Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Penitenciária do ES – Governo Punaro Bley

A atual administração pública que, pelos seus competentes departamentos, vai atendendo a melhoramentos sensíveis no aparelho do Estado, realizando obras notáveis, dentro da sua capacidade técnica financeira, promove continuamente inúmeros benefícios dos mais relevantes para a coletividade dentre os quais a construção da nova Penitenciária do Estado, que focalizamos, nos seus vários aspectos nestas páginas.

Sem destruir, de pronto, os velhos casarões em que foi instalada a antiga penitenciária, aproveitando-os até finalizar a obra em execução de uma penitenciária modelar que correspondia às finalidades a que se destina, o departamento a que se acha subordinada, revelando o grau do progresso que atingimos, orienta sua construção sob os moldes das mais adiantadas do país.

Assim, nossas fotografias dão idéia das duas fases da penitenciária do Estado: os pavilhões já condenados e as construções novas que em breve surgirão em todo o seu apogeu, abrangendo toda essa área em que se ostentará a moderna penitenciária do Espírito Santo.

Realizando, plenamente, os preceitos regulamentares, tornando o homem ali recluso, útil à sua coletividade, dando-lhe ao mesmo tempo, uma fórmula humana mais compatível com as teorias modernas de sistemas penitenciários no cumprimento de sua pena, turmas de convictos passaram a trabalhar no cultivo das terras adjacentes nos limites da Penitenciária, ou nas suas pedreiras, preparando o sítio em que se terá levantado em breve; a moderna penitenciária do Estado, contribuindo com suas atividades profissionais os pedreiros, carpinteiros, pintores, etc..., aplicando-se, em boas condições, no trabalho que lhes ameniza a reclusão e lhes inspira novos surtos de vida.

 

Fonte: Revista Annuário do Espírito Santo, 1937
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2017



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Figueiredo cria hoje a reserva de Comboios - 1984

Figueiredo cria hoje a reserva de Comboios - 1984

O presidente João Figueiredo assina hoje os decretos de criação do Parque Nacional da Serra do Cipó, da Reserva Biológica em Comboios, e da Floresta do Jamari

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo