Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Manteigueira Assombrada – Por Maria Stella de Novaes

Manteigueira Assombrada, Jaburuna (atual Glória) - Vila Velha

Contava um remanescente dos nossos silvícolas que, no tempo de o Espírito Santo ainda habitado por diversas nações de seus ascendentes, em plena selvageria, aqui, apareceram muitos brancos; dissimulavam bondade e presenteavam-nos, com diversos objetos esquisitos, para, depois, demonstrarem ambição e maus sentimentos. Capturavam homens e crianças; maltratavam os que resistiam à prisão. Resolveram, por isso, os índios guerreá-los, no Continente, onde pretendiam fixar-se.

Forte, astucioso e de compleição atlética, o pajé Iuramatã era um guerreiro intrépido cujos predicados passaram aos seus filhos, — dois jovens goitacás; e Iara, — a filha, no esplendor dos seus dezesseis anos, tipo de beleza pura, — olhos grandes, negros e brilhantes, cabelos sedosos, que lhe cobriam as espáduas. Na expressão de meiguice do seu rosto moreno, sobressaíam os dentes alvos e perfeitos.

Contava-nos o velho representante dos nossos autóctones que Iara encarnava a flor mais linda que os goitacás haviam conhecido, motivo por que Iuramatã, orgulhoso de sua filha, projetava escolher, na tribo, um guerreiro valoroso, que a desposasse. Aguardava apenas o conselho dos magos. E temia as incursões dos brancos, visto como, apesar da vigilância constante dos índios, tentavam, às vezes, transpor o canal. Muitos foram flechados e mortos, no perigo dessas travessias.

— Um jovem lusitano, porém, resolveu pescar, nas imediações de Vila Velha. Chamava-se João-Maria. Tomou uma canoa e cautelosamente, ao cair de uma tarde, remou... contornou o Penedo e aproximou-se, mansamente do litoral, mais adiante, quando o ruído célere de um conjunto de setas lhe passou sobre a cabeça e abalou-o, em arrepios de terror! Caíram, ao mar, na sua frente.

Atônito, João-Maria olhou o ponto de onde partira a agressão e, presa de assombro, divisou, sobre um cômoro, a figura angelical de Iara, a sorrir. Empunhava a esgaravatana.

Confiante na inocência daquele sorriso, João-Maria saltou para a margem e aproximou-se da índia que, rápida, desapareceu, na floresta. Instantes depois, reapareceu, gesticulando, sem que o jovem pudesse compreendê-la, achando, entretanto, misterioso o que se lhe deparava. Zarpou... E, à noite, na Ilha Grande, lutou com a insônia, seguida de cruel pesadelo, até que o sono venceu as conseqüências da impressão causada pelo encontro daquela escultura animada pela força da Vida, na exuberância da Natureza. Sentia-se debater, entre o desejo de rever a figura extraordinàriamente bela da índia, de tê-la nos seus braços e cobri-la de carícias, — e o temor de uma cilada ou vingança atroz dos poderosos da selva.

Não. Não podia voltar!

Seria crivado de flechas!

Sonho? Realidade?

Refeito, porém, de tantas emoções, João-Maria decidiu-se, em repetir a vistoria ao sítio magnífico, na mesma hora vespertina. Dominado, pelo tumultuar de pensamentos e sentimentos diversos, remou... remou, até o lugar encantador. Logo, Iara sai do arvoredo e vai ao mar; nada, para alcançar a embarcação.

Enleado, João-Maria procura convencê-la de entrar na canoa, ao passo que, novamente, a índia foge, e oculta-se na mata.

Noutros dias, sucessivos encontros mais aproximaram aqueles corações juvenis.

Finalmente, Iara convidou João-Maria para subirem a encosta, a fim de apreciarem, ao longe, as malocas da sua tribo. Foram, mas, após uma cena de carinhos e afagos, a índia... fugiu, deixando o seu apaixonado certo da correspondência do amor.

Jamais, porém, o furioso pajé perdoaria as atrocidades dos invasores brancos, ao seu domínio, e cientificado dos colóquios amorosos de sua filha com o estranho, convocou o conselho dos magos. Luas e luas, oraram a Tupã, fervorosamente! ... E tomaram a trágica decisão: — Numa pilha de troncos, dispostos para a fogueira, colocaram os corpos dos enamorados, crivados de flechas.

Nos estertores da agonia, João-Maria e Iara se abraçaram. E assim, morreram!

Em torno, ao crepitar da fogueira, de rostos medonhos, de pintura e indumentária adequadas ao rito, os feiticeiros cantavam e dançavam, ao lúgubre ruflar dos seus tambores.

Finda a cerimônia macabra, o pajé inflexível mandou construir, ali, sobre o carvão e a cinza do martírio daqueles jovens, uma palhoça, — templo onde os feiticeiros e os iniciantes da magia invocavam os espíritos, seus conselheiros.

Parecia-lhes, desde então, que os gemidos singulares daquelas vítimas do amor puro e profundo se elevavam, entre o clamor dos seus espíritos.

Desse romance entre a mulher índia e o colono luso, resultou a lenda de uma "assombração", para a Casa da Manteigueira, assim denominado um antigo solar, erguido em Jaburuna, sobre uma colina fronteira ao mar. Era um elegante sobrado que, segundo a mesma lenda, não podia ser habitado, porque, alta noite, os espíritos de João-Maria e Iara fechavam e abriam portas, ruidosamente, andavam pelos corredores e salões, e gemiam... gemiam, profundamente, conforme os ciclos da Lua.

A casa desapareceu, há pouco tempo. Constituía uma curiosidade, para os viajantes, na passagem dos barcos, pelo canal de acesso ao Porto da Vitória.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Apreciação do livro de Dna Glorinha - Por Eurípides Queiroz do Valle

Apreciação do livro de Dna Glorinha - Por Eurípides Queiroz do Valle

"A Professora Maria da Glória de Freitas Duarte teve a delicadeza de confiar-me, ainda no original dactilografado, o estudo que empreendeu sobre o “Folc.-lore de Vila Velha”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Simpatias de São João

Um santo muito comemorado no mês de junho é São João. Esse santo é o responsável pelo título de "santo festeiro"

Ver Artigo
Crendices, Orações e Benzimentos

As orações, rezas, benzimentos, e responsos eram muito usados pelos nossos antepassados. E nesse gênero também, o nosso folclore é rico

Ver Artigo
Contos e Estórias - Por Maria da Glória de Freitas Duarte

Da Vila Velha do passado muito se tem o que contar. Dentre os inúmeros contos e estórias conhecidos das gerações passadas e quase sempre de fundo religioso, selecionamos os seguintes:

Ver Artigo
Enigmas e Advinhas - Por Maria da Glória de Freitas Duarte

- O que é, o que é: que todos vêem e Deus não vê?

Ver Artigo
Turismo do Espírito Santo - Por Aloísio Santos

A chave maravilhosa, que abrirá suas portas para o Brasil e para o mundo, é ainda e será sempre o turismo. Era o que tinha para dizer, Srs. Deputados

Ver Artigo