Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

França Antártica – Mem de Sá e Guanabara

Nicolau Durand de Villegaignon

Notícias levadas a Mem de Sá, por intermédio de alguém que esteve no Espírito Santo, davam conta dos franceses que se haviam estabelecido na Guanabara.(21)

O governador geral transmitiu os apontamentos(22) à Coroa, e em novembro de 1559 recebeu o auxílio que, na metrópole, julgaram suficiente para pôr fim à França Antártica. Era a armada que tinha por capitão-mor Bartolomeu de Vasconcelos da Cunha. Tão mofina, que Mem de Sá foi obrigado a mobilizar os homens dispensáveis da cidade do Salvador e escrever a São Vicente pedindo reforço, que deveria encontrá-lo em dia emprazado na barra do Rio de Janeiro. A dezesseis de janeiro de 1560, o governador geral partiu da Bahia rumo à Guanabara. Tocou em todas as capitanias do trajeto, naturalmente preocupado em recrutar auxílio.

Parece que o Espírito Santo não pôde colaborar na cruzada.(23) Era particularmente crítica a situação da colônia naquele momento. Nóbrega, escrevendo ao infante cardeal D. Henrique, depois de se referir aos perigos que ameaçavam a pouca gente da capitania e ao desejo que a todos animava de se irem daqui,(24) observou que Mem de Sá deu “esperanças que da tornada a fortaleceria e favoreceria”.(25)

 

NOTAS

 

(21) - SÁ, Carta, I, 226.

(22) - Podem ser lidos em VARNHAGEN, HG, I, 397, nota 2.

(23) - Entretanto, SILVA LISBOA (Anais, I, 18) diz: “além de haver prestes várias canoas de guerra, com gente e munições, que adquiriu das Capitanias dos Ilhéus, Porto-Seguro e Espírito Santo”. FERNANDES PINHEIRO repete a afirmação de SILVA LISBOA (A França, 39). Também BASÍLIO DAEMON afirma: “passando [Mem de Sá] pelas Capitanias dos Ilhéus, Porto Seguro e Espírito Santo, recebeu em todas elas contingentes, mormente aqui, donde levou maior número” (Prov. ES, 74).

(24) - Ver foot-note n.º 7.

(25) - Cartas, III, 242.

 

NOTA DO SITE

Nicolau Durand de Villegaignon - líder da invasão francesa

Introdução 

Em meados do século XVI, o Brasil foi alvo de várias incursões estrangeiras. Entre elas, podemos destacar as invasões francesas que atingiram a região litorânea do atual estado do Rio de Janeiro.

Objetivos das invasões

Os franceses desembarcaram na costa do Rio de Janeiro em 1555, com o objetivo de fundar a França Antártica, um núcleo Colônial francês em pleno território brasileiro. Comandados por Nicolau Durand de Villegaignon, os franceses fundaram um forte na Baía de Guanabara, região ainda não colonizada pelos portugueses.

Os franceses buscavam garantir a exploração do pau-Brasil, que tinha alto valor e procura no mercado europeu.

Os invasores tinham também com intensão obter território para moradia de protestantes franceses, que estavam sendo perseguidos, por motivos religiosos, na França. 

Confederação dos Tamoios

Os franceses conseguiram o apoio dos índios tupinambás e de outras nações indígenas da região, que tinham os portugueses como inimigos em comum. Esta união de forças indígenas contra os portugueses e favoráveis aos franceses ficou conhecida como Confederação dos Tamoios.

Reação dos portugueses e expulsão dos franceses

Para não perder o território para os franceses, o governador-geral Duarte da Costa organizou uma expedição militar para expulsar os franceses do território brasileiro. Porém, a ação militar não obteve êxito. O governador-geral seguinte, Mem de Sá, também tentou expulsar os franceses e, embora tenham conseguido atacar o forte francês Coligny, a ação não gerou resultados positivos num primeiro momento.

Foi então que a coroa portuguesa enviou reforço militar para o Rio de Janeiro, sob o comando de Estácio de Sá, para expulsar os franceses. Em 1º de março de 1567, Estácio de Sá fundou a cidade do Rio de Janeiro (chamada de São Sebastião do Rio de Janeiro), com o objetivo de criar uma base militar de luta contra os franceses.

Pesou também a favor dos portugueses a ação dos jesuítas Manoel da Nóbrega e José de Anchieta. Os religiosos pacificaram os indígenas, fazendo com que ocorresse o fim da Confederação dos Tamoios e a retirada da ajuda aos franceses.

Em 1567, após várias batalhas, os franceses foram expulsos do Brasil."

Fonte da nota do site: http://www.suapesquisa.com/colonia/franca_antartica.htm

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

História do ES

Mapa da Capitania do Espírito Santo – Atlas Manuscrito de 1631 - Parte I

Mapa da Capitania do Espírito Santo – Atlas Manuscrito de 1631 - Parte I

Este foi o mais antigo documento que compulsamos, mas na verdade, é uma cópia do original que se encontra em poder da mapoteca do Ministério das Relações Exteriores (Biblioteca do Itamarati).

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Opinam os jesuítas sobre a Capitania do ES

“Esta Capitania se tem por a milhor cousa do Brasil depois do Rio de Janeiro”, opinava o padre Nóbrega em 1560

Ver Artigo
Providências de Mem de Sá após a morte de Vasco Coutinho

Aos dezesseis de outubro, informado da morte de Vasco Coutinho, o governador geral expediu o mandado às principais autoridades da capitania

Ver Artigo
França Antártica – Mem de Sá e Guanabara

Notícias levadas a Mem de Sá, por intermédio de alguém que esteve no Espírito Santo, davam conta dos franceses que se haviam estabelecido na Guanabara

Ver Artigo
Os pioneiros: Degredados

Exceto dois funcionários públicos – um escrivão e um almoxarife -, todos eram degredados. Ou seja, nossos “pioneiros” eram criminosos que foram banidos, desterrados de Portugal para cumprir suas penas de prisão perpétua na colônia

Ver Artigo
O plano português para colonização das terras doadas - Sesmarias

A 28 de fevereiro de 1532, D. João III, por carta, cientificou a Martim Afonso de Souza a resolução que tomara de dividir o litoral do Brasil, de Pernambuco ao Rio da Prata, com o fim de formar capitanias com cinqüenta léguas da costa

Ver Artigo