Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Morro Inhoá

Estaleiro da Praia do Suá e ao fundo a Fábrica de Sabão ainda com a chaminé - Foto: Acervo de Tatagiba

Inhoá é também uma palavra de origem tupi. O termo pode vir de embuá, ambuá, imbuá, que significa centopéia e que, por corruptela, transformou-se em n'boá e depois inhoá.

Na pequena praia de Inhoá entre o mar e o morro, os pescadores construíram suas casas de taipa com cobertura de palha. Do mato baixo e sob as pedras menores do pé do monte saíam aranhas, formigões, centopéias ou embuás. Os meninos canelas-verdes sempre identificaram o embuá como sendo a paquinha, exímia cavadeira de solo arenoso e inofensiva àqueles que com ela brincavam, diferente do quilópodes e da centopéia.

Na vertente norte do morro está a residência da tradicional família de Ignácio Ferreira da Silva e Rosa Folegatti da Silva, a quem a Vila Velha do início do século se acostumou a render homenagens pelo belo exemplo de dedicação ao trabalho e conduta dos seus filhos diante da sociedade local. No pé do morro Inhoá, havia a edificação onde originalmente funcionou a primeira fábrica de sabão, que enviou o seu produto para todas as cidades do Espírito Santo e para os estados vizinhos.

Tendo os descendentes dos fundadores se dedicado a outras atividades, a antiga fábrica deixou de produzir. Só mais tarde reabriu como depósito de produtos inflamáveis, a cargo da firma J. Zinzen e Cia., quando ruiu a chaminé primitiva. Por último, após a Segunda Guerra Mundial, ela foi usada como depósito de areia monazítica trazida do sul do estado. A matéria-prima era, em seguida, transportada para a fábrica de beneficiamento instalada na praia do Suá, no outro lado do canal, de onde era exportada.

José Felipe da Silva, um dos herdeiros do sítio Inhoá onde foi criado, diz jamais ter visto nos limites do sítio Inhoá, de sua propriedade, qualquer ruína ou vestígio de construção anterior à citada fábrica de sabão.

 

Autor: Jair Malisek Santos
Fonte: Vila Velha, onde começou o Estado do Espírito Santo,1999
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2012

 

LINK RELACIONADO:

 A Ilha da Forca



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

Visitantes ilustres documentam a vida no ES

Visitantes ilustres documentam a vida no ES

O cientista Saint Hilaire documentou a flora e a fauna. A equipe do príncipe Maximiliano gravou imagens preciosas de um mundo que acabou

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jerônimo Monteiro - Capítulo XVI

Fazia-se o desembarque de passageiros, em escaleres e lanchas pequenas que atracavam às escadas dos navios

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo II

Na foto ilustrativa, o casal Francisco de Sousa Monteiro e Henriqueta Rios de Sousa, pais de Jerônimo Monteiro (fim do séc. XIX). APEES — Coleção Maria Stella de Novaes

Ver Artigo
Saudações - Fernando Antonio de Oliveira

Carta endereçada ao escritor Walter de Aguiar Filho, autor do livro "Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno", pelas lembranças que nos traz sobre Vila Velha de outrora e pelo alerta sobre a identidade e cultura do canela-verde. Confira!

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VIII (FINAL)

Cristóvão Jaques foi o único que fez reconhecimentos e assentou padrões, conforme estão de acordo todos os cronistas e historiadores, estando por isso provado ser ele o primeiro que reconheceu a costa da província do ES

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VII

Com a chegada e desembarque, na província do Espírito Santo, do donatário Vasco Fernandes Coutinho, a 23 de maio de 1535, temos finalizado a notícia dos navegantes que tocaram ou não nas costas desta província

Ver Artigo