Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cinema de Aracruz - Parte I

Capa do Livro: Faça-se Aracruz

No início do ano de 1964, como vários outros jovens aracruzenses, Jovino Moro acompanhava, de queixo caído, algumas projeções cinematográficas no clube conhecido como  “Esmeril” (um grande galpão na esquina das Ruas Ananias Neto e Padre Luiz Parenzi, hoje acupado pelo Bradesco, Lojas Giacomin e outras) e no salão do Esporte Clube Sauassu. Não deu outra: Jovino se aproximou por aquela maravilha que se chamavam de “Sétima Arte”!

A coisa mexeu também com o gerente do então Ruralbank (Banco do Estado do Espírito Santo, hoje Banestes), Tranqüilo Dias Sampaio, que começou a falar em montar um cinema na cidade. Jovino se associou a ele.

Instalado na Igreja Católica (Avenida Venâncio Flores, onde hoje está o Banco do Brasil), exibindo filmes de 16 milímetros, o cinema recebeu o nome de “Cine Leila”, em homenagem a filha do gerente. Estreou em 21/08/1964, com o filme “A vida por um desejo”.

O Cine Leila funcionou ali algum tempo. Até o Ruralbank transferir Tranqüilo de Aracruz, quando então foi obrigado a fechar, porque Jovino não tinha condições de mantê-lo sizinho. Mas o “veneno” tinha tocado o coração dele, deixando-o apaixonado para sempre!

Assim que pôde, Jovino comprou a parte de Tranqüilo na sociedade e “deu um jeito” de o cinema voltar a funcionar, com o nome de “Cine Esperança”. “Eu tinha esperança de construir um cinema melhor, à altura de Aracruz”, explicava ele. O sonho era pelo menos na bitola de 35 milímetros.

 

Fonte: Faça-se Aracruz!, nº 2 - setembro/1997
Organizador: Maurilen de Paulo Cruz
Fonte de Pesquisa: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2012

 

Links Relacionados:

 
Cinema de Aracruz - Parte II

 


Variedades

Film Comission Capixaba – Por Adilson Vilaça

Film Comission Capixaba – Por Adilson Vilaça

O chamado Pólo de Cinema Capixaba ainda não perdeu inteiramente o terreno que conquistou

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jerônimo Monteiro - Capítulo X

O Presidente do Estado, Jerônimo Monteiro e correligionários após a entrega do cemitério de Santo Antônio à Prefeitura Municipal de Vitória (1912). APEES — Coleção Jerônim o Monteiro

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo VII

No Anchieta. O Presidente Jerônimo Monteiro despacha com o Diretor de Agricultura, Terras e Obras, Antônio Francisco de Athayde, e o Secretário Geral de Estado, Ubaldo Ramalhete Maia, 1912

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo IV

Na foto, recepção ao Dr. Álvaro de Tefé, Secretário da Presidência da República, na estação de Argolas, Vila Velha, da Estrada de Ferro Leopoldina (1912). APEES — Coleção Jerônimo Monteiro, 128

Ver Artigo
O Dia Internacional da Mulher - Origem

Queremos registrar aqui o nosso agradecimento a todas as mulheres que contribuem com este site, seja enviando fotos especiais e antigas, textos, ou sugerindo matérias através do nosso Fale Conosco. Comemoramos esse dia com vocês, pois sabemos que fazemos parte da vida de um grupo de mulheres especiais

Ver Artigo
A História do Carnaval

Foi em fins do século XIX e início do séc. XX que o carnaval do Brasil começou a conquistar fisionomia própria: nessa época já declinava o carnaval europeu

Ver Artigo