Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Memórias de um canela-verde

Morro do Moreno - Foto tirada da Pedra da Sereia em 1940

Na Prainha, havia os Caldeira e os Pitanga. Não muito longe dali, os Botelho (Augusto foi desembargador). Na Rua Antônio Ataíde, os Veloso e os Queiroz, da qual saiu Eugênio, prefeito que abriu avenidas.

Na Praia da Costa, a família Mota, que habitava um sítio cheio de cajueiros ao pé do Morro do Moreno, era uma das principais proprietárias da cidade. Eram seus praticamente todos os terrenos da Avenida Champagnat para a Praia da Sereia, assim chamada porque, ao montar um bar ali, o pintor Lúcio Bacellar pintou uma sereia na parede. Alguns anos depois ganhou como vizinho Gastão Roback, que criou na Sereia o Clube dos 40, já desaparecido. A figura mais folclórica da Praia da Costa era João Rita, que bebia regularmente e vivia de donativos.

Mais para o Centro, havia a família Aguiar, proprietária do Morro do Moreno.

Em Itapoã, a família Mascarenhas possuía muita terra que só adquiriu valor mais tarde, quando boa parte foi comprada pela Sociedade Vila da Penha, de Edgar Rocha.

Em Itaparica, os Setúbal. Mais tarde a área do Coqueiral foi comprada por Armando de Oliveira Santos.

Na Toca, proliferou a família Coelho, que aliás deu nome ao bairro. Ao redor da casa, os Coelho criavam gado e produziam leite. Um dos vizinhos eram os Alcântara. Mais para dentro, os Bernardes, família que deu um prefeito, Américo e uma educadora de escola, Anna.

Onde hoje são a Glória e o Soteco, a família Laranja tinha uma fazenda que era quase só areia.

Em Aribiri, os Vereza. Depois de Aribiri, os Ataíde tinham casa.

Na Barra do Jucu, os Valadares (Pedro era sogro de Tuffy Nader, ex-prefeito).

Em Jaburuna, Os Freitas eram donos do morro onde hoje existe um anfiteatro da seita Maranata.

Em Inhoá, os Leal criavam gado até ganharem a vizinhança da Escola de Aprendizes Marinheiros, por volta de 1959.

Tudo mudou em Vila Velha. Mas a mudança maior, talvez, foi junto ao Colégio Marista. Ali ao lado havia um mangue, com duas pontes - a velha e a nova. E havia dois campos de futebol, um do Atlético e outro do Olímpico, onde jogou Max Mauro, ex-governador. Naquela área foi construído o Canal da Costa, que muitos pensam ser um córrego natural. O Canal da Costa, puro esgoto diluído em água da chuva, é construção humana feita para drenar um alagado que um engenheiro da Cesan chamou de " maternidade de pernilongo".

 

Autor: Gedelti Gueiros
Fonte: Publicado em Suplemento Especial do Jornal A Gazeta, 30 de novembro de 1992



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

Milagres na Igrejinha de Monte Serrat

Milagres na Igrejinha de Monte Serrat

Os filhos de Osvaldo Baiano contam que, não faz muito tempo, apareceu na região uma família – composta pelo casal e dois filhos – que se dizia portadora de uma doença incurável, já desenganada pelos médicos...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

De vento em popa

Era uma atração; um programa pra lá de quente quando, nas manhãs de domingo aconteciam, na baia de Vitória, lá pelos anos 55... 60... as concorridas regatas a remo

Ver Artigo
Referências bibliográficas do livro

Já vi quem iniciasse a leitura de um livro pelas suas referências bibliográficas. Para os macróbios da historiografia será de grande valia

Ver Artigo
Massena e Fanzeres - Mestres da Arte no ES

Levino Fanzeres, pintor de renome nacional, visitava o boêmio Homero Massena em Vila Velha, que recebia também Hélios Selinger, o grande simbolista brasileiro

Ver Artigo
Segunda Viagem ao Interior do Brasil. Espírito Santo

Esse lugar (Lagoa Juparanã) será, certamente, então, um dos mais bellos do imperio do Brasil 

Ver Artigo
Edificações de Vitória

Preservando a memória do Centro, Vitória guarda também o Teatro Carlos Gomes, a sede do Palácio Anchieta, o Mercado da Capixaba, o Teatro Glória, o Arquivo Municipal, o Palácio Domingos Martins

Ver Artigo