Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Espírito Santo – Folclore e Artesanato

As paneleiras

Reis o ano inteiro

O Espírito Santo é rico em manifestações folclóricas, que sobrevivem sozinhas há séculos sem intromissão oficial. O folclorista Hermógenes Lima Fonseca acentua que o Estado possui folclore de origem afro, bíblica e européia. O reisado, ligado ao ciclo natalino, simboliza o nascimento de Cristo. Ao lado da festa de São Benedito, o reisado é um dos eventos mais divulgados no Estado, onde a mesma festa leva outros nomes. Em Alegre e Muqui, é folia de reis. No Norte, são os reis de bois, que fazem parte do calendário da cultura popular entre 6 de janeiro e 3 de fevereiro. Aos sábados, os reis de bois "brincam" nas casas dos moradores.

Outra manifestação de origem bíblica e que aparece às vésperas do Natal e do Ano Novo são as pastorinhas. Elas vestem saia xadrez, blusa branca e chapéu de palha. São acompanhadas por bandolins.

De origem afro, sobrevivem no Estado o jongo, mais de vinte bandas de congo e o ticumbi, um auto litúrgico profano que vem do século V. Segundo Hermógenes, este ano foram criados mais dois grupos de ticumbi em Itaúnas, no município de Conceição da Barra.

 

As outras manifestações folclóricas existentes no Estado são as cantigas de roda, de origem ibérica, que são cultivadas em escolas e subúrbios; e as quadrilhas que animam as festas juninas. São de origem francesa, do século passado.

Artesanato

Símbolos da terra

Panelas e conchas, criações ligadas ao mar

As panelas de barro e as conchas são os principais tipos de artesanatos produzidos no Espírito Santo. O mais tradicional, as panelas de barro, chegam a ser o símbolo da culinária capixaba. A fabricação é totalmente artesanal, usando técnicas trazidas pelos escravos há mais de 400 anos. As paneleiras mantêm a sua produção no Bairro de Goiabeiras Velha, em Vitória. Depois que é moldada em barro, a panela passa por um processo de queima, em fogo de lenha. Depois, as panelas recebem pintura de tanino, retirado das cascas de madeira do mangue. A tradição é tão forte, que a moqueca, para ser de fato capixaba, tem que ser preparada na panela de barro. Caso contrário, não é moqueca.

Conchas

O artesanato em conchas é produzido em Piúma. Calcula-se que seja a segunda maior fonte de receita daquele município. Mais de 70% da população sobrevivem da produção de bibelôs, sandálias, colares e os mais variados objetos decorativos. Mais de 80% do artesanato em conchas do Brasil são produzidos em Piúma.

Existem também outros tipos de artesanatos que não são tão típicos. As rendas, por exemplo, são produzidas com algodão fiado pelas próprias rendeiras, ou com linhas industrializadas, normalmente usadas para costura. As rendeiras, no geral, ainda conservam seu instrumental tradicional: os piques, bilros e almofadas. A produção é feita em Guarapari e em Meaípe, principalmente.

No interior do Estado, existem vários tipos de artesanatos, como de madeira, bambu e taquara. Os índios guaranis também utilizam, esse tipo de material para a confecção artesanal de cestos de vários tamanhos, chocalhos, arco e flexa, entre outros. Os guaranis, confinados nas reservas de Aracruz, sobrevivem da venda desses artesanatos...

 

Fonte: Os Capixabas, A Gazeta 14/12/1992
Pesquisa e textos: Abmir Aljeus, Geraldo Hasse e Linda Kogure
Fotos: Valter Monteiro, Tadeu Bianconi e Arquivo AG
Concepção gráfica: Sebastião Vargas
Ilustração: Pater
Edição: Geraldo Hasse e Orlando Eller
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2016

Folclore e Lendas Capixabas

O Fantasma da Penha - Por Maria Stella de Novaes

O Fantasma da Penha - Por Maria Stella de Novaes

No caminho da Penha, (hoje Ladeira do Convento), ainda sem a calçada de lajes e divisão, nos Sete Passos murados, havia uma pavorosa assombração! 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo