Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O regime das terras devolutas na República

Proclamação da República do Brasil, 1889

 Da Proclamação da República até o Período Revolucionário

 

O advento da República alterou, profundamente, o regime da propriedade, na parte concernente às terras devolutas.

Transformadas as antigas Províncias em Estados, as terras devolutas passaram a pertencer a estes, “ex vi” do estabelecido no artigo 64 da Constituição de 1891, abaixo textualmente reproduzido:

 

“Pertencem aos Estados as minas e terras devolutas situadas nos seus respectivos territórios, cabendo à União somente a porção indispensável à defesa das fronteiras, fortificações, construções e estradas de ferro federais.”

 

Pelo acima elucidado, observa-se que foram transferidas para o patrimônio dos Estados as terras devolutas que, inicialmente, pertencem à Metrópole e que, por ocasião da Independência, tinham passado a constituir o patrimônio da Nação.

A atribuição conferida aos Estados, pelo artigo 64 citado, concorreu para o fracionamento dessa grande massa territorial, de conformidade com a nova divisão político-administrativa, então estabelecida.

Acontece, porém, que a partilha resultante do dispositivo constitucional em referência não foi idêntica em todos os Estados, de vez que, em alguns, em virtude de sua amplitude territorial, e em vista de sua população diminuta, a massa territorial ainda não estava muito desfalcada, ao passo que noutros, de índices demográficos elevados e de extensão territorial exígua, a área de terras devolutas já se encontrava grandemente prejudicada com as concessões anteriores. Daí a razão por que a divisão de terras, neles, não se deu de forma idêntica.

Pela Constituição Federal de 1891, ficou firmado o princípio da competência ampla dos Estados para os assuntos não regulados pela mencionada Constituição.

Como em nenhum dos capítulos atinentes à competência da União, quer implícita, quer tacitamente, se encontra o direito de legislar sobre a organização da propriedade territorial, conclui-se que não o poderá fazer a respeito das terras devolutas.

Diz, acertadamente, M. P. Siqueira de Campos, em seu livro ‘As terras devolutas entre os bens públicos patrimoniais’, embora noutros termos:

 

“Dentro dos dispositivos constitucionais (v. art. 34, nº 23, Constituição de 1891), à União não compete legislar sobre a organização da propriedade dos Estados. Está, portanto, excluída a sua competência para legislar sobre o caso de alienação das terras devolutas, cujo domínio já não lhe pertence, em face do artigo 64 da citada Constituição.”

 

Confirmando, ainda por exclusão, a competência da União para legislar sobre terras devolutas, está o disposto no artigo 34, nº 29, que lhe dá apenas competência para legislar sobre as terras e minas de sua propriedade.

Observa-se, pelos dispositivos constitucionais aludidos, que se acha excluída da competência da União a faculdade de legislar sobre a organização da propriedade territorial dos Estados, portanto, sobre as suas terras devolutas, que lhes passaram a pertencer, em vista do domínio iminente que lhes foi atribuído, não em consequência de uma generosidade do poder federal, porém como o resultado lógico do sistema admitido pela Constituição republicana, anteriormente mencionada.

 

Fonte: Sesmarias, 1988
Autor: Vicente da Silva Loureiro
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2013

Matérias Especiais

Livro sobre Carlos Lindenberg

Livro sobre Carlos Lindenberg

Foi lançado o 25º volume da coleção Grandes Nomes do Espírito Santo, focalizando a biografia do ex-governador e ex-senador Carlos Lindenberg. O prefácio é do filho do homenageado, Cariê Lindenberg. A coleção tem como coordenador editorial o jornalista Antonio de Pádua Gurgel.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Paisagens da Ilha do Mel - Por Maria Isabel Perini Muniz

A paisagem vista e interpretada através da arte nos mostra aspectos que se escondem do nosso olhar descuidado e muitas vezes indiferente

Ver Artigo
Guarapari de ontem

"Quem passasse pela ruazinha tranqüila, aquela ruazinha varrida pelo vento sul e cujo solo barrento todo se cobria de regatinhos formados pelas chuvaradas de verão, invariavelmente descobriria a velha rendeira curvada sobre a almofada, trocando os bilros, atenta ao trabalho e de toda alheia ao bulício e à agitação exteriores ..."

Ver Artigo
General das Artes

Conheci, na casa de Homero Massena, anos 60, um amigo dele muito especial. Pessoa sensível, de fino trato, grande admirador da boa pintura e da Arte do mestre. Algumas vezes servi de mensageiro entre os dois, levando ao escritório do amigo, textos do Massena (muitas vezes assinados com pseudônimos: J. Prates, J. Carlos...) para que ele (diretor do jornal) providenciasse a publicação.

Ver Artigo
Festejos de Natal: Reis

O Reis foi introduzido em Vila Velha pelo Padre Antunes de Sequeira. Filho de Vitória, onde nascera a 3 de fevereiro de 1832

Ver Artigo
Ceia Natalina

A ceia natalina do Brasil e de outros países guardam muitas tradições em comum. Elas tem origem em velhos hábitos da Roma antiga

Ver Artigo