Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Associações e federações de umbanda e candomblé

Capa da primeira edição do livro publicado em 1994

São seis as associações e federações que congregam as comunidades de Candomblé e Umbandas capixabas.

A primeira organização aqui destacada, por ser a mais antiga, é a Federação Espírita do Estado do Espírito Santo, que tem excelente estrutura administrativa e publica o informativo “A Senda”, no qual são divulgadas as suas realizações em prol da Umbanda Kardecista.

A segunda organização é a Federação Espírita Umbandista do Espírito Santo, mais voltada para o atendimento dos umbandistas, mas que não nega apoio ao Candomblé. Ela tem uma linha de trabalho direcionada para a orientação espiritual e material dos Terreiros. Essa linha está muito bem definida em uma publicação da própria Federação, o “Manual do Presidoca”, obra de valor inestimável como orientação aos Terreiros e que marca definitivamente a presença dessa Federação, a segunda mais antiga, junto aos seus filiados, espalhados porto do o Estado.

A terceira organização é a Federação Espírito-Santense de Cultos e Entidades Afro-brasileiras do Espírito Santo (Fesceab). Como o próprio nome define, a Afro-brasileira tem linha de ação dedicada à defesa dos interesses da cultura religiosa afro-brasileira e estende suas atividades ao interior através de organizações regionais. Foi a organização pioneira na defesa da cultura afro no Espírito Santo. Atualmente conta com mais de dois mil associados espalhados por todo o Estado e publicou “O Saravá”, “jornal afro-brasileiro” dedicado aos assuntos de interesse dos praticantes.

A quarta organização, a União Espírita Capixaba (Unescap), abrange a Umbanda, a Pajelança, a Quimbanda, o Kardecismo e o Candomblé, além de pessoas que, mesmo não tendo casas abertas, dão consultas de búzios,cartas etc. Nessa organização, percebe-se, nitidamente, a diretriz de valorizar, difundir e preservar os valores culturais africanos herdados. Assim, a ação da Unescap estende-se em apoio a capoeiristas e outras manifestações culturais africanistas, como bandas de Congos e Jongos. Além disso, atua como veiculadora de notícias, tendo publicado o jornal Iluaché e buscando espaço nas emissoras de rádio locais para divulgar os eventos relacionados à sua área de ação, na capital e interior.

A quinta é a Sociedade Espírita Brasileira/ES (Sesbras), que se caracteriza pela atuação na mesma linha das duas já citadas, mas que tem uma estrutura organizativa diferente, mais democrática, uma vez que sua diretoria, em 1989, compunha-se de 39 membros distribuídos em diversas funções, incluindo supervisores municipais que cuidam dos interesses da associação nas regiões fora da capital.

A sexta organização é a Sociedade Cultural de Estudos das Seitas Africanas no Brasil (S’Ceeabra), que é a mais nova associação local, mas que tem demonstrado amplamente sua ação em diversos eventos que realizou ou de que participou, como cursos e palestras, evidenciando seu propósito de divulgar, valorizar e promover a cultura religiosa africanista.

É interessante perceber que, apesar do natural e ocasional conflito de interesses das organizações associativas entre si mesmas e entre elas e seus associados, a convivência é harmoniosa o suficiente para até serem programadas e realizadas ações comuns e articuladas envolvendo a todos.

A finalidade dessas associações e federações é, por exemplo:

 

reunir Tendas, Centros e Terreiros do ritual de Umbanda e Candomblé com os seguintes objetivos: a) Difundir a doutrina espírita de modo geral, promover o amparo ao menor, ao adulto desajustado ou à família e anciãos necessitados; b) Prestar assistência social, jurídica e médica aos sócios, promover a ação comunitária em programas preventivos e promocionais no campo social; c)Dar instrução aos seus associados, familiares e adeptos; d) Prestar conforto espiritual e material aos que dela necessitarem, dentro de suas possibilidades e; e) Fiscalizar o perfeito cumprimento das boas normas que dignificam a fé elevando a moral e o espírito de solidariedade humana(65).

As organizações são, geralmente, de “caráter religioso-filantrópico, científico e filosófico, sem fins lucrativos, políticos, nem sectaristas e sem discriminação de raça, sexo ou condição social”, destinando-se “a congregar as sociedades e uniões locais de sociedade espíritas... para defesa dos interesses comuns”(66).

Têm elas também a intenção de orientar rituais litúrgicos, criar solidariedade, promover a caridade e sessões públicas, defender interesses da religião e dos praticantes, dar assistência jurídica aos associados, promover cursos teóricos e práticos para o desenvolvimento do corpo mediúnico e auxiliares, manter em rádio, jornais e revistas formas de divulgação de difusão da religião(67).

Conclui-se que as organizações associativas têm papel importante como elementos aglutinadores e de articulação das Comunidades de Terreiros. Elas têm ainda muito espaço de atuação para preencher e, infelizmente, muita dificuldade de realização plena de seus princípios estatutários e planos de melhoria e ampliação de suas atividades junto aos Terreiros e Barracões.

 

NOTAS

(65) Capítulo 1, artigo 10 do Estatuto da União Espírita Capixaba (Unescap).

(66) Artigos 10 e 20 do Capítulo 10 do estatuto de Federação Espírita Umbandista do Espírito Santo.

(67) Depoimento do Ogã Nilton Dario sobre a Federação Espírito-Santense de Cultos eEntidades Afro-Brasileiras, durante o Seminário Candomblé e Umbanda no Espírito Santo.Ufes. Julho de 1989. Documento em vídeo no acervo da Biblioteca Central da Ufes.Coleção “Práticas Culturais no Espírito Santo: A Religião em Questão”, fita 21.

 

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

Governador

Paulo Cesar Hartung Gomes

Vice-governador

César Roberto Colnago

Secretário de Estado da Cultura

João Gualberto Moreira Vasconcelos

Subsecretário de Gestão Administrativa

Ricardo Savacini Pandolfi

Subsecretário de Cultura

José Roberto Santos Neves

Diretor Geral do Arquivo Público do Estado do Espírito Santo

Cilmar Franceschetto

Diretor Técnico Administrativo

Augusto César Gobbi Fraga

Coordenação Editorial

Cilmar Franceschetto

Agostino Lazzaro

Apoio Técnico

Sergio Oliveira Dias

Editoração Eletrônica

Estúdio Zota

Impressão e Acabamento

GSA

 

Fonte: Negros no Espírito Santo / Cleber Maciel; organização por OsvaldoMartins de Oliveira. –2ª ed. – Vitória, (ES): Arquivo Público do Estado doEspírito Santo, 2016.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2021

Especiais

Aspectos do Direito Brasileiro na República - Parte I

Aspectos do Direito Brasileiro na República - Parte I

Estas últimas constituições, todavia, a de 1934 e de 1937, de aparência menos democrática, consultam ambas, mais de perto, as aspirações populares e caminharam numa estrada mais ampla, até a socialização

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Luiz Buaiz - Um homem insubstituível

Sempre presente e extremamente generoso, a sua maneira de cuidar é incomparável e única

Ver Artigo
Viagem ao Espírito Santo (1888) - Princesa Teresa da Baviera (PARTE I)

A bordo do Maria Pia, sábado, 25 de agosto. Do Rio de Janeiro para o Espírito Santo

Ver Artigo
Domingos José Martins, a morte pela liberdade

Domingos Martins, próspero economicamente, queria, acima de tudo, a independência política de sua gente e participava ativamente das reuniões em que se discutia e planejava a Revolução da Independência, bem como a Proclamação da República

Ver Artigo
Virgilio Vidigal – Por Levy Rocha

Casou-se antes dos vinte anos, com a filha do Padre Antunes de Sequeira, outro poeta e enaltecedor das letras capixabas

Ver Artigo
Impressões de Vitória – Por Taneco e João Bonino

Dois homens, senhores do tempo, que acompanharam o desenvolvimento do Centro da Cidade

Ver Artigo