Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Partido Republicano - Cisão

Presidentes eleitos no Espírito Santo (1892-1930)

As divergências de interesses entre os grupos da elite capixaba ficaram nítidas no Congresso do Partido Republicano realizado em Vitória, em 1890. Nesse congresso, comenta o analista político João Gualberto, “os chefes políticos do sul, pioneiros na formação dos clubes do Partido Republicano no Espírito Santo, foram lançados em segundo plano, em termos de direção política”.

A elite urbana da capital, ligada à agroexportação, pretendia controlar o governo estadual, excluindo das decisões políticas a elite agrária, ou seja, a classe dos cafeicultores. Em conseqüência, houve uma cisão no Partido Republicano.

Os latifundiários, insatisfeitos, formaram um bloco político dissidente e passaram à oposição. Para defender seus interesses, criaram a União Republicana Espírito-Santense. Em 1900, essa agremiação política recebeu outro nome: Partido da Lavoura. Nessa segunda versão, um de seus fundadores foi Jerônimo Monteiro.

Os líderes da capital, ligados ao comércio exportador, formaram o Partido Republicano Construtor. Autodenominados “republicanos autênticos”, foram colocados no governo do Espírito Santo por determinação do marechal Floriano Peixoto, em 1891. No Estado, Muniz Freire foi o chefe exponencial dessa ala política.

As rivalidades entre os políticos capixabas duraram um bom tempo. Quer fossem filiados à União Republicana-PL, quer ao PRC, pertenciam na origem, à elite econômica. Eram, todos, “farinha do mesmo saco”, “goiabada do mesmo tacho”. O único partido popular era o Partido Operário, que tinha expressão política muito restrita.

O brasilianista Geert Banck, ao estudar a cultura política do Espírito Santo, afirmou que “a instituição da República não significou muito mais do que alguns atritos entre facções políticas locais. As disputas não eram tanto sobre questões ideológicas, mas sobre cargos e vantagens”.

A imprensa da época refletia as hostilidades entre os grupos rivais. O principal objetivo dos jornais e pasquins era enaltecer os aliados e destruir a reputação dos adversários: um vínculo vicioso de intrigas, calúnias, traições, jogadas e manobras entre as principais lideranças. Era a disputa do poder pelo poder.

É evidente que a facção que conquistasse o governo podia tomar medidas em benefício de seus interesses particulares e podia distribuir empregos a parentes e amigos. Mais importante que tudo: podia conceder favores aos coronéis, que lhes dariam, em troca, os votos dos eleitores, o que, por sua vez, garantiria a vitória da facção situacionista nas eleições. A oposição, dessa forma, jamais chegaria ao poder.

 

Fonte: Livro História do Espírito Santo - uma abordagem didática e atualizada 1535 - 2002
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2014

Matérias Especiais

Torta Capixaba Literária

Torta Capixaba Literária

A Torta Capixaba era composta por ingredientes culturais de peso como Guilherme Santos Neves, José Paulino Alves Júnior, Nelson Abel de Almeida, Renato Pacheco e outros mais

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Paisagens da Ilha do Mel - Por Maria Isabel Perini Muniz

A paisagem vista e interpretada através da arte nos mostra aspectos que se escondem do nosso olhar descuidado e muitas vezes indiferente

Ver Artigo
Guarapari de ontem

"Quem passasse pela ruazinha tranqüila, aquela ruazinha varrida pelo vento sul e cujo solo barrento todo se cobria de regatinhos formados pelas chuvaradas de verão, invariavelmente descobriria a velha rendeira curvada sobre a almofada, trocando os bilros, atenta ao trabalho e de toda alheia ao bulício e à agitação exteriores ..."

Ver Artigo
General das Artes

Conheci, na casa de Homero Massena, anos 60, um amigo dele muito especial. Pessoa sensível, de fino trato, grande admirador da boa pintura e da Arte do mestre. Algumas vezes servi de mensageiro entre os dois, levando ao escritório do amigo, textos do Massena (muitas vezes assinados com pseudônimos: J. Prates, J. Carlos...) para que ele (diretor do jornal) providenciasse a publicação.

Ver Artigo
Festejos de Natal: Reis

O Reis foi introduzido em Vila Velha pelo Padre Antunes de Sequeira. Filho de Vitória, onde nascera a 3 de fevereiro de 1832

Ver Artigo
Ceia Natalina

A ceia natalina do Brasil e de outros países guardam muitas tradições em comum. Elas tem origem em velhos hábitos da Roma antiga

Ver Artigo