Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Proclamação da República

Na gravura, a cena da Proclamação da República Brasileira, em 15 de novembro de 1889. ( Litografia de Nicola A. Facchinetti)

Embora as idéias republicanas já fossem agitadas no Brasil desde o período colonial e o primeiro reinado (conjurações: mineira e baiana, Revolução de 1817 e Confederação do Equador), sua propaganda ganhou força apenas na segunda metade do séc. XIX, com a fundação do Partido Republicano, após a Convenção Republicana de Itu (1870). Através de clubes, manifestos, jornais, congressos e conferências, o partido divulgou sua doutrina-federalista, presidencialista e liberal – no contexto da luta abolicionista, que, juntamente com as questões militares e religiosas, muito contribuiu para a formação de uma conjuntura de enfraquecimento da monarquia. Outro fator da decisiva importância nesse processo foi a ideologia positivista, que, embora defendesse uma ditadura científica, representava um liberalismo amplo e aberto, contando com grande aceitação sobretudo nos círculos militares, onde era divulgada por Benjamin Constant.

Os acontecimentos precipitaram-se no ano de 1899. Em junho desse ano, o Gabinete João Alfredo foi substituído pelo Gabinete Ouro Preto. Floriano Peixoto tornou-se ajudante-general, o mais alto posto da hierarquia do exército. Em outubro, Benjamin Constant, sabendo da situação favorável a suas idéias, ousou culpar o governo pelas questões militares em discurso pronunciado diante de oficiais estrangeiros. A homenagem prestada por essa ocasião a Benjamin Constant, momentos depois do discurso, mostra que os seus alunos da Escola Superior de Guerra estavam bastante receptivos à causa republicana. Ainda nesse mês, Benjamin Constant procuraria convencer Deodoro da Fonseca, um militar e político destacado, da necessidade de se proclamar a República, Deodoro aderiu ao movimento.

Benjamin Constant obteve, após conferência no Clube Naval, o apoio do almirante Wandenkolk para derrubar a monarquia. Ouro Preto, o chefe do Gabinete, tentou, com a ajuda de Floriano, articular a resistência, mas as tropas sublevadas cercaram o quartel-general e Ouro Preto telegrafou ao imperador, renunciando. Entretanto, Deodoro que assumira o comando das tropas trazidas de São Cristovão por Benjamin Constant, declarou dissolvido o Gabinete e prendeu Ouro Preto, soltando-o em seguida. Em conferência com o imperador no palácio, Ouro Preto propôs Silveira Martins para substituí-lo, mas, após uma reunião em casa de Aristides Lobo, formou-se um governo provisório. Silveira Martins, que não estava no Rio de Janeiro, foi exilado para a Europa, ao chegar, dias depois.

No dia 15 de novembro à noite, o Conselho de Estado reuniu-se com Dom Pedro II, a princesa Isabel e o conde d’Eu. Decidiu-se formar um novo Ministério encabeçado pelo conselheiro Saraiva, o qual escreveu a Deodoro procurando entendimento. Deodoro rejeitou a proposta: o movimento decidira-se pela República. O governo provisório enviou mensagem a Dom Pedro II, exigindo a retirada da família imperial do Brasil no prazo de vinte e quatro horas. Dom Pedro II declarou-se disposto a abandonar o Brasil. A República era o novo modelo político da sociedade brasileira.

 

Fonte: Enciclopédia Universo, 1973 Vol. IX Editora Delta – Editora Três
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2014



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

Capela de Fazenda

Capela de Fazenda

Na Cidade Alta, um vestígio da Vitória do século XVI: a Capela de Santa Luzia. A história diz que foi erigida pelo primeiro "dono" de Vitória, o próprio Duarte de Lemos. Seguindo o costume da época, era uma capela de fazenda

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Deputados capixabas nas duas constituintes imperiais

Em 1823, tomou assento na Assembléia Constituinte brasileira, como representante capixaba, o Dr. Manuel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, membro do Supremo Tribunal de Justiça, era nascido em Vitória

Ver Artigo
Zé Pretinho

Fica ali, exatamente na esquina da Aleixo Neto com a José Teixeira. Do lado de Santa Lúcia. Não tem placa que o identifique. Mas há quarenta anos toda a redondeza cohece o Zé Pretinho

Ver Artigo
E por falar em saudade

Tenho saudades do torrone, da Garoto, um tablete de docinho recoberto de chocolate e com recheio pastoso de castanha, amêndoa ou amendoim, já não me lembro mais. Só sei que era uma delícia e que guardava todas as minhas pequenas economias para comer um a casa quinze dias. Era a época do leite-mel, da pastilha forte, da groselha, do sorvete de coco verde do Michel, guloseimas,...

Ver Artigo
Origem do Carnaval no Brasil

Fomos influenciados inicialmente pelos portugueses da Ilha da Madeira, Açores e Cabo Verde, que trouxeram a brincadeira de loucas correrias. No Brasil, com a criação dos Trios Elétricos pelos baianos, uma nova caracteristica de carnaval se disseminou

Ver Artigo
A âncora da Prainha

A âncora da Praça Tamandaré que fica localizada em frente ao Fórum e a Casa da Memória na Prainha, em Vila Velha, foi presenteada pela Marinha ao município de Vila Velha

Ver Artigo