Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cinema de Aracruz - Parte I

Capa do Livro: Faça-se Aracruz

No início do ano de 1964, como vários outros jovens aracruzenses, Jovino Moro acompanhava, de queixo caído, algumas projeções cinematográficas no clube conhecido como  “Esmeril” (um grande galpão na esquina das Ruas Ananias Neto e Padre Luiz Parenzi, hoje acupado pelo Bradesco, Lojas Giacomin e outras) e no salão do Esporte Clube Sauassu. Não deu outra: Jovino se aproximou por aquela maravilha que se chamavam de “Sétima Arte”!

A coisa mexeu também com o gerente do então Ruralbank (Banco do Estado do Espírito Santo, hoje Banestes), Tranqüilo Dias Sampaio, que começou a falar em montar um cinema na cidade. Jovino se associou a ele.

Instalado na Igreja Católica (Avenida Venâncio Flores, onde hoje está o Banco do Brasil), exibindo filmes de 16 milímetros, o cinema recebeu o nome de “Cine Leila”, em homenagem a filha do gerente. Estreou em 21/08/1964, com o filme “A vida por um desejo”.

O Cine Leila funcionou ali algum tempo. Até o Ruralbank transferir Tranqüilo de Aracruz, quando então foi obrigado a fechar, porque Jovino não tinha condições de mantê-lo sizinho. Mas o “veneno” tinha tocado o coração dele, deixando-o apaixonado para sempre!

Assim que pôde, Jovino comprou a parte de Tranqüilo na sociedade e “deu um jeito” de o cinema voltar a funcionar, com o nome de “Cine Esperança”. “Eu tinha esperança de construir um cinema melhor, à altura de Aracruz”, explicava ele. O sonho era pelo menos na bitola de 35 milímetros.

 

Fonte: Faça-se Aracruz!, nº 2 - setembro/1997
Organizador: Maurilen de Paulo Cruz
Fonte de Pesquisa: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2012

 

Links Relacionados:

 
Cinema de Aracruz - Parte II

 


Variedades

A Justiça e o Ministério Público Capixabas no início do Século XX

A Justiça e o Ministério Público Capixabas no início do Século XX

Pertenciam à nossa Corte em 1907, os Drs. Luiz Manoel Mendes Veloso, Presidente; Getúlio Serrano; Gregório Magno Borges da Fonseca; Antônio Ferreira Coelho e Barcímio Paes Barreto, todos nordestinos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A prisão do tapete – Por Pedro Maia

Um tapete que estava a secar em uma janela no tranquilo aglomerado residencial chamado Paul

Ver Artigo
Macaco na cabeça! - Por Pedro Maia

Do alto da árvore o bicho fez mil e umas com os óculos do pobre do Evaristo que, cá de baixo, tentava atrair o macaco de todas as maneiras como costumeiramente se atraem os macacos

Ver Artigo
O Centro, hoje - Por Cristina Dadalto

Acomodados nas muradas de concreto, pescadores jogam suas varas enquanto observam a grandiosidade do Penedo

Ver Artigo
A história de Vitória – Por Cristina Dadalto

O nome, Ilha de Santo Antônio, Vitória recebeu de Duarte de Lemos, que a ganhou de presente, para usufruto, de Vasco Fernandes Coutinho, em 1537

Ver Artigo
Na borda do infinito – Por Luiz Carlos Almeida Lima

Bebia num bar... SCANDINAVE... outro porto, outra terra a proteger caravelas... preso como âncora no lodaçal

Ver Artigo