Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1831 – Por Basílio Daemon

Por decreto de 11.08.193 obtém o título de freguesia a Igreja filial de Nossa Senhora da Conceição da vila da Barra de São Mateus

1831. É reunido no dia 10 de janeiro deste ano, pelo presidente novamente nomeado Gabriel Getúlio Monteiro de Mendonça, o Conselho do Governo, que não se reunia desde 11 de agosto do ano anterior, sendo o mesmo composto do coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, Manoel de Morais Coutinho, Francisco Coelho de Aguiar, Manoel dos Passos Ferreira, padre Domingos Leal e Manoel da Silva Maia, a fim de tomarem-se providências sobre diversos fatos importantes da província.

Idem. Assume a presidência a 8 de abril deste ano o 2º vice-presidente coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim,452 por ter ido tomar assento na Assembleia o Dr. Gabriel Getúlio Monteiro de Mendonça.

Idem. Chegam a 18 de abril no brigue Caboclo 105 colonos alemães, os segundos desta nação que o governo imperial remeteu para a província, tendo o brigue estacionado na Fortaleza de São Francisco Xavier.

Idem. Faz o governo em meados deste ano cessar a diária que era fornecida aos colonos alemães, por não quererem os mesmos sujeitar-se às formas das leis do país, tendo a maior parte deles, desgostosos, se embarcado e seguido para Porto Alegre, ficando muito poucos na província.453

Idem. Por decreto de 11 de agosto454 deste ano obtém o título de freguesia a igreja filial de Nossa Senhora da Conceição da vila da Barra de São Mateus, tendo por limites os rios Preto e Santana, ao norte o rio Mucuri e ao sul o território da hoje vila de Linhares.

Idem. Amotinam-se no dia 21 de setembro os soldados chegados da Corte no dia antecedente (20),455 e que vieram reforçar e completar o Batalhão nº 12, existente de há muito na província, aos quais se uniram parte dos soldados do mesmo batalhão, cometendo violências contra o próprio comandante do Batalhão, tenente-coronel Luís Bartolomeu da Silva e Oliveira, o major do mesmo batalhão Francisco José de Figueiredo Brito e outros oficiais. Não querendo o mesmo comandante derramar sangue de nacionais e estrangeiros, pediu providências ao Conselho do Governo, que depois de reunido, deliberou as conceder no dia 22 do mesmo mês, ordenando a que logo se formasse a Guarda Municipal. À vista disto, a soldadesca desenfreada principiou a percorrer armada as ruas desta capital, dando tiros de encontro às casas e atacando na mesma noite do dia 22 o juiz de paz Manoel de Morais Coutinho que andava rondando a cidade, o qual, ao passar pela frente do quartel do Forte do Carmo, onde se achavam os mesmos, fora ali vilipendiado e agredido; ainda mais, soube-se que os soldados tentavam arrombar o xadrez e dispostos estavam a não aceitar o rancho; comunicando o mesmo juiz de paz estes fatos ao Conselho do Governo no dia 24, e achando-se o povo muito atemorizado, deu ordem o governo aos paisanos para usarem de armas e munições nas rondas que fizessem, sendo interinamente nomeado para comandar o Batalhão 12 o major de 2ª linha Jerônimo Castanheda de Vasconcelos Pimentel; mas na ocasião em que se tomavam estas providências é avisado o Conselho de que os soldados haviam atacado e arrombado a Casa da Arrecadação do quartel armados, tirando os presos do xadrez estavam dispostos a atacar a cidade, pondo para fora do quartel o comandante nomeado e os oficiais. Suspensa a sessão do Conselho, que esteve sempre reunido, o vice-presidente Monjardim dirigiu-se unicamente com seu ajudante de ordens ao quartel e por bons modos pôde apaziguar a soldadesca aconselhando-lhes o sossego, ordem e obediência, deixando ali o comandante Castanheda em seu posto com ordens terminantes para lançar mão de certos meios facultados pela lei, voltando depois para Palácio; quando comunicava ao Conselho esta ocorrência, sentiu-se um tumulto na rua: eram os inferiores e soldados do mesmo batalhão que armados dirigiam- -se a Palácio, e que embaixo ficaram aglomerados gritando e vociferando, o que fez o vice-presidente ameaçá-los de uma janela, mandando que quanto antes se retirassem para o quartel. Desrespeitando esta ordem, vagaram pelas ruas a dar tiros; tornando a voltar a Palácio às 5 horas da tarde, subiram as escadas e foram até a sala do Conselho à procura do alferes Antônio Ferreira Rufino (hoje major reformado e que então se achava às ordens da presidência), para levá-lo para o quartel, o que lhes foi concedido, recomendando-se-lhes que não continuassem a assim proceder. Então, vendo o Conselho este estado de coisas e o povo já se querendo também amotinar contra a soldadesca, tomou diversas deliberações e severas providências para garantir a cidade, concluindo-se esta sessão às 7 horas da noite. Notamos aqui um importante fato, e é que quando foram os soldados a Palácio dando tiros pelas ruas, e em diversas casas como na de um furriel que morava na casa da rua e ladeira de São Diogo, dirigiram-se em massa à residência do seu comandante tenente-coronel Bartolomeu que morava no largo da Conceição na casa pertencente à Sra. D. Clara Cavalcante de Andrade Pereira, e aí o assassinariam se ele não tomasse a deliberação de fugir com sua esposa para a vila do Espírito Santo, refugiando-se na fazenda da Costa, tendo para esse fim saído em trajes de mulher; quanto ao major Brito que morava em uma casa na rua do ouvidor, hoje Duque de Caxias nº 74, pertencente à viúva do finado Manoel Gonçalves Vitória, ali dispararam tiros de balas de encontro às janelas e portas, como ainda hoje se veem os sinais e orifícios pelas mesmas feitos, tendo nestes fatos mais ou menos parte o major Esteves, inimigo deste. O major Brito, amigo e protegido por D. Pedro I, queixou-se ao governo deste major, mas este em sua defesa alegou falsidade servindo-se do nome do ex-imperante para acusar, espalhando que o major Brito seria sujeito a Conselho de Guerra e despido da farda, o que fez que de desgosto e apaixonado por ter-se retirado D. Pedro I principiasse Brito a sofrer do cérebro tentando suicidar-se, o que por vezes não pôde executar por estorvar-lhe a esposa e amigos; mas, tendo-se em um dia descuidado a família, o major Brito com uma navalha que pôde encontrar golpeou os braços e vendo que assim não morria o mesmo fez nos pulsos e depois degolou-se, subindo em uma cadeira para atirar-se à rua das janelas que da casa deitavam para a hoje rua do conde d’Eu, não podendo isso realizar pelo muito sangue que havia perdido, caiu ao contrário para trás onde o vieram encontrar a expirar. Esse fato contristou a muita gente, porque o major Brito era estimado e respeitado. Quanto ao tenente-coronel Bartolomeu retirou-se para a Corte não mais aqui voltando.

Idem. Foi criada neste ano pela lei de 4 de outubro a Tesouraria de Fazenda Geral, que foi instalada em 1832,456 sendo seu primeiro inspetor o lente e diretor da Aula do Comércio da Corte Joaquim José Gomes da Silva Filho, que foi nomeado por decreto de 3 de dezembro de 1836 e tomou posse a 3 de fevereiro de 1837, sendo exonerado a 2 de março de 1841.

Idem. Apareceram nesta cidade no mês de outubro diversos cidadãos trazendo fitas a tiracolo, denotando pertencerem a uma associação secreta, propalando ideias subversivas à Constituição, leis e autoridades, tendo até ameaçado ao juiz de paz, pelo que ordenou o Conselho do Governo que houvesse três rondas compostas de guardas municipais até a meia-noite e duas até a madrugada para obstar qualquer conflito ou tentativa de revolta. Tomou ainda o Conselho providências em data de 31 de outubro, a fim de ser vigiado o padre Marcelino Pinto Ribeiro Duarte, que estava a chegar à província vindo da Corte, onde se tinha envolvido na revolução de 15 e 16 de junho, e que era apontado como revolucionário e instigador destes fatos.

Idem. É nomeado presidente da província o bacharel Antônio Pinto Chichorro da Gama, por carta imperial de 5 de novembro deste ano, prestando juramento e entrando em exercício a 28 de novembro do mesmo ano,457 e sendo exonerado a 25 de outubro de 1832.

Idem. É nomeado por portaria de 6 de novembro deste ano para comandante das armas o coronel Sebastião Vieira Machado,458 que unicamente serviu dois meses o dito lugar por ter sido logo extinto, passando a ser ocupado o Comando das Armas pelos presidentes de províncias, em virtude da lei de 15 de novembro e decreto de 5 de dezembro deste mesmo ano.459

Idem. Reúne e abre no mês de dezembro deste ano o novo presidente Antônio Pinto Chichorro da Gama a sessão extraordinária do Conselho do Governo, que se achava composto dos membros coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, Manoel de Morais Coutinho, Manoel dos Passos Ferreira, padre Domingos Leal, João Antônio de Morais e Francisco Martins de Castro; nesta sessão tratou-se da criação da Guarda Municipal, paga de conformidade com a lei de 10 de outubro desse ano.

 

450 Vasconcelos, Ensaio, p. 64.

451 Idem.

452 Idem

453 Segundo Teixeira de Oliveira, a “ideia não vingou, pois os cofres da província não suportavam as despesas decorrentes da diária de cento e sessenta réis, que se responsabilizara a pagar a cada um dos novos colonos. Debandaram quase todos da terra capixaba e ‘a maior parte com destino a Porto Alegre’.” [Oliveira, HEES, p. 341]

454 Decreto nº 0-002, de 11 de agosto de 1831 – Erige em paróquia a capela filial da povoação da Barra da Vila de São Mateus na província do Espírito Santo.

455 Vasconcelos, Ensaio, p. 78

456 “...e em 1832 instalou-se a tesouraria, criada pela lei de 4 de outubro de 1831, que foi alterada pelo decreto nº 736, de 20 de novembro de 1850.” [Vasconcelos, Ensaio, p. 84]

457 Idem, p. 64.

458 Idem, p. 68.

459 “Pela lei de 15 de novembro de 1831, art. 15, § 3º, executada por decreto de 5 de dezembro do mesmo ano, foi extinto na província do Espírito Santo o lugar de comandante militar, ficando tais funções a cargo dos presidentes sem vencimento algum.” [Idem, p. 59]

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2018

História do ES

200 Anos da chegada da Família Real

200 Anos da chegada da Família Real

Em 2008, estamos completando 200 anos da chegada da Família Real portuguesa ao Brasil, liderados por D. João VI e D. Carlota Joaquina 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viagens à Capitania do ES (Cap. I) - Por Bruno César Nascimento

Capítulo I - Brasil: entre o real e o imaginado

Ver Artigo
Introdução do livro Viagens à Capitania do ES

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
Viagens à Capitania do ES - Por Bruno César Nascimento

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
República , a grande transformação - Por Cristina Dadalto

No governo de Florentino Avidos várias edificações importantes para o Centro foram iniciadas: a construção do Viaduto Caramuru

Ver Artigo
A urbanização do Centro – Por Cristina Dadalto

A capela demolida em 1894 deu lugar ao Hotel Império que depois se chamou Hotel Europa

Ver Artigo