Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Literatura feminina capixaba

Capa do Livro: Literatura Feminina Capixaba (1902-1950)

O maior nome feminino nas letras nacionais, na década de 20 do século passado, foi o de Maria Eugênia Celso (1890-1963), poetisa, romancista, contista, teatróloga, conferencista, fundadora do Pen Clube, filha do conde Afonso Celso. Sua carreira literária inicia-se em 1920, com Em Pleno Sonho, poesias, e suas Poesias completas foram publicadas em 1955.

Maria Eugência era líder das mulheres intelectuais de sua época, tendo participado e liderado a campanha pela profissionalização da mulher e pela valorização das causas femininas.

No Espírito Santo, algumas escritoras publicavam em jornais e, sobretudo, na revista quinzenal Vida Capichaba. Dentre os nomes de poetas que se destacam, na época, estão os de Maria Antonieta Siqueira Tatagiba (1895-1928) e Haydée Nicolussi (1905-1970).

Pode se estabelecer traços de comparação na produção poética dessas duas escritoras. Maria Eugência Celso e Maria Antonieta Tatagiba sobretudo no enfoque da imagem espetacular, a busca do duplo refletido que, em sua essência, é o da busca de uma identidade (feminina) e de uma linguagem poética própria.

Maria Antonieta Tatagiba, nascida em São Pedro de Itabapoana, interior do ES, conseguiu projeção literária num universo masculino e machista, por ter-se mantido num código feminino estabelecido pelos homens.

 

Fonte: Literatura Feminina Capixaba (1902 – 1950)
Autor: Francisco Aurélio Ribeiro
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2010 

 

LINKS RELACIONADOS:

 Francisco Aurélio Ribeiro

História do ES

O primeiro jornal do ES

O primeiro jornal do ES

Justamente trinta e dois anos depois de iniciar-se a publicação da Gazeta do Rio de Janeiro,[30] o Espírito Santo viu circular O Estafeta – primeiro jornal impresso na terra (1840)

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Cidade dormitório

Aos jovens que completavam o curso primário e aspiravam o primeiro emprego só restava procurá-lo em Vitória

Ver Artigo
A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo