Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Comício de Jânio Quadros em Vitória

Jornal O Diário, 09 de setembro de 1960

Cerca de dez mil pessoas, animadas por grande vibração cívica, aplaudiram ontem, na Praça Oito, o Sr. Jânio Quadros e sua comitiva. Nem mesmo um princípio de chuva, conseguiu mover a população, que ficou no mesmo lugar, aguardando a hora de ver e ouvir o grande brasileiro.

Jânio, que foi o último orador, fez um discurso quase técnico, no qual demonstrou a atual situação do Espírito Santo, para em seguida anunciar o seu comportamento, como Presidente, com relação ao nosso Estado.

O primeiro ponto focalizado em seu discurso foi o problema da energia elétrica. Estranhando que Rio Bonito não tivesse sido olhada com mais carinho e atenção pelo Governo Federal e dizendo ser injustificável que uma usina de vinte mil quilowatts leve cinco anos para ser construída, esboçou o seu pensamento sobre o aproveitamento de outras cachoeiras, principalmente nos rios S. Mateus, Itabapoana, Itapemirim e S. José. Citou ainda a usina de Suiça, que merecerá do seu Governo uma atenção especial, através da ação enérgica do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico, que fornecerá os meios para que possamos eletrificar o Estado, criando-lhe novas fontes de renda.

HOMENAGENS

No começo de sua oração, Jânio agradeceu ao Governador Carlos Lindenberg por se ter feito representar à sua chegada, dirigindo idêntico agradecimento ao Poder Legislativo e ao Poder Judiciário. Mas a sua saudação especial foi para D. João Batista da Mota e Albuquerque, com quem se avistou na visita que fez ao Convento da Penha, logo após a sua chegada a Vitória.

Jânio falava visivelmente emocionado com a calorosa recepção do povo que o fora receber no aeroporto de Goiabeiras às 17 horas e que o conduziu, em companhia da comitiva, pelas ruas da cidade, até Vila Velha e o Convento da Penha.

APOIO DO PTB

Durante o seu discurso, o candidato das oposições referiu-se especialmente aqueles trabalhistas que resolveram juntar-se à grande campanha cívica de renovação nacional que ele comanda, agradecendo também aos membros do PR, que com ele estão, ao lado do povo para a salvação da Pátria.

PAVIMENTAÇÃO

Falando sobre o problema das estradas rodoviárias, disse inicialmente que estrada não asfaltada não é estrada: é caminho.

Estranhou que o Governo Federal tenha levado cinco anos para construir em nosso território apenas 57 quilômetros e 700 metros de estradas asfaltadas. Deteve-se analisando a importância econômica da BR-5 e da BR-31, cujas obras estão criminosamente abandonadas, mas cuja construção será ativada pelo seu Governo.

OUTROS PROBLEMAS

Falou ainda sobre a necessidade de se aumentar a capacidade de exportação do nosso porto, mas considera de urgência inadiável uma dragagem de profundidade, que permita que navios de trinta e trinta cinco toneladas possam aqui atracar. Afirmou que pretende alcançar a meta dos 20 milhões de toneladas exportadas.

 

Fonte: Jornal O Diário, 9 de agosto de 1960 – Ano IV
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2018

História do ES

Engenhos de açúcar no ES

Engenhos de açúcar no ES

O texto abaixo é transcrito do que é considerado o primeiro livro sobre o Brasil. Em 1576, em Lisboa, Pero de Magalhães de Gândavo imprimiu as páginas de sua História da Província de Santa Cruz (um dos primeiros nomes do Brasil) no mesmo local onde foi editado os “Lusíadas”.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1829 e 1830 – Por Basílio Daemon

Assume a presidência da província a 9 de dezembro de 1830 o 2º vice-presidente coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim

Ver Artigo
Com a República, pontes, estradas, indústria e comércio

No Espírito Santo, como nas demais províncias do Império, o movimento republicano foi pequeno. Em 23 de maio de 1887, foi fundado o primeiro clube republicano do Espírito Santo

Ver Artigo
A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
A República no Espírito Santo

A província contava 14 municípios, a metade do número atual, e de todos a Capital, o de mais recursos, nunca arrecadou renda superior a vinte contos de réis, sendo essa a média aproximada dos últimos anos financeiros

Ver Artigo
Partidos políticos, Constituição, Início da República

Tão logo pareceu consolidado o regime inaugurado a quinze de novembro de 1889, os políticos começaram a coordenar o eleitorado

Ver Artigo