Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Pedra dos Passarinhos - Do Livro Krikati Tio Clê e o Morro do Moreno

Ruínas da casa onde morou o Primeiro Donatário da Capitania do ES. - Ilustração do Livro Krikati Tio Clê e o Morro do Moreno, 2006

CAPÍTULO XIII 

 

 

Deixando a Praia do Ribeiro, os três foram para a Praia da

Costa.

– Pessoal – disse Miguel – gostaria antes de mostrar uma coisa.

Olhem, estão vendo as ruínas desta casa? Aí morou e morreu o

Donatário Vasco Fernandes Coutinho. Seu filho, o segundo Donatário,

nasceu e também morreu aqui na sua Fazenda da Costa. Dizem

que o velho gostava de ficar na varanda de sua casa, no alto da Pedra

das Caiçaras, por horas, contemplando as ondas que lavavam a Ponta do Chavão e a Pedra do Sapo.

– Tio Miguel, por que o nome Pedra das Caiçaras?

– Krikati, caiçara é uma espécie de cerca feita com varas de

mato em volta de uma casa com a finalidade de proteger as criações.

Nessa região, você já sabe disso, há muita jibóia, gambá e sarué, que

atacam as galinhas.

– Então, Tio Miguel, deve ter sido por isso que as caiçaras

foram construídas e deram o nome à pedra, né?

– Pode ter sido, Krikati. Isso é muito antigo... É do tempo do

primeiro Donatário. Contam também que, certa vez, na maior ressaca

já vista por aqui, ondas gigantescas lavaram a Pedra da Mona, e

dezenas de ovos de andorinhas-do-mar foram lançados ao oceano e

levados até a praia, por milagre de Deus.

Krikati prestava uma enorme atenção no caso. E Tio Miguel

continuou...

– João Rita, pescador muito conhecido na região, recolheu

todos os ovos que encontrou na areia da praia e os levou para sua

cabana de palha de coqueiro, localizada em frente a uma pedra.

Durante o dia, ele aquecia os ovos na areia da praia ensolarada. À

noite, os colocava próximo ao seu fogão a lenha. Quando os filhotinhos

nasceram, João Rita os alimentou na mamadeira. Todos sobreviveram

e começaram a alçar seus primeiros vôos, mas sempre

ao entardecer davam um rasante sobre a palhoça do pescador para

depois irem dormir na pedra, em frente à sua casa. Por isso, a batizou

como Pedra dos Passarinhos, que é como é conhecida. Temos

que preservar nossa história e nossas origens para os que virão –

concluiu Miguel.

Finalmente os três passaram em frente à residência do senhor

Gastão Roubach, na Praia da Sereia, e seguiram até o bar de

um amigo.

– Tio Clê, o senhor conhece o dono desse bar que tem uma

sereia pintada na parede?

– Esse é o famoso Bar Sereia. Seu proprietário é nosso amigo

Lúcio Bacelar.

– O que há de gostoso aqui para comer?

– Krikati, não vá me dizer que você já está com fome? – perguntou

Tio Miguel, boquiaberto.

– Não, é só para saber. Um dia voltarei aqui com mamãe.

69

– Krikati, a especialidade do Lúcio é pastel de bobó de camarão,

manjuba frita e arroz de tatuí com farofa, que é muito gostoso.

– Pessoal, – disse Clê, correndo na areia da praia – vamos até

aquela pedra, conhecida como Ponta da Sereia. Vou fazer uma brincadeira.

Os três chegaram à parte mais alta da pedra e ficaram admirando

a imensidão do mar, que estava de ressaca.

– Qual é a brincadeira, Tio Clê?

– É adivinhar o nome das ilhas. Miguel apontará para cada

uma delas e nós responderemos, um de cada vez.

– Valendo! – disse Miguel, apontando para a primeira pedra.

Krikati respondeu:

– Pacote.

Depois Clê:

– Escalvadas.

E as respostas continuaram. Um de cada vez, acertando todas:

Pedra dos Passarinhos, Ilhas Pombuçu, Jorge Fernandes, Taoninha,

Pituã, e Boqueirão.

– Acabaram as ilhas, Tio Miguel?

– Sim, Krikati. Deste ponto da Pedra da Sereia é o que a

nossa visão consegue alcançar.

– E quem ganhou?

– Se o número de ilhas for ímpar, Krikati foi o vencedor. Se

for par, houve empate. Entendeu?

– Quase, Tio Miguel. Mais tarde eu faço minhas contas –

concluiu Krikati.

 

Fonte: Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno,2006
Autor: Walter de Aguiar Filho 



GALERIA:

📷
📷


Literatura e Crônicas

Quando o Penedo falava, 1927 - Por Elpídio Pimentel - Parte VI

Quando o Penedo falava, 1927 - Por Elpídio Pimentel - Parte VI

Mas aqueles capixabas, tendo, desde março de 1822, resolvido independer o Espírito Santo do governo português, fizeram que, em vez de termos um Presidente provincial, ficássemos sob os cuidados de uma Junta Provisória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Discurso de Posse como Presidente da AEL - Ester Abreu Vieira de Oliveira

Junto com esta Diretoria, e em estreita aliança com todos os Acadêmicos, pelo difícil e digno dever de conduzir, em 2021, a celebração do I Centenário da AEL

Ver Artigo
Urubu ao molho pardo - Por Elmo Elton

Porque tivesse fama de bom cozinheiro, resolveu fornecer comida, a "preços módicos", a trabalhadores do trapiche de Vitória

Ver Artigo
Os Menos Lembrados - Por Elmo Elton

Despretensioso e honesto, - despretensioso pela natureza do tema que lhe dá título e honesto porque  escrito sem qualquer ficcionismo

Ver Artigo
Ambulantes de Vitória – Por Elmo Elton

Chamava-se Maria Saraiva. Vendia seus produtos em ponto fixo, na rua General Osório, onde residia

Ver Artigo
Caramurus e Peroás – Por Elmo Elton

Sabedor que havia um plano para retirar do São Francisco e levar ao Rosário a imagem de São Benedito, Frei Manoel baixou-a do altar

Ver Artigo