Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Belchior de Azeredo e Ararigbóia – Por Serafim Derenzi

Engenho - Ilustradora: Mônica Mol

NOMES QUE TRANSPÕEM AS FRONTEIRAS

Belchior de Azeredo ocupou todos os cargos importantes da Capitania. Sesmeiro, lavrou fazenda que se tornou próspera. A notícia que dele nos chegou, através dos responsáveis pelo registro da história quinhentista do Brasil, nô-Io retrata homem de caráter, corajoso, prudente e bom. Sucedeu a Vasco Fernandes Coutinho, de quem foi secretário, por eleição do povo e por nomeação de Mem de Sá. Governou com prudência de 3 de agosto de 1560 a 1563. Ligou seu nome a todas as iniciativas de seu tempo. Ajudou a Afonso Brás e a Brás Lourenço, carregando, com as próprias mãos, pedras para a construção dos jesuítas. Defendeu a vila contra a invasão dos franceses, acolheu Frei Palácios e foi possivelmente seu melhor esmoler para construir as capelas do morro da Penha. E, quando já desobrigado de Capitão-mor, é ele que acompanha Estácio de Sá, com reforço de homens e índios, na tomada do Rio de Janeiro, invadido pelos franceses.

Não houve dois Belchior de Azeredo, o velho e o moço, conforme supõem Daemon e José Marcelino. Os moços, porque foram dois, Marcos e Miguel de Azeredo, eram sobrinhos de Belchior, assinalaram-se igualmente no fim do século XVI, como se verá.

Ararigbóia comandou os temiminós recrutados por Belchior, na retomada da Guanabara, vingando-se dos castigos que os tamoios, então aliados aos franceses, infligiram, anos atrás, à família de Maracaiaguaçu o Gato Grande.

Não é pacífico o nascimento de Ararigbóia no Espírito Santo. Deram-lhe o nome, no batismo, de Martim Afonso de Souza e por isso Frei Vicente admite que tenha nascido no Rio de Janeiro. O frade não se documenta. Mário Freire limita-se a escrever que "há quem afirme" ter o índio nascido no Espírito Santo.

Tudo me leva a crer que o famoso guerreiro indígena tenha nascido na Capitania. Catequizado pelos jesuítas, distinguiu-se como chefe da tribo a que pertencia, razão para ser recrutado por Belchior de Azeredo. Varnhagen encarece o auxílio do Espírito Santo a Estácio de Sá. Pagou-lhe na mesma moeda de honra o sangue derramado pelos primos Fernão e Baltazar de Sá, nas águas do Cricaré e no cerco de Vitória, pelos botocudos selvagens.

Levino Fanzeres, pintor capixaba, imortalizou, em famosa tela, a partida de Ararigbóia para o Rio de Janeiro.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2017

História do ES

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Discórdias na Capitania - Início Século XVIII – Ainda o caminho das minas

À Bahia chegaram delações contra o capitão-mor Francisco de Albuquerque Teles, obrigando o governador geral a dirigir-se ao provedor da Fazenda Manuel Correia de Lemos

Ver Artigo
Franceses no Rio de Janeiro no Início do Século XVIII

O grande acontecimento que abalou a colônia, em 1710, foi o assalto comandado por Duclerc contra o Rio de Janeiro

Ver Artigo
O Construtor do Relógio da Praça Oito

Quem passa pela Praça Oito, em Vitória, vê, ali, um relógio de grande porte, mas lhe não sabe a história nem, sequer, o nome daquele que o construiu

Ver Artigo
Um bacharel morando em Vitória em 1700

Ainda no princípio do século XVIII, Vitória já contava com um bacharel formado pela Universidade de Coimbra

Ver Artigo
Esmeraldas! Esmeraldas! – Governo de Antônio Luis Gonçalves da Câmara Coutinho

O acontecimento culminante do seu período governamental foi a descoberta de minas pelo capitão Antônio Luís de Espinha

Ver Artigo