Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cinema de Aracruz - Parte I

Capa do Livro: Faça-se Aracruz

No início do ano de 1964, como vários outros jovens aracruzenses, Jovino Moro acompanhava, de queixo caído, algumas projeções cinematográficas no clube conhecido como  “Esmeril” (um grande galpão na esquina das Ruas Ananias Neto e Padre Luiz Parenzi, hoje acupado pelo Bradesco, Lojas Giacomin e outras) e no salão do Esporte Clube Sauassu. Não deu outra: Jovino se aproximou por aquela maravilha que se chamavam de “Sétima Arte”!

A coisa mexeu também com o gerente do então Ruralbank (Banco do Estado do Espírito Santo, hoje Banestes), Tranqüilo Dias Sampaio, que começou a falar em montar um cinema na cidade. Jovino se associou a ele.

Instalado na Igreja Católica (Avenida Venâncio Flores, onde hoje está o Banco do Brasil), exibindo filmes de 16 milímetros, o cinema recebeu o nome de “Cine Leila”, em homenagem a filha do gerente. Estreou em 21/08/1964, com o filme “A vida por um desejo”.

O Cine Leila funcionou ali algum tempo. Até o Ruralbank transferir Tranqüilo de Aracruz, quando então foi obrigado a fechar, porque Jovino não tinha condições de mantê-lo sizinho. Mas o “veneno” tinha tocado o coração dele, deixando-o apaixonado para sempre!

Assim que pôde, Jovino comprou a parte de Tranqüilo na sociedade e “deu um jeito” de o cinema voltar a funcionar, com o nome de “Cine Esperança”. “Eu tinha esperança de construir um cinema melhor, à altura de Aracruz”, explicava ele. O sonho era pelo menos na bitola de 35 milímetros.

 

Fonte: Faça-se Aracruz!, nº 2 - setembro/1997
Organizador: Maurilen de Paulo Cruz
Fonte de Pesquisa: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2012

 

Links Relacionados:

 
Cinema de Aracruz - Parte II

 


Variedades

Regência - Por Rubem Braga (1949)

Regência - Por Rubem Braga (1949)

Os motores novos pulsam no rio, a estrovenga limpa o mato, os americanos fazem contratos, os baianos chegam ávidos de dinheiro

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Último Dia – Por Betty Feliz

Fomos passear na Lanchonete Sete e copiar alguns modelos do verão nas vitrinas da Doll Sport, que era o must da moda capixaba em 1968 

Ver Artigo
Nascida em 23 de maio - Por Terê Thomazini

Dia 23 de maio de 1970 foi meu nascimento aqui na cidade de Vila Velha. Na verdade dez anos antes, na cidade de São Gabriel da Palha Dona Lacy Thomazini dava a luz a uma menina que seria a primeira dos seus seis filhos

Ver Artigo
O Titânio na Costa do Espírito Santo – Por Archimimo Mattos

Os depósitos litorâneos de Benevente, Guarapari, Itapemirim  são de fácil exploração comercial, como, aliás, já foi feito com as areias monazíticas

Ver Artigo
A origem do nome Morro da Manteigueira

A Casa da Manteigueira, um antigo solar que tinha fama de ser assombrado pelos espíritos de dois amantes...

Ver Artigo
Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa

Ver Artigo