Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Últimos dias do Melpômene

Acervo: José Tatagiba

A natureza física de Vitória, pela sua característica topográfica e geológica, é alérgica ao urbanismo a curto prazo e de recursos limitados. Não obstante, o engenheiro Moacir Avidos procurou domar-lhe a agressividade típica de cidade torta, enquistada entre o mar e a montanha. Homem simples e desavisado da função importante, que a história registraria, Moacir Avidos instalou-se no velho Teatro Melpômene, interditado por um incêndio em 1923.(1)

Os governos estaduais não patrocinavam temporadas artísticas, nem se interessavam pelo teatro amador, nascido no fim da monarquia e acalentado com esperanças promissoras. Escreveram comédias, Aristides Freire,  Peçanha Póvoa, Amâncio Pereira e outros. O amadorismo, sem estímulo do poder público, não vingou. O teatro não mereceu nem verba para sua conservação. Mas o destino foi irônico. Não tendo servido ao fim específico, que lhe destinara seu autor, abriu o proscênio para acolher os “Serviços de Melhoramentos de Vitória”. Melhor sorte não podia o acaso reservar ao Melpômene agonizante: palco de uma administração honesta.

- Que é teatro senão a casa onde o pensamento toma corpo, dinamizado pelo engenho, onde a fantasia se corporifica na realidade sonhada?

NOMES QUE DEIXARAM SAUDADES

O prédio da esquina da Rua Barão do Itapemirim, antiga Oriente, com a Avenida Capixaba, foi o primeiro edifício público concluído pelo governo. Em começo de 1925 nele se instalou a sede dos "Serviços de Melhoramentos de Vitória", condigna e confortavelmente.

Iniciou-se a demolição do Melpômene, cujo madeiramento de pinho de Riga, essência preciosa, foi toda desperdiçada em barracões de emergência. As colunas de ferro fundido, que suportavam os balcões e galerias, têm a mesma função no Teatro Carlos Gomes, construído por André Carloni, à sua custa, mediante pequenos favores do Estado.

Assim terminou o Melpômene do antigo Largo da Conceição. Foi palco de operetas, revistas, zarzuelas, recitais, dramas do cinema mudo nascente, 1902, até o apogeu, com os dramalhões românticos de Francesca Bertini, Lídia Borelli, Pina Menichelli, Asta Nilsen, Bety Nansen, Gustavo Serena, Alberto Capozzi, Emilio Ghioni, Waldemar Psilander e das pantomimas de Max Linder e Tontolini. 

 

NOTAS

 

(1) A última representação foi a revista "Só órso", escrita por Deocleciano Coelho, para salvar o fracasso da Cia. Pinta Filho, cujo repertório não agradara ao público capixaba. Deocleciano Coelho teve sucesso estupendo.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2017

Curiosidades

Cantigas de Roda

Cantigas de Roda

O bairro estava sossegado e a noite era calma e bela. Na ruinha mais estreita do que larga, começaram a aparecer crianças de idade variada

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Vitória cidade ganglionar – Presidente Avidos

Vitória pertence ao tipo, que os urbanistas modernos denominam de cidade linear, unindo gânglios atrofiados entre o mar e as montanhas

Ver Artigo
O que não se vê – Presidente Florentino Avidos

Grande parcela não é visível: as drenagens, os esgotos, as canalizações de água, porque são subterrâneas

Ver Artigo
Os Cooperadores de Florentino Avidos

Do secretariado faziam parte os doutores Antônio Lopes Ribeiro e Carlos Xavier Barreto, secretários do Interior e Justiça e da Presidência, Mirabeau da Rocha Pimentel

Ver Artigo
Fale os sábios das escrituras – Presidente Avidos

Abstraindo-se da afoiteza, com que algumas obras foram executadas, a crítica aos dois Avidos, por jornalistas anônimos e políticos preteridos, não teve justificativa recomendável

Ver Artigo
Inovação na Vida Urbana de Vitória no início do Século XX

Os Serviços de Melhoramentos introduziram certas normas técnicas, que marcaram diretrizes novas em Vitória

Ver Artigo
Florentino Avidos

O povo tem qualquer coisa de feminino nas suas opiniões e no seu modo de apreciar uns tantos fatos da vida social. 

Ver Artigo
Arquitetos, Pintores e Artistas – Por Serafim Derenzi

A ausência de arquiteto foi lacuna marcante na reconstrução dos prédios. Poucas fachadas justificam sua presença nas paredes, que arrematam

Ver Artigo