Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Resgatem Anchieta

Padre José de Anchieta

O Espírito Santo tem um Bem Cultural de Valor, mantido em cativeiro no Rio de Janeiro, por não termos pago seu resgate, nos anos 50.

Em 1587, veio para o Brasil o pintor/padre jesuíta Belchior Paulo. Ele começou o trabalho de decoração de nossas igrejas em Pernambuco, depois Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Santos e São Paulo. Foram 32 anos trabalhando para a formação do Brasil; destes, os últimos 16 dedicados exclusivamente à pintura. Todo o seu trabalho artístico foi destruído ou coberto por camada de tinta grosseira, a mando do Marquês de Pombal. Em todos os lugares onde trabalhou, pesquisadores buscam vestígios da sua obra: a mais antiga manifestação de pintura renascentista em solo americano.

“Os jesuítas se insurgiram contra a escravização dos índios, com o propósito de estabelecer no Brasil o governo temporal da Companhia de Jesus, esteado no elemento indígena. O que estorvava os interesses dos colonos e ao governo local criava graves dificuldades” (Reis Junior, 1944)

Quatro anos após vencer os Sete Povos das Missões, (que com o Tratado de Madri (1750) havia passado para o domínio português) Pombal expulsou os jesuítas do Brasil (1760) e mandou que fossem destruídas todas as pinturas de Belchior. Só por que lembravam os jesuítas?

É suposto que nestas obras o elemento indígena figurasse em destaque: o grande herói nacional do momento era Arariboia (1565); dois filhos mestiços de João Ramalho haviam tombado ao lado de Fernão de Sá, na última paliçada do Cricaré (1558); o Concilio de Trento (1563) havia reconhecido a existência da alma dos índios; os aldeamentos prosperavam; Anchieta havia publicado a Gramática da Língua Geral e o tupi/guarani era língua corrente; os jesuítas mesclavam elementos da cultura indígena aos rituais da igreja; Anchieta escrevia e encenava peças teatrais onde os índios dançavam, tocavam e atuavam. Fazia parte da ideologia jesuítica a valorização do nativo. Assim, o interesse pela obra de Belchior Paulo, além de estético é iconográfico. É possível que suas pinturas contenham elementos esclarecedores da relação índio/jesuíta, índio/colonizador, índio/império português.

Pesquisa buscando essas pinturas só obteve sucesso no ES. Na década de 40 foi encontrada em Anchieta uma tábua coberta por grossa camada de tinta, que raspada, revelou tratar-se do retrato do Padre Anchieta, com o bastão de andarilho na mão direita e na esquerda um rolo de papel com inscrições do poema à Virgem. Esta tábua foi encaminhada, quando do tombamento da igreja de Anchieta pelo IPHAN, para restauração por Edson Mota. Restaurada, eu a vi em 1986, em exposição no Museu Nacional de Belas Artes.

O padre/pintor Belchior Paulo foi um dos sacerdotes que confortaram Anchieta nos últimos dias (1597). Portanto esse é o único retrato do nosso taumaturgo feito por um contemporâneo dele.

O retorno dessa obra ao ES irá compor, com as telas de NS das Alegrias do Convento da Penha, e o painel dos Reis Magos em Nova Almeida, a tríade das pinturas mais antigas existentes no Brasil. Além de patrimônio cultural e valor monetário expressivo, bem posicionado para apreciação pública e divulgado seu retorno, será elemento de atração turística para o Espírito Santo.

Anchieta, com as mãos amarradas se ofereceu como refém aos Tamoios, para conseguir a paz. Compete aos capixabas colocar a mão no bolso, e pagar o resgate do seu precioso retrato.

 

Autor: Kleber Galvêas (Pintor. Tel. (27) 3244- 7115 - atelie@galveas.com - 06/2007)

LINKS RELACIONADOS:

>> Convento da Penha
>>
 
Kleber Galvêas 
>>
 
Anchieta 

Matérias Especiais

Saudações - Fernando Antonio de Oliveira

Saudações - Fernando Antonio de Oliveira

Carta endereçada ao escritor Walter de Aguiar Filho, autor do livro "Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno", pelas lembranças que nos traz sobre Vila Velha de outrora e pelo alerta sobre a identidade e cultura do canela-verde. Confira!

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Posfácio do livro Parabéns Pra Você – Por Cariê Lindenberg

Por fim, o que mais me marca em Maria é a sua determinação, força de vontade e grande fibra

Ver Artigo
Páginas soltas – Por D. Maria Lindenberg

Noventa anos significam uma vida repleta de bons e de maus momentos. De triunfos e de derrotas

Ver Artigo
Depois de Carlos – Por D. Maria Lindenberg

O domingo de 19 de agosto de 1990 deveria ser igual a qualquer outro

Ver Artigo
Em Palácio – D. Maria Lindenberg

Procurei ser amável sem pieguice; elegante, sem os maneirismos da moda; firme sem teimosia

Ver Artigo
O casamento – D. Maria Lindenberg

Sentamos no banco, que rodeava o abacateiro, para apreciar o cair da noite e, pronto, aconteceu: Carlos me deu o maior beijo

Ver Artigo