Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Manteigueira Assombrada – Por Maria Stella de Novaes

Manteigueira Assombrada, Jaburuna (atual Glória) - Vila Velha

Contava um remanescente dos nossos silvícolas que, no tempo de o Espírito Santo ainda habitado por diversas nações de seus ascendentes, em plena selvageria, aqui, apareceram muitos brancos; dissimulavam bondade e presenteavam-nos, com diversos objetos esquisitos, para, depois, demonstrarem ambição e maus sentimentos. Capturavam homens e crianças; maltratavam os que resistiam à prisão. Resolveram, por isso, os índios guerreá-los, no Continente, onde pretendiam fixar-se.

Forte, astucioso e de compleição atlética, o pajé Iuramatã era um guerreiro intrépido cujos predicados passaram aos seus filhos, — dois jovens goitacás; e Iara, — a filha, no esplendor dos seus dezesseis anos, tipo de beleza pura, — olhos grandes, negros e brilhantes, cabelos sedosos, que lhe cobriam as espáduas. Na expressão de meiguice do seu rosto moreno, sobressaíam os dentes alvos e perfeitos.

Contava-nos o velho representante dos nossos autóctones que Iara encarnava a flor mais linda que os goitacás haviam conhecido, motivo por que Iuramatã, orgulhoso de sua filha, projetava escolher, na tribo, um guerreiro valoroso, que a desposasse. Aguardava apenas o conselho dos magos. E temia as incursões dos brancos, visto como, apesar da vigilância constante dos índios, tentavam, às vezes, transpor o canal. Muitos foram flechados e mortos, no perigo dessas travessias.

— Um jovem lusitano, porém, resolveu pescar, nas imediações de Vila Velha. Chamava-se João-Maria. Tomou uma canoa e cautelosamente, ao cair de uma tarde, remou... contornou o Penedo e aproximou-se, mansamente do litoral, mais adiante, quando o ruído célere de um conjunto de setas lhe passou sobre a cabeça e abalou-o, em arrepios de terror! Caíram, ao mar, na sua frente.

Atônito, João-Maria olhou o ponto de onde partira a agressão e, presa de assombro, divisou, sobre um cômoro, a figura angelical de Iara, a sorrir. Empunhava a esgaravatana.

Confiante na inocência daquele sorriso, João-Maria saltou para a margem e aproximou-se da índia que, rápida, desapareceu, na floresta. Instantes depois, reapareceu, gesticulando, sem que o jovem pudesse compreendê-la, achando, entretanto, misterioso o que se lhe deparava. Zarpou... E, à noite, na Ilha Grande, lutou com a insônia, seguida de cruel pesadelo, até que o sono venceu as conseqüências da impressão causada pelo encontro daquela escultura animada pela força da Vida, na exuberância da Natureza. Sentia-se debater, entre o desejo de rever a figura extraordinàriamente bela da índia, de tê-la nos seus braços e cobri-la de carícias, — e o temor de uma cilada ou vingança atroz dos poderosos da selva.

Não. Não podia voltar!

Seria crivado de flechas!

Sonho? Realidade?

Refeito, porém, de tantas emoções, João-Maria decidiu-se, em repetir a vistoria ao sítio magnífico, na mesma hora vespertina. Dominado, pelo tumultuar de pensamentos e sentimentos diversos, remou... remou, até o lugar encantador. Logo, Iara sai do arvoredo e vai ao mar; nada, para alcançar a embarcação.

Enleado, João-Maria procura convencê-la de entrar na canoa, ao passo que, novamente, a índia foge, e oculta-se na mata.

Noutros dias, sucessivos encontros mais aproximaram aqueles corações juvenis.

Finalmente, Iara convidou João-Maria para subirem a encosta, a fim de apreciarem, ao longe, as malocas da sua tribo. Foram, mas, após uma cena de carinhos e afagos, a índia... fugiu, deixando o seu apaixonado certo da correspondência do amor.

Jamais, porém, o furioso pajé perdoaria as atrocidades dos invasores brancos, ao seu domínio, e cientificado dos colóquios amorosos de sua filha com o estranho, convocou o conselho dos magos. Luas e luas, oraram a Tupã, fervorosamente! ... E tomaram a trágica decisão: — Numa pilha de troncos, dispostos para a fogueira, colocaram os corpos dos enamorados, crivados de flechas.

Nos estertores da agonia, João-Maria e Iara se abraçaram. E assim, morreram!

Em torno, ao crepitar da fogueira, de rostos medonhos, de pintura e indumentária adequadas ao rito, os feiticeiros cantavam e dançavam, ao lúgubre ruflar dos seus tambores.

Finda a cerimônia macabra, o pajé inflexível mandou construir, ali, sobre o carvão e a cinza do martírio daqueles jovens, uma palhoça, — templo onde os feiticeiros e os iniciantes da magia invocavam os espíritos, seus conselheiros.

Parecia-lhes, desde então, que os gemidos singulares daquelas vítimas do amor puro e profundo se elevavam, entre o clamor dos seus espíritos.

Desse romance entre a mulher índia e o colono luso, resultou a lenda de uma "assombração", para a Casa da Manteigueira, assim denominado um antigo solar, erguido em Jaburuna, sobre uma colina fronteira ao mar. Era um elegante sobrado que, segundo a mesma lenda, não podia ser habitado, porque, alta noite, os espíritos de João-Maria e Iara fechavam e abriam portas, ruidosamente, andavam pelos corredores e salões, e gemiam... gemiam, profundamente, conforme os ciclos da Lua.

A casa desapareceu, há pouco tempo. Constituía uma curiosidade, para os viajantes, na passagem dos barcos, pelo canal de acesso ao Porto da Vitória.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Hermógenes – Por Renato Pacheco

Hermógenes – Por Renato Pacheco

Conceição da Barra se chamava Barra de São Mateus e lá Hermógenes nasceu, no sítio das Perobas, em 12 de dezembro de 1916

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo