Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Penitenciária do ES – Governo Punaro Bley

A atual administração pública que, pelos seus competentes departamentos, vai atendendo a melhoramentos sensíveis no aparelho do Estado, realizando obras notáveis, dentro da sua capacidade técnica financeira, promove continuamente inúmeros benefícios dos mais relevantes para a coletividade dentre os quais a construção da nova Penitenciária do Estado, que focalizamos, nos seus vários aspectos nestas páginas.

Sem destruir, de pronto, os velhos casarões em que foi instalada a antiga penitenciária, aproveitando-os até finalizar a obra em execução de uma penitenciária modelar que correspondia às finalidades a que se destina, o departamento a que se acha subordinada, revelando o grau do progresso que atingimos, orienta sua construção sob os moldes das mais adiantadas do país.

Assim, nossas fotografias dão idéia das duas fases da penitenciária do Estado: os pavilhões já condenados e as construções novas que em breve surgirão em todo o seu apogeu, abrangendo toda essa área em que se ostentará a moderna penitenciária do Espírito Santo.

Realizando, plenamente, os preceitos regulamentares, tornando o homem ali recluso, útil à sua coletividade, dando-lhe ao mesmo tempo, uma fórmula humana mais compatível com as teorias modernas de sistemas penitenciários no cumprimento de sua pena, turmas de convictos passaram a trabalhar no cultivo das terras adjacentes nos limites da Penitenciária, ou nas suas pedreiras, preparando o sítio em que se terá levantado em breve; a moderna penitenciária do Estado, contribuindo com suas atividades profissionais os pedreiros, carpinteiros, pintores, etc..., aplicando-se, em boas condições, no trabalho que lhes ameniza a reclusão e lhes inspira novos surtos de vida.

 

Fonte: Revista Annuário do Espírito Santo, 1937
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2017



GALERIA:

📷
📷


História do ES

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viajantes Estrangeiros ao ES – Auguste François Biard

Na relação dos principais viajantes estrangeiros ilustres que estiveram em nosso país, no segundo meado do século dezenove, sem muito destaque, inclui-se o nome do pintor francês — Auguste François Biard

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Jean-Jacques de Tschudi

"No dia seguinte, a comitiva regressou a Vitória, onde o presidente Sousa Carvalho já havia providenciado uma canoa grande e cinco remadores, escravos, para subirem o curso caudaloso do rio Santa Maria, até a colônia de Santa Leopoldina"...

Ver Artigo
Palácio das Águias

A Barra do Itapemirim, em Marataízes, é um antigo núcleo de povoação fundado no ano de 1771 pelos portugueses 

Ver Artigo
Festival de Verão de Guarapari Janeiro 1971

A ideia tinha partido de dois jornalistas, Antônio Alaerte e Rubens Gomes Filho

Ver Artigo
Mais nomes curiosos de ruas de Vitória

RUA DO FOGO ou CARAMURU - Foi conhecida por Ladeira do Quebra-Bunda, pois com leito em pedra, muito íngreme e sempre molhada por infiltrações, era bastante escorregadiça

Ver Artigo