Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Igreja do Rosário – Por Adelpho Monjardim

Andor que carrega o mastro com a imagem de São Benedito, Igreja do Rosário/Vitória - ES

Edificada no Século XVIII, a Igreja do Rosário não nos legou qualquer fato importante ligado à História, a não ser a tradicional rivalidade entre Caramurus e Peroás.

A festa de São Benedito, padroeiro das pessoas de cor, havia difundido grande devoção no povo capixaba. São Benedito era venerado no Altar-Mor da Capela da Ordem Terceira de São Francisco, no Convento de São Francisco. Frei Manuel de Santa Úrsula era o seu guardião. Filho do proprietário da Fazenda de Santo Antônio, era ele homem temperamental, prepotente e gostava de ser obedecido. No dia da festa do santo, 28 de dezembro de 1832, amanheceu chovendo, razão pela qual determinara não sair a procissão. A Mesa da Confraria resolvera o contrário, pois para o miraculoso Santo não havia intempérie. Discutiram e se exaltaram. Irredutível o Guardião não cedeu e ordenou aos escravos do Convento que atirassem pela janela os castiçais, opas e tochas da Irmandade, enquanto trancava a santa imagem na sua cela; posto que se retirou para a fazenda paterna.

Passaram-se os tempos e Santa Úrsula foi substituída por Frei Antônio de São Joaquim. Este mandou recolocar a imagem no seu nicho. Acontece que num domingo de setembro de 1833 os indivíduos: Domingos do Rosário, Antônio da Mota, africano forro e o crioulo Elias Coelho, adrede instruídos, pela madrugada, entraram no Convento e roubaram a santa imagem, levando-a para a Igreja do Rosário, onde, em regozijo, repicaram sinos e espocaram foguetes.

Assim nasceu a dualidade das Confrarias de São Benedito. Uma legitimista, com sede no Convento de São Francisco e outra “protestante”, acolhida no Rosário. “Duas facções desavieram-se de modo formal. Do bate-boca acalorado e do recado atrevido passaram às vias de fato inúmeras vezes. O povo dividiu-se e do campo religioso passou ao político, como não poderia deixar de acontecer. Os dissidentes apelidaram os conformados de «Caramurus», nome dado a uma casta de peixes não muito estimada. Em revide receberam os «protestantes» o nome de “Peroás”, peixes também de pior cotação nas bancas dos pescadores. A discussão durou quase um século. Em Vitória não houve neutros. Os conservadores apoiaram os “Caramurus” e os Liberais se filiaram aos “Peroás”, da Igreja do Rosário”.

Da Igreja do Rosário conserva a Cidade, em seu anedotário, jocosa história de um de seus zeladores, o fabuloso Cassiano. Cultor de Baco, recebera da garotada a alcunha de “Garapa”. Era, na época, homem de seus cinqüenta e tantos anos. Meão de altura, branco, reforçado, barba inculta e relaxado no vestir. Sapatos acalcanhados, calças largas, sobrando sobre o calçado, pernas arqueadas, representava a contento o tipo clássico popular. Irascível, ai de quem o chamasse pela alcunha. Pobres mães!

Devoto a seu modo, contrito acompanhava as procissões, postando-se junto ao andor para mais de perto receber os eflúvios da santidade. Ali, respeitoso, refreava a incontinência verbal, os belicosos impulsos. Prevalecendo-se desse estado d'alma, a garotada o seguia de perto, azucrinando-o de modo indireto. Embora provocado ele não podia estrilar. Sabemos que a mistura de mel com água produz a garapa. Assim os pelintras martelavam os ouvidos do devoto Cassiano: Mel com água! Mel com água! Rangendo os dentes, raivoso, olhos coruscantes, ele murmurava: — Mistura! Mistura! Desgraçado!

Religiosamente, aos sábados, o devoto Cassiano vestia a opa. Munindo-se de uma matraca e uma sacola, descia a longa escadaria do Rosário. Ia esmolar para a Santa, quando, piedoso, percorria a cidade. Ao anoitecer retornava à igreja. Cansado, ofegante, galgava uma centena de degraus com estoicismo apostolar. Despido da opa, guardando a matraca, ajoelhava-se diante do altar, dirigindo à Santa o seu olhar mais súplice. Em cada pupila resplandecia uma benção. Persignando-se, como quem espalha algo pelo rosto, balbuciando palavras ininteligíveis, derramava o conteúdo da sacola sobre o altar; moedas de cobre, na maior parte. Começava, então, a dividi-las do seguinte modo: duas pra mim, uma para vós. Feitos aos montes, separados os quinhões, olhando a Santa, com velhaco olhar, exclamava: - Para que Santa quer dinheiro? Raspando os dois quinhões para dentro da sacola, sem pejo e sem remorso, virando-lhe as costas, firme e teso saía em paz com a consciência. No mais era bom devoto e cristão. Entretanto, na sua filosofia  simplista residia grande verdade – para que santo quer dinheiro?

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2016



GALERIA:

📷
📷


Folclore e Lendas Capixabas

Como a noite reinou sobre a Terra - 2ª versão

Como a noite reinou sobre a Terra - 2ª versão

A terra era um maravilhoso jardim de eterna Primavera, em que reinava a Aurora, envolvida em seu manto de gás, resplandecente à primeira luz do dia...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo