Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Praia do Canto, o boom imobiliário – Por Sandra Aguiar

Capa do Livro: Praia do Canto – Coleção Elmo Elton nº 4 – Projeto Adelpho Poli Monjardim, 2000

A grande maioria tinha o privilégio de ser dona de propriedades, em média, com 400 metros quadrados de área. Inclusive, na década de 70, o imenso terreno onde estava localizado o Westem Telegraph Ltda, "ligando Vitória ao mundo", sobre o morro Itapebuçu, em Santa Helena, foi vendido e também loteado para a construção de grandes casas para a classe média alta.

O período coincide com o fim das referências das praias da região — Barracão, Castanheira, do Canto e Santa Helena, além das Ilhas do Boi e do Frade —, por força do aterro realizado pela Companhia de Desenvolvimento Urbano (Comdusa), em 72.

Para muitos, o aterro representou a primeira tragédia. A explicação dada é a de que formou um verdadeiro dique, não permitindo o escoamento das águas pluviais da Rua Saturnino de Brito. Embora timidamente, os pontos residenciais começavam a dar lugar ao comércio, alterando o perfil do bairro e reduzindo o espaço de lazer para as crianças e adultos.

Mas o boom imobiliário veio na década seguinte. Antigos moradores passam a buscar a tranquilidade perdida em outros lugares, na Ilha do Boi e na Ilha do Frade, principalmente, como também em Jardim da Penha e, mais recentemente, do outro lado da Terceira Ponte, na Praia da Costa.

Altera-se o perfil da população do bairro, então reduto de famílias tradicionais. Os imóveis financiados pelo BNH trazem para o bairro pessoas de menor poder aquisitivo, como servidores públicos, professores, pequenos empresários, profissionais liberais e bancários. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que no início dos anos 80 a Grande Vitória somava 152.493 habitações próprias, 37.758 alugadas e mais 12.366 ocupadas gratuitamente, cedido por empregadores ou particulares.

Num plano mais amplo, o cenário do estado: de um total de 444.861 imóveis existentes no Espírito Santo, 216.864 não possuíam água encanada; 186.943 eram servidos com água de poço o nascente; e 29.610 contavam com outras formas de abastecimento — O IBGE não especifica quais.

Em relação à energia elétrica, 143.288 moradias eram desprovidas de luz. Apenas 1.374.999 pessoas, de um total de dois milhões, tinham o privilégio de dispor do serviço.

Os antigos moradores que permaneceram na Praia após tantas mudanças alegam a vantagem de usufruir de uma infraestrutura superior a qualquer outro bairro da Grande Vitória. Dois pesos, duas medidas: a desvantagem de suportar o alto fluxo de veículos, tornando lenta a passagem para qualquer outro lugar, e problema de estacionamento. Sem contar, claro, a onda de assaltos.

Ex-prefeito de Vitória, Carlito Von Schilgen, já falecido, pressentia um boom comercial e começou a defender um Plano Diretor Urbano (PDU) para "salvar" do crescimento desordenado o local, onde construiu uma casa no alto de uma chácara, na Saturnino de Brito. Temia perder a privilegiada imagem das janelas de sua residência e, ainda assim, resistiu a todas as propostas de venda da propriedade feitas pelas construtoras e imobiliárias. A chácara continua ali como uma das referências do passado — um imenso pomar. Embora espremida entre os espigões.

Resistiu à mesma pressão dona Julieta Michelini. Perto de completar um século de vida, ela não atendia mais a quem batesse em sua porta — casa de número 1.378 da Avenida Desembargador Santos Neves — na tentativa de fazer qualquer negócio com o imóvel. A senhora limitava-se a dizer: "A casa é da família e vai continuar da família."

A decisão de ficar implica, necessariamente, pagar um alto preço. Entre outras coisas, transformar a residência num "forte", muros altos, com grades por todos os lados e cães de guarda. Por isso, o contingente dos heróis da resistência urbana, como eram chamados pela imprensa local, foi perdendo pouco a pouco seus soldados.

 

Fonte: Praia do Canto – Coleção Elmo Elton nº 4 – Projeto Adelpho Poli Monjardim, 2000 – Secretaria Municipal de Vitória, ES
Prefeito Municipal: Luiz Paulo Vellozo Lucas
Secretária de Cultura: Cláudia Cabral
Subsecretária de Cultura: Verônica Gomes
Diretor do Departamento de Cultura: Joca Simonetti
Administradora da Biblioteca Adelpho Poli Monjardim: Lígia Mª Mello Nagato
Conselho Editorial: Adilson Vilaça, Condebaldes de Menezes Borges, Joca Simonetti, Elizete Terezinha Caser Rocha, Lígia Mª Mello Nagato e Lourdes Badke Ferreira
Editor: Adilson Vilaça
Projeto Gráfico e Editoração Eletrônica: Cristina Xavier
Revisão: Djalma Vazzoler
Impressão: Gráfica Santo Antônio
Texto: Sandra Aguiar
Fotos: Cláudia Pedrinha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2020

Bairros e Ruas

Avenida Cleto Nunes – Por Elmo Elton

Avenida Cleto Nunes – Por Elmo Elton

Cleto Nunes Pereira, nascido em Vitória, a 13 de maio de 1856, foi deputado de 1878 a 1891. Jornalista, abolicionista e republicano

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Rua 13 de Maio (ex-rua do Piolho) – Por Elmo Elton

Esse caminho, sinuoso passou a ser a Rua do Piolho, que, já neste século, trocaria de nome para rua Treze de Maio

Ver Artigo
Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães

Ver Artigo
Ponte da Fruta – Por Edward Athayde D’Alcântara

Até os anos 40 era pequena e conhecida ainda como vila de pescadores e era considerada área rural do município

Ver Artigo
Cercadinho – Por Edward Athayde D’Alcântara

Ao arredor, encosta do Morro Jaburuna (morro da caixa d’água), ficava o Cercadinho

Ver Artigo
Aribiri

A denominação Aribiri vem do rio do mesmo nome. O rio, que é um braço de mar, tem sua foz perto do Penedo, na baía de Vitória. Ali existe um grande manguezal

Ver Artigo