Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Desembargador Ferreira Coelho - O falecimento, desse ilustre magistrado

Desembargador Ferreira Coelho

As letras jurídicas nacionais acabam de perder um dos seus cultores mais dedicados e brilhantes, com o falecimento ontem, quase inesperado do desembargador Antônio M. Ferreira Coelho.

Ainda há poucos dias, mesmo durante a semana passada, entregava-se o desembargador Ferreira Coelho ao trabalho paciente e erudito da confecção do livro a que vinha dedicando, desde anos ininterruptos, os fulgores da sua inteligência e da sua cultura.

Referimo-nos ao Código Civil Brasileiro comentado e comparado, obra vastíssima e de inestimável valor, de que já foram publicados vinte e quatro volumes.

Toda sua vida, cheia de ensinamentos, foi dedicada à Justiça a que serviu com a firmeza e a retidão do seu caráter e com o cabedal do seu saber jurídico.

Foi, assim, um dos juízes mais íntegros com que contou a magistratura nacional. Do seu livro sobre o Código Civil restam ser pubicados ainda oito volumes, segundo o plano geral que concebera.

Nascido em Pernambuco, a 21 de setembro de 1860, estudou em Recife, formando-se pela Faculdade de Direito dessa capital, em 1883.

Depois de haver exercido a sua profissão de advogado, em seu Estado natal, seguiu para o Rio Grande do Norte, onde iniciou a sua carreira pública, como oficial de gabinete e depois secretário do desembargador Altino Corrêa de Araújo, quando governador do Rio Grande do Norte.

Deixando aquele Estado exerceu a magistratura em Alagoas, depois em Santa Catarina e finalmente no Espírito Santo, onde chegou à presidência do Superior Tribunal de Justiça daquele Estado. No governo do Coronel Henrique Coutinho organizou o Código Processual do Estado.

Representou o Estado do Espírito Santo no Congresso de Geografia por diversas vezes e com muito brilhantismo e cultura fez salientar o nome daquele Estado no III Congresso Jurídico Pan Americano, reunido nesta Capital, discutindo, pela primeira vez no país, a questão do divórcio.

Os trabalhos do desembargador Ferreira Coelho nesse congresso foram de tal monta, que os congressistas estrangeiros, além de lhe oferecerem um banquete, deram-lhe o diploma de membro efetivo, sendo os seus trabalhos base de discussão em outras reuniões.

Organizou o Código Processual do Estado do Espírito Santo, e coadjuvou o do Processo Criminal.

O ilustre magistrado patrício, que faleceu aos 73 anos de idade, era viúvo, deixando uma filha, a Sra. Maria da Penha Coelho Ferreira, esposa do Sr. José Ferreira, e quatro filhos, os Srs. José, Elias, Francisco e Demétrio Ferreira Coelho; e uma irmã, a Sra. Maria Clara Coelho de Souza, progenitora dos Drs. Silvano e Oscar Coelho de Souza, este alto funcionário da Policia Marítima.

Dos filhos do extinto, o mais velho, o Dr. José Ferreira Coelho, advogado, que já tem exercido cargos na magistratura pernambucana, é nosso colega de imprensa e um dos prestimosos auxiliares da Empresa Pereira Carneiro & C. Ltda, (Companhia Comércio e Navegação). O enterramento do saudoso magistrado realiza-se hoje, às 9 horas e 30 minutos, no cemitério de S. João Batista, saindo o féretro da residência da família enlutada, à Rua Icatú n. 68, onde se verificou o óbito.

 

(Do Jornal do Brasil, do Rio, de julho de 1933)

 

 

Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo – Número 07 Março de 1934
Arquivo Público do Estado do Espírito Santo - Biblioteca Digital
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2020

Personalidades Capixabas

Maior que o Penedo - Por Miguel Depes Tallon

Maior que o Penedo - Por Miguel Depes Tallon

Conheci Nilo Martins da Cunha nos idos de sessenta, na velha FAFI, na Jerônimo Monteiro. Nilo era titular da cadeira de História da América

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Laerce Bernardes Machado

A História de um Homem é sempre algo interessante de se saber e de se conhecer

Ver Artigo
José Ignacio Ferreira

Nascido em Vitória, no dia 18 de maio de 1939, seu pai, o comerciante Aristóbulo Inocêncio Ferreira, casou-se em segundas núpcias com sua mãe, Sra. Jurandy Leite Ferreira

Ver Artigo
Judith Castelo Ribeiro

Eram treze irmãos. Todos vieram do interior e ficaram numa casa de sobrado, na extinta Rua José Marcelino

Ver Artigo
José Maria Feu Rosa

Quando JOSÉ MARIA FEU ROSA nasceu, no dia 20 de outubro de 1939, o País estava mergulhado neste regime excepcional e rígido

Ver Artigo
José Carlos da Fonseca

Filho de Luiz Teixeira da Fonseca e de Carolina Nunes da Fonseca, nasceu JOSÉ CARLOS a 21 de julho de 1931, em São José do Calçado

Ver Artigo