Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Adeus, Jucutuquara - Por Jorge Rodrigues Buery

Futebol - Rio Branco

Pelos idos de 1966 ou 67, não me recordo precisamente, comecei a assistir a jogos de futebol, frequentando estádios junto de meu pai e de meu tio. Todos Jorge. Uma época em que ainda se vendiam refrigerantes em garrafas. Os vendedores passavam entre as cadeiras sociais e arquibancadas carregando nas costas aqueles engradados. Para nós, crianças, era uma festa. Hoje, pela violência nas praças esportivas, refrigerante ou cerveja, só em copos de papel no balcão do bar.

Mas voltando à minha iniciação como torcedor, lembro-me bem que frequentava, nas tardes de domingo, o antigo estádio Governador Bley. Para nós, o estádio do Rio Branco. É claro que, pelo tempo, já nem sei mais dizer ao certo quais jogadores via em campo. Mas confesso que me animava quando o papai avisava que o tio Jorge passaria em casa para nos pegar e levar ao estádio. Ou ele mesmo, em algumas manhãs de domingo, nos levava (a mim e meus três irmãos) para um passeio no Rio Branco. Pegávamos a bola de plástico, e, como sócios, tínhamos acesso ao gramado. Para nós era uma grande alegria poder pisar no mesmo campo dos jogadores e, mais do que isto, chutar a bola em gol.

A ligação da família Buery (ou Boueri) com o Rio Branco vem desde que meu tio Jorge tinha uma loja no centro da cidade, e por ali se encontravam jogadores, torcedores, dirigentes e outras pessoas ligadas ao clube capa-preta. Foi ele quem construiu, na época em que tinha uma fábrica de tijolos, as primeiras cabines do estádio. Quer dizer, hoje como profissional da crônica esportiva, procuro separar as coisas, mas as raízes a gente nunca esquece. Uma outra ligação. Minha mãe passou grande parte de sua vida em Jucutuquara e ali conheceu meu pai. Mais do que evidente que eu ficasse mesmo saudoso, quando soube que um pouco de nosso passado ficava ali no bairro, quando o Rio Branco vendeu seu estádio para o Governo Federal instalar a Escola Técnica.

Hoje, depois de muitas dificuldades, o Capa-preta encontrou um lugar certo, embora distante de suas tradições. E recentemente recebeu um terreno para construir sua sede social em Jacaraípe. Quer dizer, o estádio em Campo Grande, a sede na Serra... O Rio Branco deu adeus a Jucutuquara, a seus abnegados, a seus heróis, às suas lembranças de bons tempos. E leva consigo um pouco da saudade de uma família.

 

ESCRITOS DE VITÓRIA — Uma publicação da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Vitória-ES.
Prefeito Municipal - Paulo Hartung
Secretário Municipal de Cultura e Turismo - Jorge Alencar
Diretor do Departamento de Cultura - Rogerio Borges De Oliveira
Coordenadora do Projeto - Silvia Helena Selvátici
Conselho Editorial - Álvaro Jose Silva, José Valporto Tatagiba, Maria Helena Hees Alves, Renato Pacheco
Bibliotecárias - Lígia Maria Mello Nagato, Elizete Terezinha Caser Rocha, Lourdes Badke Ferreira
Revisão - Reinaldo Santos Neves, Miguel Marvilla
Capa - Remadores do barco Oito do Álvares Cabral, comemorando a vitória Baía de Vitória - 1992 Foto: Chico Guedes
Editoração - Eletrônica Edson Malfez Heringer
Impressão - Gráfica Ita
Fonte: Escritos de Vitória, nº 13 – Esportes- Prefeitura Municipal de Vitória e Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, 1996
Autor: Jorge Rodrigues Buery.
Nascido em Vitória (ES). Jornalista.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2020

O Esporte na História do ES

Remo capixaba

Remo capixaba

Vitória era uma cidade sem atrativos no início do século, quando surgiram por aqui as primeiras práticas de modalidades esportivas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Moisés, um campeão - Por Jorge Rodrigues Buery

Na final do Campeonato Brasileiro de 1995, ele era um dos botafoguenses campeões

Ver Artigo
Remo: O Braço Forte do Esporte Capixaba - Por João Arruela Maio

Vitória em 1952, na disputa do Campeonato Continental, na raia de Valdivia, em Santiago, no Chile

Ver Artigo
A pesca do Marlim Azul

No Iate Clube do Espírito Santo é festa do marlim azul. O sol brilha mais forte: é o encontro de pescadores que ganharam fama mundial...

Ver Artigo
Tardes Amarelas no Futebol - Por Xerxes Gusmão Neto

Eu e o meu tio Adonias, que morava em São Torquato, subimos num ônibus da Viação Celeste, que portava um letreiro esquisito: São Torquato-Cruzamento

Ver Artigo
Fluminensinho, uma lição para a vida - Por Marcelo Bonfim Dessane

Os encontros continuavam na Prefeitura, perto da secular palmeira que enfeitava a praça, no bar do Olímpio, depois no Britz, na Sapataria Musiello

Ver Artigo