Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Tiro de Guerra no ES

Tiro de Guerra de Cachoeiro de Itapemirim

Em 1908  é criado nesta cidade o Tiro de Guerra que tomou o número 43. Foi o maior passo no sistema do militarismo alcançado no Brasil, o de sorteio militar instituído em 1906, e a extinção da Guarda Nacional. Fez obrigatoriamente todos pertencerem à classe militar, e pudesse exercer qualquer cargo público, a apresentação de documento quites com o serviço militar, medida salutar e de muito alcance para os destinos da pátria. A força de um país, o seu valor, está na preparação militar.

O Tiro de Guerra “43” teve organização perfeita, inclusive uma bem organizada Banda de Música, e teve oportunidade de prestar continências ao Chefe da República quando de visita em 1912 à capital do Estado, e aquartelava-se na Praça Oito, no prédio número 8, Por falta de estímulo, arrefecidos os primeiros louros de vitória, fechou as portas, para anos depois surgir novamente e aquartelado no Parque Moscoso, e também no Politeama, onde manteve uma seção de tiro ao alvo, ginástica e educação física e teve também o mesmo destino de cerrar as portas em definitivo.

Como a necessidade força muitas vezes aos que querem honrar a caserna, lugar a que todos deviam ir, porque ali é que se aprende o que é ser soldado, no conhecimento perfeito da vida, pela direção de oficiais capazes, honestos, justiceiros como é composto o exército, teve que surgir o Tiro de Guerra número 105 em 1932, e que vem dando anualmente os seus atiradores com sadia educação militar. Além desses tiros de Guerra, estão disseminados em todo o Estado vários outros como sejam em Alfredo Chaves, Cachoeiro do Itapemirim, Alegre, Colatina, Rio Novo, Iconha, Afonso Cláudio, S. José do Calçado, Siqueira Campos, com muito aproveitamento.

 

Fonte: Textos de História Militar do Espírito Santo, Coleção João Bonino Moreira – vol. 3
Compilação por: Getúlio Marcos Pereira Neves, Vitória, 2008

 

 

LINKS RELACIONADOS:

 

>> O Tiros de Guerra 105 e 277 





GALERIA:

📷
📷


História do ES

Rio Doce: o Nilo Brasiliense

Rio Doce: o Nilo Brasiliense

Seu nome atual deriva de uma lenda, segundo a qual alguns navegadores portugueses, encontrando água doce defronte à foz deste rio, a seis milhas da barra, deram-lhe o nome de RIO DOCE

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Reforma do Ensino Público na era Muniz Freire

Em substituição ao Colégio Nossa Senhora da Penha e ao Ateneu Provincial foram criadas em Vitória duas novas Escolas Normais

Ver Artigo
Entre a Militância e o Clientelismo - Por Geet Banck (Parte IV)

Em 1977 um grupo de 34 famílias invadiu o manguezal e construiu em São Pedro barracos improvisados

Ver Artigo
Movimentos de bairro - Por Geet Banck (Parte I)

Uma análise dos resultados um tanto surpreendentes das eleições de 1988 para o cargo de prefeito de Vitória

Ver Artigo
Movimentos de bairro - Por Geet Banck (Parte II)

As eleições de 1988 para as prefeituras municipais brasileiras redundaram num notável avanço do Partido dos Trabalhadores

Ver Artigo
Eleições - Por Geet Banck (Parte III)

Mas será que isso basta para explicar detalhes, como a vitória do PT nos bairros de renda mais alta?

Ver Artigo