Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A segunda delimitação do ES

Mapa com divisão das capitanias do Brasil

A Carta Régia de 1534 delimitou assim a donataria de Vasco Fernandes Coutinho:

"... cinquenta léguas de terra na dita costa do Brasil, as quais começarão na parte onde acabarem as cinquenta léguas de que tenho feito a Pedro de Campos Tourinho e correrão para a banda do sul tanto quanto couber nas ditas cinquenta.

As quais cinquenta léguas entrarão na mesma largura pelo sertão e terra firme a dentro tanto quanto puderem entrar e for de minha conquista."

Analisando a segunda parte dessa delimitação, a Capitania devia ir "até onde puderem entrar" desde que não ultrapasse o que "for de minha conquista", isto é, o meridiano de Tordesilhas.

Muitos foram os obstáculos opostos à penetração. Por todo o século XVIII houve a proibição da interiorização; não se deviam abrir estradas, não devia haver tráfego, nem circulação.

Segundo assinala Saint Hilaire, ao raiar do século XIX, a faixa povoada não ultrapassava a média de 4 léguas a partir do mar, assim mesmo dividida em duas partes, distantes 80 quilômetros entre si, que tal é a menor distância que vai do Rio Doce ao Rio São Mateus, em linha reta.

A divisão das capitanias foi semelhante às zonas de influências adotadas pelas nações européias no século XIX. Assim, conclui-se que todas essas circunstâncias não deixaram o ES ir além. Só faltava demarcar a linha da nossa ocupação, o que foi feito num processo iniciado com o Auto de Demarcação de limites de 8 de outubro de 1800, e terminado com o acordo firmado entre os Governos do Espírito Santo e Minas Gerais em 15 de setembro de 1963.

Foram 163 anos de desacordos e divergências na fixação de limites das nossas divisas com Estados vizinhos.

A linha fixada no decurso desse extenso período é aquela que corresponde à segunda parte da delimitação estabelecida em 1534: "até onde puderam entrar".

 

Fonte: Espírito Santo - História de suas lutas e conquistas, ano 2002
Autora: Neida Lúcia Moraes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2010 


Link Relacionado:

 A primeira delimitação do ES

História do ES

Braz Rubim

Braz Rubim

Registra o historiador Cesar Marques que Braz Rubim remeteu, do Rio, onde residia, quatrocentos volumes destinados à criação de uma biblioteca pública em sua terra natal

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo