Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Tesouro da Ilha da Trindade - Por Adelpho Monjardim

Foto do livro - A Fantástica Ilha da Trindade, 2010 - Autor: Willis de Faria

Em todas as épocas, e em todo o mundo, as histórias de tesouros ocultos foram sempre motivo para grandes aventuras.

Há, por certo, muita mentira, muita fantasia e exagero da fértil imaginação popular: mas também há verdade. O povo exagera, mas não inventa. Onde há fumaça há fogo.

Aqui mesmo, a mil e tantas milhas marítimas da costa, na altura da Barra de Vitória, a solitária Trindade oculta real tesouro, até agora escapo à perspicácia dos pesquisadores. Ingleses, americanos e mesmo brasileiros, tentaram a aventura, não poucos perecendo no árduo labor.

Em 1883, Dr. F. Knight, famoso advogado londrino, formou uma expedição, com treze amigos, e foi à ilha em busca do tesouro. Embora fracassando em seu intento, voltou convencido da sua existência, culpando o malogro aos meios materiais para encontrá-lo.

O tesouro ali oculto foi roubado às ricas igrejas de Lima pelos espanhóis, durante as Guerras da Independência, quando sentiram perdidas as suas Colônias Sul-Americanas. Segundo consta é simplesmente fabuloso.

O galeão espanhol «San Juan», ao sair de Callao, com o rico butim, foi abordado por um barco pirata, que passou a tripulação pelas armas, incendiando-o em seguida. De posse da rica presa os piratas buscaram distante e quase inacessível ilha para ocultá-la. E que melhor que a Trindade, fora das rotas de navegação? Assim dobraram o Cabo Horn e entraram no Atlântico.

Oculto o tesouro rumaram os piratas para as Antilhas. Aprisionados em Cuba, pelos espanhóis, foram todos enforcados, salvo um jovem russo. Muitos anos depois, esse russo, ao morrer, em um hospital de Bombaim, revelou a um capitão inglês a existência do tesouro, dando-lhe o roteiro. A bordo do veleiro «John» ele foi à ilha. Devido ao mar grosso ele não pôde saltar, o que fez o filho, alcançando a terra a nado. Durante a noite, atacado pelos caranguejos gigantes, não conseguiu dormir. Seguindo o roteiro, a certa altura um desmoronamento de rochas cortou-lhe o fio da meada e ele perdeu-se. Todos os que se seguiram esbarraram com o mesmo obstáculo.

A Trindade zela e guarda avaramente o seu tesouro. 

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2016

Folclore e Lendas Capixabas

A Pedra do Diabo - Por Adelpho Monjardim

A Pedra do Diabo - Por Adelpho Monjardim

Nesse bucólico recanto, caprichosa a fantasia criou sombria história capaz de apavorar aos mais valentes. A ela prende-se o nome da região

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo