Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

Francisco Aurélio Ribeiro

Hoje, comemora-se a chegada dos portugueses ao Espírito Santo, em 1535. É feriado apenas em Vila Velha, que se torna a capital simbólica do Estado, somente neste dia. Pouco restou da antiga Vila do Espírito Santo, a primeira capital e a primeira vila fundada pelos colonizadores. O sítio histórico da Prainha, local de chegada dos nossos fundadores, a igreja do Rosário, uma das mais antigas do Brasil, todo o entorno do Morro da Penha, doado pela governadora Luísa Grinalda aos franciscanos, com sua Mata Atlântica, flora e fauna pouco preservadas, o magnífico Convento, o maior símbolo histórico, cultural e religioso de nosso Estado, deveriam ter um apreço maior tanto pela comunidade capixaba quanto pelas autoridades que não lhe dão o valor merecido. O dia de hoje deveria ser feriado estadual e não apenas municipal. As datas da colonização do solo espírito-santense e do martírio de Domingos Martins, o único capixaba a constar do Panteão de Heróis e Heroínas Nacionais, deveriam ter um destaque maior no calendário cívico e escolar de nosso Estado. O capixaba tem baixa autoestima e pouco sabe de sua história e de sua cultura. Terra formada por imigrantes estrangeiros e nacionais, o Espírito Santo não incutiu em seus habitantes o conhecimento devido de sua história e de sua cultura como deveria. Afinal, já disse Santo Agostinho, "Só se ama o que se conhece". Não temos o orgulho de ser capixaba, como o têm o mineiro, o carioca e o baiano por sua terra. Todos que vêm pra cá se tornam capixabas, pois somos extremamente receptivos aos que vêm de fora, e esses, normalmente, não criam vínculos afetivos e profundos com nossa terra. Tornam-se nossos representantes em Brasília, mas o que fazem pelo Espírito Santo? São nossos deputados, prefeitos e vereadores, mas desconhecem nossos escritores e artistas.

Sugiro que algum deputado faça um projeto de lei para transformar o dia vinte e três de maio em feriado estadual e em data a ser comemorada em todos os municípios e escolas como o dia de celebração do "capixabismo", assim como o gaúcho tem o dia da Revolução Farroupilha para celebrar suas tradições. Seria um dia, pelo menos, de se fazer shows com artistas capixabas, lançamento coletivo de livros nas praças, encenações teatrais com fatos e personagens de nossa história; um dia para cantar o "Surge ao longe a estrela prometida", com acompanhamento da nossa gloriosa banda da Polícia Militar e ao som dos tambores de nossas bandas de congo. Um dia para o "sol nossos feitos alumiar”, como escreveu Peçanha Póvoa, saudoso professor e autor da letra de nosso hino desconhecido pelas novas gerações.

 

Fonte: A Gazeta, Caderno Opinião, 23/05/2016
Autor: Francisco Aurélio Ribeiro
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2016

História do ES

Engenhos de açúcar no ES

Engenhos de açúcar no ES

O texto abaixo é transcrito do que é considerado o primeiro livro sobre o Brasil. Em 1576, em Lisboa, Pero de Magalhães de Gândavo imprimiu as páginas de sua História da Província de Santa Cruz (um dos primeiros nomes do Brasil) no mesmo local onde foi editado os “Lusíadas”.

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O capixabíssimo peroá – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O peixe comido pelo povo capixaba e os turistas que nos visitam no verão é o capixabíssimo peroá, peixe que nunca vi fora daqui

Ver Artigo
Nós os capixabas – Por Francisco Aurélio Ribeiro

Se temos um linguajar próprio? Ditongamos muito, daí os "bandeija, carangueijo" do nosso dialeto; já ouvi até menino gritar "A Gazeita!!

Ver Artigo
Identidade Capixaba, o efeito mosaico – Por Gilbert Chaudanne

Essa identidade consiste em juntar as pastilhas do mosaico capixaba e fundi-las num espelho que vai refletir um rosto único e imensamente rico e diverso

Ver Artigo