Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A bandeira positivista dos republicanos

Bandeira da República

Na própria noite em que foi proclamada a República, em 15 de novembro de 1889, o governo provisório recém-nomeado negociou a saída de D. Pedro do país. Em seguida, aprovou uma nova bandeira para o Brasil. Em janeiro de 1890, teve início a reorganização institucional. Até aí, não houve divergências, as quais só eclodiriam após a primeira grande decisão econômica: uma reforma bancária.

Ao chegar o dia 15 de novembro, os republicanos não tinham uma bandeira que simbolizasse o movimento. As tropas que depuseram o imperador desfilaram com uma cópia improvisada do pavilhão dos Estados Unidos, ao qual haviam sido aplicadas as cores brasileiras. Os positivistas ortodoxos perceberam a importância do símbolo, e trataram de confeccionar um modelo próprio, desenhado por Décio Villares, e inspirado na obra de Augusto Comte. Segundo este, na primeira fase de transição da humanidade para a religião positivista, deveriam se manter as bandeiras nacionais, acrescentando a divisa “Ordem e Progresso”.

Foi o que fizeram os positivistas. Mantiveram o fundo verde, o losango amarelo e o círculo azul da bandeira imperial, substituindo os emblemas do Império pelo dístico positivista e o conjunto de estrelas (uma para cada província) que representava o céu do Rio de Janeiro no dia 15 de novembro.

Alguns liberais reclamaram, ainda mais quando descobriram erros de cálculo na posição das estrelas. Mas a grita não comoveu os nossos governantes. No dia 19 de novembro, o símbolo foi oficializado por meio de decreto.

Como consolo aos liberais, restou-lhes a vitória no caso do Hino Nacional. Embora os positivistas tivessem preparado um novo hino, nas cerimônias dos dias seguintes à proclamação, todos queriam ouvir o antigo hino – até mesmo os militares, que haviam aprendido a amá-lo na Guerra do Paraguai. Por isso, adotou-se uma solução conciliatória: o velho hino, com música de Francisco Manuel da Silva, recebeu nova letra de Osório Duque Estrada e tornou-se o Hino Nacional.

 

Fonte: Viagem pela História do Brasil, 1999
Autor: Jorge Caldeira, Flavio de Carvalho, Claudio Marcondes e Sergio Goes de Paula
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2014

Matérias Especiais

Aprenda a escolher um bom peixe

Aprenda a escolher um bom peixe

Peixe é um ótimo alimento, mas cuidado quando for comprar: você precisa estar certo de que está fresco. Cheire o peixe na altura das guelras. Se sentir cheiro forte, não compre. Um peixe bom, bem fresquinho, tem...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Madrugada Chuvosa – Por Areobaldo Lellis Horta

Falava-se, à boca pequena, haver o comandante do 3° Batalhão de Infantaria, recebido ordem para depor o presidente do Estado e ocupar o Palácio

Ver Artigo
Quantas montanhas...

E lá fui eu, abraçada ao meu “Reino das Palavras”, instalar o meu reino literário na cidade de Pancas, a 180 quilômetros de Vitória

Ver Artigo
Abastecimento de água em Vitória – Por Areobaldo Lellis Horta

Além desse chafariz, existiam ainda os do Largo de Santa Luzia, em frente ao atual Ginásio São Vicente

Ver Artigo
A Limpeza Pública e a Domiciliar – Por Areobaldo Lellis Horta

Os quibungos (“tigres”), eram lançados ao mar, nos vários cais, às caladas da noite, quando adormecida a cidade

Ver Artigo
Britz - Por Milson Henriques

De qualquer modo vamos ao agradável labor de rememorar os que eu freqüentava, lembrando que havia também as boates Buteko, Cave, Aux Chandelles, Porão 214,...

Ver Artigo