Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Festa de Italianos e capixabas - Por Rubem Braga

Crônicas do Espírito Santo de Rubem Braga - capa

O engenheiro e escritor Luiz Derenzi alertou a comunidade capixaba: este ano o primeiro centenário de imigração italiana no Espírito Santo. Foi lá para os lados de Santa Cruz que essa primeira leva se plantou. Os contratempos foram muitos, e a certa altura o governo italiano resolveu proibir a emigração para o Espírito Santo; o relatório então feito por um enviado a Roma é um dos documentos que agora devem ser publicados. [1]

No sul do Estado, pelo que me contou Derenzi, os imigrantes italianos se instalaram, a princípio, às margens do rio Benevente, e ali plantaram café, com fraco resultado: as terras eram, como se costuma dizer, frias. Foram depois para o alto Itapemirim e seus afluentes, onde prosperaram.

Quando eu era menino, em Cachoeiro, uma boa parte da gente da lavoura era italiana. As mulheres de pano na cabeça e vestidos longos, de feitio antigo, vinham vender, de porta em porta, as coisas da roça. Quase nunca falavam português, pois as famílias viviam muito isoladas no mato. A gente se entendia na meia língua da boa vontade, e quando ela pedia um fiorino por alguma coisa, já se sabia que estavam querendo dez tostões.

Lembro-me de uma brincadeira qualquer em que a gente cantava: una, duna tena, catena, saco de pena e os mais velhos garantiam que era assim que se contava em italiano...

Hoje não há, provavelmente, uma só família de Cachoeiro que não tenha algum membro com sangue italiano; famílias altamente prolíficas, ou pródigas em homens inteligentes e  mulheres bonitas como a dos Vivacqua – para citar apenas esta – cruzaram-se desde a primeira geração e se multiplicaram fartamente.

A festa da colônia italiana é, assim, uma festa profundamente Capixaba. Luiz Derenzi prometeu-nos um livro sobre a colonização[2], e estou seguro de que será interessantíssimo; mas o assunto é muito vasto e seria bom que fossem instituídos prêmios animadores para monografias sobre os vários aspetos da colonização. Um deles, que está a desafiar os estudiosos de arquitetura, seria a casa do imigrante italiano, principalmente a rural, a casa de colono ou sitiante que, devido a essa influência, ficou no Espírito Santo tão diferente de casa da roça de Minas.

Há mil coisas a pesquisar, a começar pela contagem: una, duna, tena, catena...

 

 

Fonte: Crônicas do Espírito Santo. 1984
Autor: Rubem Braga
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2011
Obs.: Este livro foi doado à Casa da Memória de Vila Velha em abril de 1985 por Jonas Reis
Nota do Site [1]: O Estado do Espírito Santo e a Imigração Italiana - Carlo Nagar – 1895, vindo o Arquivo Publico do Estado do Espirito Santo disponibilizá-lo de forma digital, em novembro/1995
Nota do Site [2]: DERENZI, Luiz Serafim. Os italianos no Estado do Espírito Santo, Rio de Janeiro, 1974

 

 

 



GALERIA:

📷
📷


Imigração no ES

Luxemburgueses

Luxemburgueses

Os luxemburgueses foram aqueles que mais se movimentaram pela região de Santa Leopoldina.Eles chegaram ao Espírito Santo por volta de 1859

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Emigrantes Portugueses de Origem Judaica - Ester Abreu

A autora fala a respeito das diásporas judaicas, os percalços desse povo para conservar seu estilo de vida e religião e da presença desse povo no Espírito Santo, oriundos de Portugal

Ver Artigo
Fotógrafo Cilmar Franceschetto pesquisa comunidade italiana

A beleza do biótipo de influência italiana é tema permanente no trabalho de antropologia visual de Cilmar Franceschetto

Ver Artigo
Imigrantes deixaram portugueses para trás

Na opinião de Renato Pacheco, lusos perderam o bonde da história e foram suplantados por uma cultura mais forte, que fez o desenvolvimento do Estado

Ver Artigo
Imigrantes criaram no ES biotipo especial

A intensidade da mistura racial capixaba resultou num biotipo diferente da população predominantemente branca e loura existente nas regiões de colonização européia no Sul do País

Ver Artigo
Ida ao Rio Doce - Imigração Americana

Família Keyes indo de encontro ao Rio Doce, onde mais tarde descobririam o caminho até Linhares, citações em relação a política governamental daquela época, como: vantagens para os imigrantes

Ver Artigo