Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

1ª Gafieira de Vitória - Por Marien Calixte

Gafieira Jazz

"Está Cruel" foi a primeira gafieira ou casa de danças de Vitória. O sobradinho número 170 da avenida Duarte Lemos, na Vila Rubim, era pura alegria de terça-feira a domingo. A música fugia pelas janelas da frente do prédio e rompia noite adentro pelos céus do bairro.

Embaixo de "Está Cruel" ficava a padaria do velho Lopes. Era uma família grande e todos estavam sempre atrás do balcão.

A gafieira "Está Cruel" - casa noturna à maneira das que existiam no Rio e Campos, muito famosas - abriu seus salãozinho para agitação de pernas, ombros e quadris nos anos 20, permanecendo durante a Segunda Grande Guerra, chegando a conviver, na época, com os atos de "quebra-quebra" (a população, acionada por um nacionalismo selvagem, destruiu as lojas de propriedade de imigrantes ou descendentes de alemães e italianos, além de roubar mercadorias. A brutalidade era prometida a quem entrasse, em uma daquelas lojas, para comprar. Enquanto isso, Getúlio Vargas "negociava" com o nazismo e ninguém quebrou a louça dele).

"Está Cruel" foi a pioneira, no seu estilo, na ilha de Vitória. Nunca ouvi falar de pancadaria ou tiroteio naquela gafieira na Vila Rubim. Quer dizer, nada mais do que alguns bêbados retirados à força e algum valentão jogado escada abaixo. Na portaria ficava de plantão um mulato maior que o espaço para se passar, portava um revólver e uma faca. Polícia nunca aparecia por lá, só marinheiros que chegavam assanhados ao porto ou os recrutas do 3º BC. As mulheres eram, em sua maioria, de fora do Espírito Santo, algumas de Cachoeiro de Itapemirim ou Colatina. Quase todas negras e mulatas. A maioria vinha de Minas, Bahia, Sergipe ou do antigo Estado do Rio.

Nessa época, o rádio era o mais poderoso instrumento de comunicação de massa. Rádios Tupy, Nacional, Tamoio, Mayrink Veiga, e, de Vitória, a Rádio Clube Espírito Santo, "A Voz de Canaã". A "Está Cruel" tinha todo tipo de frequentadores. À sua entrada, acima da cabeça do porteiro, uma placa advertia: "Salão Familiar". Mas quem era "de família" lá não ia. Mas há provas de que austeros senhores, políticos e comerciantes iam em busca de diversão e algum namoro fora do cercado familiar.

A banda que tocava nas noites da "Está Cruel" era chamada de Big Banda, à maneira dos conjuntos americanos, de Nova Orleans, inspiradas no jazz. Tinha trompete, saxofone, trombone, tuba, banjo, bateria, pandeiro, chocalho e violino. A banda era em sua maioria constituída de negros. Todos de paletó e gravata, sorridentes e beberrões. De dia os músicos deambulavam no bairro, preferindo o mercado da Vila Rubim para se juntar. A banda do lugar de todo pecado perfilava-se na avenida para tocar hinos religiosos quando passava a procissão de São Benedito do Rosário. O prestígio popular do santo negro parava a cidade com a multidão, os fogos de artifício e a música dos negros e brancos da bandinha da "Está Cruel". Uma delícia de festa.

Dos sons da banda musical da "Está Cruel" até a invenção do programa "O Som do Jazz" - criado em julho de 1958, na Rádio Espírito Santo, ainda hoje desafiando o tempo, graças a Deus e à mania de comprar discos - aprendi a gostar e entender aquela música esfuziante dos negros. "Está Cruel" é a minha Nova Orleans.

 

Por: Marien Calixte 
Transcrito do livro: Vitória de Todos os Ritmos - Escritos de Vitória, 2000
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2000 

Variedades

Jerônimo Monteiro -  Capítulo IV

Jerônimo Monteiro - Capítulo IV

Na foto, recepção ao Dr. Álvaro de Tefé, Secretário da Presidência da República, na estação de Argolas, Vila Velha, da Estrada de Ferro Leopoldina (1912). APEES — Coleção Jerônimo Monteiro, 128

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Na borda do infinito – Por Luiz Carlos Almeida Lima

Bebia num bar... SCANDINAVE... outro porto, outra terra a proteger caravelas... preso como âncora no lodaçal

Ver Artigo
Semana Santa – Por Edward Athayde D’Alcântara

Quinta- Feira, saem da Igreja do Rosário, em procissão, as Filhas de Maria conduzindo o andor de Nossa Senhora das Dores

Ver Artigo
Personagens Originais - Por Areobaldo Lellis Horta

Éramos, nós, eu, meu pai e meu irmão, os seus companheiros de pescaria na Barrinha, fronteiro ao Monte Moreno

Ver Artigo
Casamentos – Por Areobaldo Lellis Horta

Era eu muito criança, quando assisti, pela primeira vez um casamento em Vitória

Ver Artigo
Peroás e Caramurus – Por Areobaldo Lellis Horta

 "Peroás" e "Caramurus" constituíram dois grandes partidos populares, de caráter eminentemente religioso e social, em que se dividiam os habitantes de Vitória

Ver Artigo