Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Mandioca, trigo, linho e sericicultura na Adm. Rubim

Índio botocudo - Foto de Walter Garbe - Livro: Índios Botocudos do Espírito Santo no século XIX, do autor Paul Ehrenreich

Voltando aos primeiros dias da administração Rubim, cabe citar a desobstrução, por ele determinada, do canal de Camboapina, aberto pelos jesuítas para a ligação do rio Jucu com a baía do Espírito Santo. De sua iniciativa foi, também, a determinação de se plantar mandioca para a fabricação de farinha nas propriedades e quartéis estabelecidos nas margens do rio Doce. (VI) Persuadira-se o governador Silva Pontes de que a cultura daquela euforbiácea atraía maior curiosidade dos botocudos para os estabelecimentos dos colonos. Daí a proibição – que vigorou durante onze anos – causando consideráveis prejuízos, tanto aos cofres públicos como às bolsas particulares, já de si tão mofinas. Tal o volume das plantações realizadas que, escrevendo ao conde de Linhares, o governador Rubim referia-se às suas esperanças de economizar um conto de réis em farinhas no começo do seu governo.(52)

As culturas de trigo e linho foram incentivadas oficialmente e a sericicultura ensaiada com otimismo por Antônio José Vieira.(53)

 

NOTAS

(52) - Carta do governador Francisco Alberto Rubim dirigida ao Conde de Linhares (apud BRÁS DA COSTA RUBIM, Memórias, 278). Ver nota VI deste capítulo.

(53) - A documentação oficial relativa à seda indígena pode ser lida na obra de JOSÉ MARCELINO, Ensaio sobre a História e Estatística da Província do Espírito Santo. – Ver foot-note n.º 33 do capítulo XIII.

VI - “Ilm.º e Exm.º Snr.

Tendo Ordem o primeiro Governador desta Capitania Antônio Pires da Silva Pontes de dar execução à grande, e feliz abertura do Rio Doce com Minas Gerais, e povoar aqueles lugares, se persuadiu, que para não chamar a eles à maior atenção dos Índios bravos Cuistes, vulgarmente chamados Botecudos, devia proibir aos novos Colonos a plantação de mandiocas: o que teve efeito durante os quatro anos do seu governo: seu sucessor, e meu antecessor Manoel Vieira de Albuquerque Tovar seguiu quase o mesmo parecer, e muito pouco ou nada permitiu semelhante plantação durante os sete anos que governou. Tomando posse deste governo observando que daquelas providências só resultavam prejuízos à Real Fazenda por quanto as guarnições dos diferentes Destacamentos do Corpo de Pedestres eram socorridos de farinha dos Armazéns Reais desta Vila, a qual era remetida por mar em Lanchas, ou Canoas, resultando além dos fretes de condução ter de fazer novas remessas pela que se avariava durante a viagem, outras vezes se perdia farinha, e Embarcação tendo de pagar a Real Fazenda tudo: os soldados não recebiam seus vencimentos de soldo em dinheiro, pois depois da Real Fazenda satisfazer os Prest se remetia em gêneros, o que cada um mandava pedir; persuadido, que onde é desprezada a Agricultura, e não gera o dinheiro a população, e fontes de indústria, e Comércio não podem ter aumento, e que sem abundância de mantimentos tudo cai na languidez, e no ócio, no vício, determinei a todos os Comandantes dos Destacamentos que não só fizessem com toda a atividade a plantação de mandiocas, e que igualmente esta fosse feita pelos soldados, que estivessem de descanso ou folga: igualmente obriguei a todos os habitantes a fazerem a mesma plantação a qual naquele lugar produz com muita rapidez, pois a mandioca de seis meses é mais abundante do que a de dois anos em qualquer outro lugar desta Capitania: determinei, que o vencimento de soldo se desse em metal a cada soldado, lembrando-me, que logo, que constasse que os soldados tinham dinheiro não faltariam especuladores que para lá mandassem vender os gêneros, de que eles precisassem, o que não só teve o efeito desejado, como igualmente para os de Minas, que este ano tem descido àquele lugar em maior número a vender seus efeitos, e muitos mais desceriam se ali encontrassem maior abundância de sal de venda: A plantação de mandioca tem chegado a tal aumento que a Fazenda Real há cinco meses a manda lá comprar para dar os vencimentos aos soldados poupando fretes de conduções, há três meses com o corrente, que a Fazenda não dá Farinha a três Destacamentos, e já se sustentam de suas plantações, e este mês a deixa de dar a mais um estes mesmos Destacamentos têm dado por ordem minha, farinha para se vender para se comprarem Fornos, Rodas, mais precisos, para cada um deles, e outros que deles precisavam, a fim de que nos Quartéis desmanchem as mandiocas, e as reduzam a farinha tendo encarregado deste serviço a Inácio Pereira Duarte Carneiro, Tenente da Companhia de Linha, e Comandante interino do Corpo de Pedestres Oficial de quem faço muita confiança por ser muito honrado, e ativo. Mais conto com a Real Fazenda no ano venturo poupar a quantia de um conto de réis em farinhas, que deixa de pagar a diferentes Destacamentos por terem para se sustentarem de suas plantações.

A Povoação de Linhares no Rio Doce tem tido este ano um aumento de sessenta, e duas pessoas brancas de ambos os Sexos, os homens lavradores, e úteis pois tendo arribado a este Porto o Bergantim Espanhol, mercante, denominado Santo Agostinho Palafox, mestre Sebastião Álvares com duzentas e vinte duas pessoas de ambos os Sexos, vindo da Ilha de Lançarote uma das Canárias, e seguia viagem para Montevidéu, abordaram aqui cheios de fome, e misérias, e por esta razão não seguiram viagem quarenta, e cinco pessoas / além de trinta que lhe morreram durante a sua demora / destes, onze se agregaram em diferentes Fazendas do termo desta Vila, por causa de suas famílias serem em número pequeno, e os que tinham maior número os Fazendeiros os não quiseram admitir apesar das persuasões, que lhes fiz, vendo-os andar todos em número trinta, e quatro mendigando o sustento por esta Vila os remeti para Linhares a entregar ao habitante mais poderoso João Felipe Calmon, a fim de os repartir pelos mais, e aproveitarem-se naquele lugar em aprender a trabalhar de arado, e com o socorro destes fazerem as plantações de Trigo, e Linho, para cujo fim remeti juntamente sementes; porem o zelo, e patriotismo daquele habitante fez com que recebesse todos em sua Fazenda, onde os conserva, fartos, e satisfeitos, o que me dá fortes motivos além de tudo mais quanto tem feito pelo aumento daquela Povoação de o recomendar à proteção de V. Exa. Igualmente de Campos com minhas persuasões já pude conseguir dezoito pessoas de ambos os Sexos, estes têm escrito a seus parentes, e amigos fazendo-lhe ver as férteis, e lindas terras que ali há e espero para Março venturo bastantes Casais. Mais o Guarda mor José Tomás de Aquino Cabral desceu das Minas com nove pessoas de sua família para se estabelecer naquele lugar. Com tudo a lembrança de que ali não há Igreja, e que lhe falta um Pároco que lhe administre os Sacramentos lhe causa grande vexame, pois o mais próximo, que lhe fica é o Vigário da Vila Nova de Almeida que está distante para o Sul dezoito léguas: Seria muito para desejar ver ali sempre, mas muito mais no princípio daquela Povoação um Sacerdote exemplar, e político: assim como para sua Regência um Militar, Comandante daquele Distrito cheio de honra, retidão, e inteireza, que com sábias determinações possa encaminhar os que esquecidos, ou ignorantes do seu dever, não cumpram as suas obrigações, dirigindo seus fins a benefício da Sociedade, com o bem do Estado, pois este lugar, que de seu berço teve a criação da liberdade, o ócio, a depravação de costumes, merece toda a atenção.

O que tudo levo ao conhecimento de V. Exa. para que subindo à Real Presença do Príncipe Regente Nosso Senhor haja de dar aquelas sábias Providências que julgar mais a bem do Seu Real Serviço, aumento desta População, e de seus fiéis vassalos. Deus Guarde a V. Exa. Vila da Vitória 3 de Novembro de 1813. / Ilm.º Exm.º Sr. Conde de Aguiar. / a) FRANCISCO ALBERTO RUBIM” (Gov. ES, I).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2018

História do ES

Os pioneiros: Degredados

Os pioneiros: Degredados

Exceto dois funcionários públicos – um escrivão e um almoxarife -, todos eram degredados. Ou seja, nossos “pioneiros” eram criminosos que foram banidos, desterrados de Portugal para cumprir suas penas de prisão perpétua na colônia

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Divisão administrativa do ES - Derradeiros tempos coloniais

Eram cinco as vilas até então criadas: Vitória, Espírito Santo, Guarapari, Nova Almeida e Benevente

Ver Artigo
Tempos derradeiros do período colonial

A vida multiforme da capitania ao final do período colonial

Ver Artigo
A antiga localização de Santa Catarina das Mós

No mapa do Império Brasileiro, de 1868 e elaborado por Cândido Mendes, a localidade de Santa Catarina das Mós situava-se ao sul da foz do rio Itabapoana

Ver Artigo
O território do ES entre 1700 e 1800

Entre 1700 e 1800 o Espírito Santo perdeu a porção de território compreendida entre os rios Mucuri e Doce

Ver Artigo
Limites do Espírito Santo no período colonial

O instrumento para qualificar o ES é Carta de Doação de Vasco Fernandes Coutinho, assinada a 1° de junho de 1534

Ver Artigo