Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Arte que não se perde

Celso Adolfo, artista plástico

O artista plástico Celso Adolfo consegue “salvar” obra do mosaísta Raphael Samú. O mosaico seria demolido.

Por conta de demolições, reformas e ampliações, além do abandono e exposição ao tempo e outros agentes, obras de arte em edificações podem se perder para sempre se não forem protegidas ou resgatadas a tempo. Uma ação nesse sentido aconteceu recentemente quando o artista plástico e mosaísta Celso Adolfo usando técnicas de remoção, salvou um mural do artista plástico Raphael Samú que ornamentava a varanda de uma residência em Bento Ferreira, e que está destinada a demolição. A obra será restaurada e deverá ganhar um novo lar, em um prédio público.

O mural residencial em mosaico com pastilhas coloridas, medindo 3,40 x 3,20 m foi construído por Samú em 1965 e estava em estado precário de conservação. O trabalho de restauro e recomposição da obra ainda segue e está sendo desenvolvido Celso Adolfo em seu ateliê, na Prainha de Vila Velha.

Enquanto retirava as pastilhas do mural, Celso Adolfo comentou: “Esta casa será demolida e a obra artística está sendo resgatada e salva. Isso, infelizmente, não acontece no Brasil; quando vão demolir uma construção que fica velha, a obra de arte que ali existem vão no mesmo pacote, como ocorreu com um belíssimo painel da Marian na Rua Sete, que acabou se perdendo para sempre”.

Celso, que trabalha com pastilhas, azulejaria, vitrais, e esmaltação cerâmica, tem obras espalhadas pelo estado, como na Igreja de Santa Luzia, na Praia da Costa e na igreja Sagrada Família, em Piúma, além de residências particulares. Conforme explicou, essa transposição do painel de Samú é uma ação contemplada pelo edital de Preservação de Memória e Patrimônio, da Secretaria de Estado da Cultura (Secult).

Atenção

Outros murais em Vitória necessitam de cuidados ou restauros pois encontram-se em estado precário de conservação, como os murais de Samú na fachada do edifício Aldebaran, no Centro, e na entrada da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) com dimensões de 34,21 x 4,09 m.

Outro mural em pastilhas de vidro, com ilustração de peixes, destaca-se na fachada da Escola da Ciência, anexa ao Parque Moscoso, no Centro. A obra, que precisa de atenção, foi produzida por Anísio Medeiros. O prédio foi construído em 1952 por Francisco Bolonha e está entre os mais importantes do movimento modernista na cidade.

 

Fonte: Revista SIM Nº 74, julho/2014
Autor: Bartolomeu Boeno
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2014



GALERIA:

📷
📷


Especiais

Lembrando do Mestre

Lembrando do Mestre

Homero Massena fez sua última exposição em 1968. Não havia nenhuma galeria no ES, ela aconteceu na entrada do Carlos Gomes. O teatro estava caindo aos pedaços. Uma reforma completa foi iniciada logo após e Massena, convidado para pintar o teto

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jerônimo Monteiro - Capítulo XX

Jerônimo Monteiro e autoridades descendo as escadas do palácio em direção ao cais do Imperador, em um evento público, ao final do seu governo (1912). APEES — Coleção Jerônimo Monteiro

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo XX

TRABALHA E CONFIA, inspirada certamente na formação religiosa do Presidente: "Trabalha, como se tudo dependesse de ti; Confia, como se tudo dependesse de Deus"

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo XIX

Existia o Quartel de Polícia, no Moscoso, edifício relativamente novo, cujas fundações, porém, exigiam constantes reparos

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo XVIII

A 28 de agosto, o Dr. Jerônimo seguiu para o Rio de Janeiro, a fim de retribuir a visita do Dr. Nilo Peçanha

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo XVII

Já registramos que o Dr. Jerônimo tanto se interessava pelos melhoramentos da Capital quanto se voltava para realizações necessárias ao interior do Estado

Ver Artigo