Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Década de 1910 – Um projeto de água para Vila Velha

Região da caixa de água do Cercadinho, Vila Velha - Foto: José Tatagiba

Havia um porém. Vila Velha precisava ampliar seu abastecimento de água. Por isso, o então diretor de Agricultura, Terras e Obras do Estado, Antônio Francisco de Athaíde, em 30 de julho de 1910, encaminhou projeto para Jerônimo Monteiro, propondo:

“A água de Vila Velha será recebida na linha adutora acima do sítio Guaymum, passando em Porto Velho e Porto de Argolas e daí pela linha de bondes até aquela cidade que prospera.” A proposta foi aceita. Em mensagem à Assembleia Legislativa, de 23 de setembro do mesmo ano, Jerônimo Monteiro informou: “Tomei a deliberação de fazer a canalização d’água para a Vila do Espírito Santo pelo Continente e diretamente do encanamento geral para aquele local, servindo na passagem os povoados de Argolas e Porto Velho.”

Assim, foi construído o reservatório de água para a Sede da cidade no Morro do Cercadinho.

Qualidade da água do Rio Duas Bocas

Foram analisadas tanto a água de Duas Bocas como a do Jucu, consideradas de boa qualidade pelo mestre Daniel Henninger, da Escola Politécnica do Rio de Janeiro. A análise foi feita por Theodor Peckolt e Gustavo Peckolt. A água de Duas Bocas apresentou- se límpida, transparente, incolor, sem cheiro e de sabor agradável.

O exame científico não detectou vegetais microscópicos (Dermídeas, Leptornites, Saprophitas ou outras, muito menos algas brancas) nem bactérias. Revelou-se, ainda, que a porcentagem dos elementos da água de Duas Bocas era de água potável, segundo o Congresso Internacional de Bruxelas e de acordo com a tabela do Laboratório Municipal de Paris.

A barragem no Rio Pau Amarelo

Outra pequena barragem no Rio Pau Amarelo foi concluída em 1918. Está situada a montante e a cerca de 3 Km da barragem maior que foi construída em 1951. Como não foi submersa pelas águas represadas da barragem maior, permite visitação pública com caminhada ecológica muito agradável.

 

Fonte:  Das Fontes e Chafarizes às Águas Limpas – Evolução do Saneamento no Espírito Santo – Cesan, 2012
Autor: Celso Luiz Caus
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2019

História do ES

Os desenhos do Príncipe de Wied

Os desenhos do Príncipe de Wied

Só agora me chegou às mãos o livro de excertos e ilustrações relativo à Viagem ao Brasil, empreendida por Maximiliano, Príncipe de Wied, nos anos de 1815-1817

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo