Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Pedra da Ema – Por Maria Stella de Novaes

Pedra da Ema, em Burarama, no Município de Cachoeiro de Itapemirim

Segundo a lenda, — uma dessas que enchem de poesia os recantos do Espírito Santo, existe um sino de ouro, enterrado pelo escravo de certo fazendeiro, quando se iniciou o povoamento do Sul da Capitania. Está guardado pelos bons espíritos que, à meia-noite, se reúnem, à sombra de uma sapucaieira, em cuja base repousa uma pedra encantada. É o sinal indicado para a descoberta da preciosidade, perdida no decorrer do tempo. Conta-se mesmo que diversas escavações já foram empreendidas pelos crentes na fantástica história. Nenhum resultado positivo, entretanto, se registrou, até agora. Persiste, por isso, a lenda cujo valor é o orgulho que o povo do lugar concentra, na posse de tão original tesouro: — a Pedra da Ema, em Burarama, no Município de Cachoeiro de Itapemirim.

A Pedra da Ema é assim chamada porque, na sua crosta, existe uma parte, ou mancha, esbranquiçada que, em determinadas épocas do ano, parece retratar uma ave pernalta. Destaca-se, de junho a setembro, do meio-dia, — quando começa a transformação, em ave de bico erguido, patas e asas dispostas, para o vôo, — até às quinze horas, quando atinge o máximo de sua beleza e principia a esmaecer-se.

— Dizem que um fazendeiro participou das entradas para as minas de ouro, do Castelo, onde explorou o metal empregado na feitura do sino. Perseguido pelos índios furiosos, diante das atrocidades ali cometidas, desceu, acompanhado de um escravo esperto que, vendo-o cair, atravessado por uma flecha certeira, que veio de ponto incógnito, logo o enterrou, com o valioso objeto. Seria desenterrado o sino, para o repique, nas festas da Liberdade, esperada sempre, com veemência, pelos infelizes, subjugados à impiedade dos patrões.

Sepultado, antes mesmo de exalar o último suspiro, o fazendeiro reaparece, na forma de uma ave, porque sua alma, presa ainda à ambição do ouro, anseia alar-se para o Infinito.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

A Lanterna do Itabira – Por Maria Stella de Novaes

A Lanterna do Itabira – Por Maria Stella de Novaes

Encerrava algo de misterioso aquele sítio distante, junto ao Itabira, em Cachoeiro do Itapemirim

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Juparanã – Por Maria Stella de Novaes

A Lagoa Juparanã está saturada de fantasia, criada pela imaginação do povo, e que se tem perpetuado, através das gerações

Ver Artigo
A Pedra da Ema – Por Adelpho Monjardim

Em Burarama, Município de Cachoeiro de Itapemirim, situa-se a Pedra da Ema, notável pelo fenômeno que ali se processa

Ver Artigo
As minas do Castelo- Por Adelpho Monjardim

Atribui-se aos jesuítas, ainda no Século XVII, o desbravamento do território do Município de Castelo

Ver Artigo
Chico DAnta, o Violeiro Escravo de São Benedito

O professor Elias perguntou de que família era ele. Chico respondeu: A prugunta num tá certa não. Voscimicê quer sabe de que família nóis era escravo, né?

Ver Artigo
Lendas, folclore, crendices de tropeiros – Por Ormando Moraes

Os tropeiros divulgavam também o caso da figueira mal assombrada da Fazenda do Bandeira, perto de Calçado, onde se ouviam gemidos e gargalhadas à noite

Ver Artigo