Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ruínas em Anchieta

Ruínas do Rio Salinas ficam na cidade histórica de Anchieta

As ruínas do Rio Salinas ficam na cidade histórica de Anchieta, litoral sul do Espírito Santo. Conta-se na região que o local provavelmente abrigou uma salina clandestina.

Para chegar às ruínas, é preciso seguir de barco pelo Rio Benevente, em um passeio de cerca de 40 minutos pelo manguezal. No caminho, o espetáculo é das garças, que fazem ninhos em ilhotas espalhadas pelo rio.

 

Dica do Site: Você pode também fazer o mesmo passeio viajando nas fotos da exposição ao lado, que estão na sequência do fim para o início do passeio. 

 

Ruínas sem origem definida

Passear pelo rio Benevente e conhecer as ruínas jesuítas de uma provável salina construída possivelmente no século XVI - descobertas recentemente – é uma boa opção de lazer e contato com a natureza. O percurso dura em média 40 minutos. Não existe ainda nenhum serviço especializado e regular para se fazer o passeio, mas há a possibilidade de se alugar barcos de pescadores.

Subindo o Benevente, o visitante terá contato com o manguezal, ilhas fluviais e canais, com rica fauna e flora. Bandos de garças fazem coreografias aéreas, geralmente no final da tarde. Em outros horários é comum a presença desses pássaros, que pousam nas vegetações ou nas ilhas. Durante o trajeto socós e marrecos divertem os turistas. Há abundância também de caranguejos que saem de suas tocas para passear no mangue.

 

Papagaios

A Ilha do Papagaio é outra atração, já que é o único local que ainda abriga a nidificação de papagaios de penas verde e vermelha, que se tornaram símbolo da Anchieta. Eles representam a fidelidade, justamente porque preservam hábitos monogâmicos, informam alguns moradores da cidade.

Do Benevente o barco segue um dos braços desse rio: o Salinas. Em sua margem direita foi construído um pequeno ancoradouro, que permite o desembarque dos visitantes. Dali é preciso caminhar um pouco mais de 100 metros para encontrar as ruínas. Não há dados muito concretos sobre as suas origens. No entanto, hipóteses não faltam.

Uma das versões é que havia uma fazenda, onde se explorava sal. As ruínas podem ter abrigado a sede dessa propriedade. Supõe-se que a salina era clandestina, já que a exploração de sal era monopólio exclusivo da coroa portuguesa.

As ruínas podem ser também a terceira aldeia dos jesuítas – a de São Cristóvão – que desapareceu e que foi citada por Hélio Abranches Viotti em Anchieta – O Apóstolo do Brasil. Entre 1578 e 1588 os religiosos fundaram as aldeias de Reriritiba ou Reis Magos e Aldeia Nova da Conceição de Guarapari. Em 1589 o Catálogo dos Jesuítas assinalava a terceira aldeia, que poderia ter abrigado as atuais ruínas.

O que se tem certeza é que o rio sempre teve esse nome. Há também versões de que ruínas podem ter sido a primeira igreja construída pelos jesuítas no litoral sul do Espírito Santo, que ficava no centro de uma aldeia chamada São Pedro. Pelo sim, pelo não, as 32 colunas estão lá, bem no meio de um bosque de eucaliptos. A prefeitura enviou arqueólogos para pesquisar a área, mas ainda não se divulgou o resultado dos trabalhos.

Há algumas informações fragmentadas sobre o rio Salinas. José Marcelino Pereira de Vasconcelos em seu Ensaio sobre A História e Estatística da Província do Espírito Santo, publicado em 1858, afirmou que “no município de Benevente existe um rio denominado Salinas, braço do rio Benevente, em que se formam depósitos salinos de grande extensão, de que se servem os moradores circunvizinhos para uso doméstico. Conviria talvez explora-lo”.
César Augusto Marques, no Dicionário Histórico, Geográfico e Estatístico da Província do Espírito Santo, em 1878, publicado pela Typographia Nacional, registrou que o rio Salinas, “encontram-se depósitos de sal de que se servem os vizinhos para uso doméstico”.

 

Fonte: A gazeta 26 de setembro de 1994
Compilação e Fotos: Walter de Aguiar Filho, setembro/2012 



GALERIA:

📷
📷


Religiosos do ES

Exposição Online - O Capitão e o Santo

Exposição Online - O Capitão e o Santo

Admira-se a capacidade de Anchieta de aproximar-se dos índios, de atraí-los com sua bondade falar-lhes em sua própria língua, desdobrar-se para protegê-los dos abusos, da exploração e dos maus tratos infligidos pelos colonos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Cronologia do Convento da Penha

Cronologia da história do Convento da Penha

Ver Artigo
Os Jesuítas chegam – Por Serafim Derenzi

Inácio Lopes de Recalde, como se chamava no mundo, fora capitão do exército de Navarro. Trocou a espada de guerreiro pela cruz

Ver Artigo
As Ordens Religiosas concluem seus Conventos – Por Serafim Derenzi

No correr do setecentos, os jesuítas, em suas cartas, quando se referem a casa e a igreja de sua ordem em Vitória, chamam-nas de Colégio Santiago e igreja de S. Maurício

Ver Artigo
Expulsão dos Jesuítas – Por Luiz Serafim Derenzi

No cenário do Brasil Colônia, a Capitania do Espírito Santo foi sempre obscura, por isso, não constituía problema para o governo metropolitano. 

Ver Artigo
Ruínas em Anchieta

As ruínas do Rio Salinas ficam na cidade histórica de Anchieta, litoral sul do Espírito Santo. Conta-se na região que o local provavelmente abrigou uma salina clandestina

Ver Artigo