Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Madeiras para construções náuticas e civis – Por Basílio Daemon

Maçaranduba - Iriri, Anchieta

As madeiras de primeira qualidade que contém a província em suas gigantescas matas são as seguintes, afora as de inferior qualidade que servem para diversas construções de uso doméstico e são as abaixo mencionadas:

Abiurana [no original, abiuruna], acapu, acariquara [no original, acariocara], aderno, almécega, amapá, amarelos, anani, andirobas, andiroborana, angelins, angicos, aparaju, araracanga, araribás, arco preto e de pipa, aroeiras, bacuris, bálsamos, bapebas, bicuíbas, buxos, camarás, cabiúna, cacundas, cambuís, cerejeiras, camaçari, canjerana, canafístula, canelas, carnaúba, cedros, carobas, castanheiros, copaíba, cobis, cupuaíbas, faia, garaúnas, garapiapunha, gonçalo alves, guarubus, guariúbas, guarajuba, inhaíba, ipês, jacarandás, jubatãs, jaqueiras, jequitibás, jatobá, jutaí, louros, macaúbas, maparajuba, maçarandubas, monjolo, muiraquatiaras, muirapirangas, mussutaíbas, óleos, oiticica, pau-brasil, paineiras, pau-cruz, pau-d’arco, pau-ferro, pau-marfim, pau-pereira, pau-rainha, pau-rosa, pau-de-óleo, pau-rei, pau-santo, pau-cetim, pelado, pequiás, perobas, perubana, putumuju, pitombas, quinas, roxinho, saboaranas, sassafrás, sucupira, sobrasil, sobro, tapinhoãs, timborana, vinháticos e muitas outras.

A terapêutica encontra toda a sorte de plantas medicinais, assim como a tinturaria, a tecelagem e a cordoaria dispõem igualmente de matéria-prima para seus misteres.

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2015

História do ES

Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O dia de hoje deveria ser feriado estadual e não apenas municipal. O capixaba tem baixa auto-estima e pouco sabe de sua história e de sua cultura

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo