Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

As Modas – Por Areobaldo Lellis Horta

Família Aerobaldo Lellis, em Santos, 03.04.1930

Diz um velho rifão que as modas vêm e vão, significando este aforismo que elas não se eternizam. A observação, no tempo e no espaço, revela que não se perpetuando, elas também não se repetem. As modas foram, a princípio, ditadas pela França de uma forma absoluta. De lá os seus figurinos partiam, impondo-se a todos os meios civilizados dos países ocidentais. Depois a Inglaterra compareceu perante o mundo, na tentativa de espalhar as modas, sobretudo ao tempo de Eduardo VII, o qual teve usado por muita gente o talhe de ternos. Depois os Estados Unidos lançaram, na indumentária masculina, a calça de boca larga, que se impôs como novidade e utilidade, facilitando os movimentos da marcha. A moda se estendeu, neste particular, às forças navais de quase totalidade das nações. Em tais contingências, não nos foi também possível fugir aos imperativos das mesmas, à medida que chegavam. Não sendo, contudo, duradouras, elas se foram, modificando-se com o tempo, tanto a feminina como a masculina.

Em seu interessante trabalho sobre os costumes capixabas de sua época, o padre Antunes de Siqueira se ocupava das modas em ambos os sexos, sendo que daquele tempo, anterior a 1880, nada ficou, não se repetindo, nem nos dias de minha infância e juventude nem no presente. Assim, ninguém mais viu um cidadão vestido à Luiz XV nas grandes solenidades, nem uma senhora ostentar a "coifa", tanto em uso nos tempos da mocidade daquele sacerdote.

Ao tempo de minha meninice, as modas já eram outras, variando, no sexo feminino, das senhoritas para as senhoras. Casando-se, a moça modificava logo sua toalete, passando a usar, em vez de blusinhas soltas ou vestidos inteiros, longas e largas batas abertas em rendas, de preferência feitas à mão, e que lhes emprestavam um tom especial à linha da elegância. Vila Velha possuía uma indústria especializada em rendas manufaturadas, sendo comum as rendeiras sentadas à tardinha, às suas portas, na faina das almofadas, dos bilros e dos alfinetes, na confecção dos mais variados tipos da de bico, e do entremeio. Em Vitória existiam as casas das mestras, onde se ensinavam os traçados das linhas para a feitura das rendas.

O espartilho dava as linhas do porte às senhoras e senhoritas. Era uma peça do vestuário, armada em longas barbatanas um tanto flexíveis atacada na frente por uma série de fortes colchetes e atrás, munidas de longos cordões, que o apertavam, de cima a baixo, enchendo o busto e comprimindo o ventre. Existia ainda a anquinha, pequeno travesseiro, que descia sobre os quadris, dando-lhes melhor conformação principalmente às pessoas magras. Os vestidos eram longos, caindo a saia até o peito do pé, apresentando ligeira cauda, emprestando às damas e "demoiselles" um porte senhoril. Traziam eles mangas compridas, não se acompanhando de decotes. O corpinho dava conformação ao busto, substituindo o atual "soutien". Usava-se também a saia de baixo, a anágua das nortistas, peça terminando por larga roda de rendas, em entremeio ou bico.

Variava a moda do penteado entre o topete avança, alto e em semi-círculo acima da testa, tendo a armá-lo uma peça flexível e levíssima, a que denominavam bucha; o turbante, em meio à cabeça, de regra postiço, e os cachos soltos, caídos sobre as costas, sempre um, jogado para frente, descansando sobre o ombro. O calçado era meia-bota, de atacar ao lado ou de cordões, e o sapato, de entrada baixa e de polimento.

Mais para adiante, as batas e os vestidos de cauda desapareceram, surgindo os vestidos até os tornozelos, estreitando para baixo, de modo que, ao subir um lugar mais alto, como o estribo de um bonde, a perna se deixava ver até o joelho. O espartilho foi, depois, substituído pela cinta elástica e a anquinha não mais se exibiu, o corpinho cedeu lugar ao soutien; o uso do chapéu veio modificar os penteados e a echarpe apareceu, dando certo chique à cabeça feminina.

Vieram depois duas outras modas que não alcançaram êxito. Foram o "Devam droit", vestido que, pela disposição que lhe dava a cinta elástica, emprestava às senhoras e senhoritas uma atitude de quem ia cair para frente, e os "sans dessous", vestido colante, exigindo apenas "soutien" e calça.

As viúvas não aliviavam o luto, trajando sempre de preto, sendo alvo de comentários as que se afastassem desse hábito.

A indumentária masculina sofreu, também, os efeitos da evolução.

Assim não se viam mais nas solenidades a roupa à Luiz XV, de calças afiveladas à altura do joelho. A sobrecasaca substituía esse vestuário. Preta, era usada com calça do mesmo padrão ou de casimira listrada com colete preto ou de cor. Era a sobrecasaca uma peça larga e comprida descendo abaixo dos joelhos.

O "croisé" era uma variedade da sobrecasaca, mas justa ao corpo, O não indo além dos joelhos e de uso comum e diário.

Mais tarde, uma e outra acabaram por desaparecer, ficando apenas os paletós. Começaram, então, a dominar os fraques e os "smokings," os primeiros usados a qualquer momento e os segundos para as solenidades noturnas, ao lado da casaca. Nas cerimônias à tarde, exigia-se fraque preto, colete fantasia, calça de casimira listrada, botinas de polimento e cartola de feltro: à noite, casaca e "smoking". Os ternos eram de fato ternos, com as três peças, calça, colete e paletó, deixando mais tarde de usar-se o colete. As calças eram estreitas, passando a alargar-se, depois que os figurinos americanos começaram a trazer as de boca larga, sendo os paletós justos e cintados.

Tais as modas há meio século atrás até os primeiros anos do atual.

Pessoas posam nas janelas e portas na Vitória de antigamente.

 

Antes do mais

 

O presente trabalho, com o qual concorro ao prêmio "Cidade de Vitória", instituído pela Lei Municipal n°. 20, de 8 de setembro de 1946, é um modesto subsídio ao estudo do desenvolvimento da nossa Capital, em suas condições urbanísticas, métodos educacionais de ordem cultural e social, de costumes e tradições ao tempo de minha infância e juventude.

Se valores intelectuais do passado, como padre Antunes de Siqueira, Daemon, Afonso Cláudio e outros de idênticos assuntos se ocuparam para o conhecimento dos vindouros, o fizeram em relação às mesmas épocas de sua juventude. Deixaram, por isto, uma solução de continuidade compreendendo as duas últimas décadas do século dezenove e a primeira do século vinte. É essa lacuna, que pretendo preencher despretensiosamente, com o que a memória me conservou daquela fase de minha vida. Procurando realizá-lo, não posso fugir ao dever de uma homenagem ao berço da nossa evolução - Vila Velha — onde passei parte da minha meninice e à qual a Vitória está presa por uma série de caras circunstâncias, homenagem representada nas crônicas que dão corpo a este trabalho pelo que a seu respeito escrevi.

Vitória, junho de 1951

O AUTOR

 

Fonte: A Vitória do meu tempo – Academia Espírito-Santense de Letras, Secretaria Municipal de Cultura, 2007 – Vitória/ES
Autor: Areobaldo Lellis Horta
Organização e revisão: Francisco Aurelio Ribeiro
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2020

Curiosidades

Nós os capixabas - Por José Carlos de Oliveira

Nós os capixabas - Por José Carlos de Oliveira

O cantor Roberto Carlos é um típico rapaz do Espírito Santo. Tímido, romântico, eternamente criança, desperta nas crianças um sentimento maternal

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Ao longo de 20 dias, um grupo de 13 capixabas está revivendo parte da história do Brasil Colônia ao refazer os passos de Dom Pedro pelo interior do Estado

Ver Artigo
Pedra da Onça - Por Seu Dedê

Localizada à margem esquerda do canal da Costa, braço sul. De frente ao Shopping Praia da Costa 

Ver Artigo
Ponga de Bonde – Por Edward Athayde D’Alcântara

Existe uma diferença entre carona e ponga

Ver Artigo
Praia da Sereia - A origem do nome

A origem do seu nome remonta aos primeiros anos do século XX, quando chegaram a Vila Velha, vindos do Rio de Janeiro, alguns construtores para construir o Terceiro Batalhão de Caçadores

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Wied, Freyreiss e Sellow

Pouco antes de iniciarem excursão pelas províncias do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia, chegou à Corte, em meados de junho de 1815, Maximiliano Alexandre Philipp, Prinz von Wied-Neuwied

Ver Artigo