Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Jacaré Encantado - Por Adelpho Monjardim

Pedra da Gamela e Reta da Penha, anos 70

Na Avenida Nossa Senhora da Penha, lado esquerdo, dirigindo-se para o Aeroporto, até princípios dos anos 60, existia um rochedo que se caracterizava por maravilhosa obra-prima da natureza: um jacaré de granito. Não era alto o rochedo, seis ou oito metros. Rocha esfoliada, de péssima qualidade, era apenas um plinto. Rodeando o topo, quase fechando o círculo, via-se enorme jacaré esculpido na própria rocha. Perfeito da cauda à cabeça. Ao vê-lo, à primeira vista, tinha-se a impressão de um animal vivo.

Conforme a lenda, o jacaré perseguia jovem índia, filha do poderoso cacique tupiniquim. Vendo-a na iminência de ser devorada pelo terrível caimão, o pajé petrificou-o por artes mágicas.

Obra da natureza, tão primorosa, merecia ser preservada. mas entre nós não existe o amor ao belo, que ao menos por decoro deveríamos respeitar.

A título não sabemos de quê, o proprietário do terreno dinamitou a pedra, pulverizando a maravilha ali colocada a milênios.

Não obstante, o vandalismo campeia solto contra os monumentos da natureza, sem que os poderes competentes ponham cobro a tais práticas, atentatórias à nossa própria cultura. E dizem existir órgão especializado de assistência à natureza.

Ali, na mesma região, a Pedra da Gamela, imensa e imponente e que à paisagem empresta singular encanto, está sendo demolida para que se transforme em paralelepípedos! Trágico e inglório fim. Destrói-se o que de belo integra o privilegiado cenário e o  anedotário local, através de pitorescos fatos, para reduzi-lo a um  refugado tipo de calçamento repudiado pelas cidades modernas e progressistas.

Lembrando a geométrica figura de um trapézio, a Pedra da Gamela é uma das grandes formações rochosas de Vitória. A face morena, antes de ferida pela dinamite, pelo imponente e majestoso aspecto atraía a atenção de todos. Hoje o âmago, a massa compacta da rocha está exposta como imensa e dolorosa chaga, contrastando com o que ainda se conserva intacto. Cavaram-se em seus flancos alucinantes abismos.

Há quarenta anos a Gamela era celebrado recanto da macumba. Ali se amiudavam os “terreiros”, quando as suas noites se transformavam em autênticos sabás, com as bruxas soltas. Mestre Pedro e a negra Honorata, os ases da mandinga. Muita gente boa freqüentava os «terreiros», mormente nas efervescências políticas. Caminhando as coisas para um novo Canudos, a polícia pôs cobro ao abuso.

A Pedra da Gamela tem nome na História da Ilha, embora não tenha sido preservada do vandalismo dos utilitaristas, infensos a qualquer sentimento que não represente o lucro imediato. Para eles o dinheiro acima de tudo. História, Tradição, Passado, são inócuas concepções burguesas, sem finalidades e que não enchem barriga.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

O Monstro – Por Adelpho Monjardim

O Monstro – Por Adelpho Monjardim

Bonitão, o Casanova conseguiu entabular namoro com a filha mais velha do fazendeiro e encorajado pela conquista, começou a cortejar a mais nova das irmãs

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo