Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A investida frustrada dos holandeses

Invasão dos Holandeses

No tempo das conquistas holandesas, a Capitania do Espírito Santo sofreu diversos assaltos. Tanto em 1625 como em 1643, os portugueses saíram vencedores, não sem a cooperação dos Franciscanos. Jaboatão, que conta esta última vitória, refere logo em seguida uma investida contra o Santuário da Penha, mas milagrosamente frustrada.

Haviam os holandeses, tomado porto na Vila Velha e já começavam a fortificarem-se quando diante de seus olhos o Santuário ia se transformando em castelo, cercado de fortes muralhas e defendido por um esquadrão de soldados. Do monte descia muita gente a pé e a cavalo, todos "com armas luzentes e bem preparadas". No morro, entretanto, não tinha ficado pessoa alguma e a própria Imagem tinha sido removida para o Convento de S. Francisco.

À vista deste espetáculo aterrador, os holandeses fugiram desordenadamente e recolheram-se às suas naus. Foram, porém, acometidos por um pequeno grupo de moradores, que lhes, mataram uns quarenta homens.

O fato deu-se no dia 22 de setembro, dia dos santos soldados mártires da legião tebana, com seu capitão S. Maurício. Por este motivo, os moradores, além de agradecerem a Nossa Senhora a defesa de seu Santuário, interpretaram o esquadrão ao pé do castelo como sendo a legião tebana, que no dia de seu martírio veio prestar socorro. Erigiram depois no Santuário, num dos arcos da Epístola, um altar em honra de S. Maurício e fundaram uma confraria.

 

Fonte: O Convento de N. Senhora da Penha do Espírito Santo, ano 1965
Autor 1: Frei Basílio Rower
Autor 2: Frei Alfredo W. Setaro
Compilação: Walter der Aguiar Filho, março/2015

Convento da Penha

O Penitente Frei Palácios – Por Frei Manuel da Ilha, OFM

O Penitente Frei Palácios – Por Frei Manuel da Ilha, OFM

Tendo recebido do menino a vela acessa, ajoelhou-se na sua sela perante o altar do Pai São Francisco que lá se achava construída

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

História da Festa da Penha

A Festa da Padroeira dos capixabas sempre foi o principal acontecimento religioso de Vila Velha. Segundo a Lei nº 7, de 12/11/1844, o dia da Festa da Penha passou a ser considerado feriado em toda a Província do Espírito Santo

Ver Artigo
Todos os motivos nos levam à Festa da Penha

Desde 1570 comemoramos a Festa da Penha oito dias após a Páscoa. Ela é a festa cristã pioneira da América

Ver Artigo
Campo de Piratininga na história do Convento

Os franciscanos compraram o campo de Piratininga, por 5$000, a Da. Catarina de Vide, viúva de Manuel de Vide, o compadre e amigo de Anchieta

Ver Artigo
As Terras do Convento – Por Nobertino Bahiense

O documento de doação feita pela Governadora da Capitania do Espírito Santo, Da. Luísa Grinalda, desde a longínqua data de 6 de dezembro de 1591

Ver Artigo
A Festa da Penha

A primeira Festa da Penha - como já se disse - foi realizada ainda em vida de Frei Pedro Palácios, que a promoveu. Escolheu ele a segunda-feira depois da dominga de Pascoela, dia consagrado, então, à devoção franciscana de Nossa Senhora dos Prazeres.

Ver Artigo