Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

De vento em popa

Remadores da canoa Avahy, do Clube de Regatas Saldanha da Gama, vencedora do Pareo Prefeitura, regata realizada na baía de Vitória em 1910 - Postada por José Luiz Pizzol no FB

Era uma atração; um programa pra lá de quente quando, nas manhãs de domingo aconteciam, na baia de Vitória, lá pelos anos 55... 60... as concorridas regatas a remo. Em animada conversa, eu e meu amigo José Luis Schneider deixamo-nos navegar em relembranças. E quanto aprendi! Porque, embora médico (e que médico - daqueles às antigas que curavam com o coração), meu amigo foi menino do mar. Os barcos, a pesca, os ventos, as marés e as ondas não lhe guardavam segredos. Seu timoneiro na vida - o pai - tudo lhe ensinara.

Coisa boa resgatar o tempo! E ajuntar às minhas lembranças o que aprendi desse conhecedor das coisas do mar. Aprendi o quê e o porquê da variedade das embarcações que participavam das regatas: do “esquife”, com um só remador, ao “doble esquife”, aos “dois com patrão” e, finalmente o apogeu, a estrela do dia, singrando veloz as distâncias - o “iole A8”, com seus oito remadores (vigorosos, bronzeados) - uma atração a mais para as moçoilas que em frenesi os aplaudiam.

Ligeiros, estreitos, impulsionados em perfeita sincronia, os Ioles A8 eram como flechas certeiras, cujo alvo era a vitória. Na proa, ao leme, o “patrão” marcava o ritmo, incentivava, bradava ordens: à bombordo, à boreste, esquerda... Sentava-se à sua frente , o “voga”, sempre um remador experiente, que capturava o ritmo no vaivem do remo. Atentos, os outros sete o secundavam, como um único movimento. As pás dos remos a marulhar em uníssono quando, gotejantes, mergulhavam na água com precisão, a impelir o barco e imprimir-lhe velocidade, dominando vagas e marolas na determinação de alcançar, lá perto do imponente Penedo, a marca do vencedor. Às vezes, por um azar, um remador “enforcava” o remo - erro de posição ao imergi-lo na água -, pondo em risco a vitória e o barco.

O Saldanha da Gama, o Álvares Cabral, o Náutico, embora clubes rivais, eram todos gloriosos na competência e no espírito esportivo. Ao longo do cais, na mureta e sobre as pedras que o margeavam, torcedores e curiosos, apinhavam-se. À aproximação dos concorrentes, a expectativa explodia em aplausos, vivas, rojões festivos que troavam sob a bonomia de um plácido céu. Vibrava a galera, vibravam as cores dos clubes nos uniformes: vermelho, preto e branco, vermelho e preto... que se repetiam nas pás dos remos, a brilhar ao sol após beijar as águas.

Era fascinante observar o jogo dos remos alternando-se (quatro para a esquerda, quatro para a direita) e os corpos dos remadores: sentados de costas, presos os pés, - os bancos móveis, obedecendo aos seus impulsos -, a deslizar pra frente e pra trás, numa dança bem ensaiada. Havia tensão no ar, tensão nos bíceps reluzentes de suor e sal, tensão nos comandos do “patrão” que ao final já não se contendo, erguia-se na proa - mastro cuja bandeira era sua voz ao vento.

Os nomes de remadores famosos eram saboreados pelos fãs, com gosto de vitória: Wilson Freitas, Engole Garfo, Viola, Jacaré, os irmãos Costa... e tantos outros. Não ganharam olimpíadas, mas conquistaram seu lugar na história do esporte capixaba. Se a baía de Vitória há muito deixou de ser o palco das regatas, nos bastidores da saudade ainda se houve o marejar dos remos a dançar marolas e o aplausos de um povo feliz em matinal domingueira de sol.

No mais... no cais... só nos resta ver navios!

 

Por: Marilena Soneghet - Setembro/ 2008



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

Casa da Memória de Vila Velha - Sua História

Casa da Memória de Vila Velha - Sua História

Na Prainha, à beira mar, de frente para a Praça Tamandaré, havia um casarão geminado em ruínas, uma das últimas edificações do século XIX, datada de 1893, conforme inscrição em seu frontispício

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Aspectos do Direito Brasileiro na República - Parte III (FINAL)

Constituição de 1934, não consagrando no seu art. 113, nº 3, aquela cláusula “em caso algum”, veio dar um grande passo para a situação atual em que a irretroavidade das Leis

Ver Artigo
Partido Republicano - Cisão

As divergências de interesses entre os grupos da elite capixaba ficaram nítidas no Congresso do Partido Republicano realizado em Vitória, em 1890

Ver Artigo
Clubes Republicanos

Sob o governo de Pedro II o regime parlamentar brasileiro, se não primou por grandes arrancadas de progresso material, foi contudo uma verdadeira democracia

Ver Artigo
Comparações e fatos alusivos a Proclamação da República

Discurso proferido por Robero Brochado Abreu, membro do Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha - Casa da Memória, durante as comemorações da Proclamação da República

Ver Artigo
Canudos e a consolidação da República - Por Hélio Athayde

Os brasileiros ainda questionam a sua forma e o seu sistema de governo, vergados sob o imenso peso de um “complexo de culpa coletivo”, que parece continuar rondando os seus espíritos

Ver Artigo