Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Insurreição do Queimado, o outro lado da revolta

Igreja do Queimado -Serra,ES

Se o frei Gregório de Bene prometera ou não as cartas de alforria, é uma dúvida que os documentos históricos disponíveis não permitem resolver até o momento. Restou, apenas, a versão do padre. No juramento que prestou por escrito alguns dias depois, ele nega tal acusação. Escreveu, em sua declaração: “Eu não podia, nem devia, nem queria lhes dar carta de alforria”.

Há um provérbio popular, segundo o qual “papel aceita tudo”. De qualquer modo, tendo sido sincero em sua declaração ou omitido a verdade, o frei Gregório de Bene foi o pivô do episódio e a suposta promessa quebrada foi o motivo alegado para a insurreição – ou teria sido, apenas, um pretexto artificialmente criado pelos negros?

De acordo com uma interpretação histórica pouco convencional, o principal líder da revolta, um escravo de nome Elisiário, teria intencionalmente distorcido as idéias do padre, em benefício da luta pela liberdade. Essa abordagem está baseada no fato de que negros cativos assistiam às cerimônias religiosas com os brancos, sentados, muitas vezes, nos mesmos bancos ou, na pior das hipóteses, no fundo da nave da igreja. Nos sermões, senhores e escravos eram apresentados como irmãos em Cristo e, portanto, iguais. O discurso igualitário, próprio do cristianismo, teria sido manipulado por Elisiário, para tramar a rebelião. A insurreição, nesse sentido, não foi espontânea e repentina, mas, sim, planejada com bastante antecedência por um grupo de escravos.

O cabeça e ideólogo da rebelião, como já está claro, é Elisiário. Próximo a ele, como segundo homem e líder moral, o escravo Chico Prego. Segue-se uma lista de ativistas, aliciadores e armeiros: Domingos Corcunda, Carlos, Eleutério, Benedito, João da Viúva, João Pequeno e o irmão de Elisiário, também chamado João. Mensageiros foram enviados ao norte e sul da província, a fim de conquistar adeptos para movimento. Esse virtual reforço, se de fato foi solicitado, não chegou a tempo.

 

Fonte: História do Espírito Santo - Uma Abordagem Didática e Atualizada 1535-2002
Autor: JOSÉ P. SCHAYDER

Compilaçâo: Walter de Aguiar Filho, agosto/2012

História do ES

Fortificações: um legado esquecido

Fortificações: um legado esquecido

Um aspecto da evolução urbana de Vitória que está intimamente ligado ao crescimento da própria cidade, é o sistema defensivo, do qual, por alguma sorte, ainda resta uns poucos vestígios

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo