artigo
O Exército Brasileiro em solo Espiritossantense

A nova denominação de 3º Batalhão de Caçadores veio do Decreto nº 13.916, de 11 de dezembro de 1919, permanecendo com a mesma, até 24 de janeiro de 1949 

Ver Artigo
Praia do Ribeiro e Ilha da Baleia – Por Edward Athayde D’Alcântara

A ilha da Baleia no período do Brasil Império e Colônia foi considerada como ponto estratégico para defesa da Capitania

Ver Artigo
Capítulo III - A viagem a Capitania do ES pelo Príncipe Maximiliano de Weid-Neuwied

Maximiliano e sua comitiva partem rumo ao “desconhecido”, em de novembro de 1815

Ver Artigo
Técnicas de Confecção de Panelas de Barro

Todo o vasilhame destinado à queima é cuidadosamente coberto por pedaços de madeira, geralmente leves e bem secos. O fogo é ateado em uma das “cabeceiras da cama” dando início à queima

Ver Artigo