Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Memórias de um canela-verde

Morro do Moreno - Foto tirada da Pedra da Sereia em 1940

Na Prainha, havia os Caldeira e os Pitanga. Não muito longe dali, os Botelho (Augusto foi desembargador). Na Rua Antônio Ataíde, os Veloso e os Queiroz, da qual saiu Eugênio, prefeito que abriu avenidas.

Na Praia da Costa, a família Mota, que habitava um sítio cheio de cajueiros ao pé do Morro do Moreno, era uma das principais proprietárias da cidade. Eram seus praticamente todos os terrenos da Avenida Champagnat para a Praia da Sereia, assim chamada porque, ao montar um bar ali, o pintor Lúcio Bacellar pintou uma sereia na parede. Alguns anos depois ganhou como vizinho Gastão Roback, que criou na Sereia o Clube dos 40, já desaparecido. A figura mais folclórica da Praia da Costa era João Rita, que bebia regularmente e vivia de donativos.

Mais para o Centro, havia a família Aguiar, proprietária do Morro do Moreno.

Em Itapoã, a família Mascarenhas possuía muita terra que só adquiriu valor mais tarde, quando boa parte foi comprada pela Sociedade Vila da Penha, de Edgar Rocha.

Em Itaparica, os Setúbal. Mais tarde a área do Coqueiral foi comprada por Armando de Oliveira Santos.

Na Toca, proliferou a família Coelho, que aliás deu nome ao bairro. Ao redor da casa, os Coelho criavam gado e produziam leite. Um dos vizinhos eram os Alcântara. Mais para dentro, os Bernardes, família que deu um prefeito, Américo e uma educadora de escola, Anna.

Onde hoje são a Glória e o Soteco, a família Laranja tinha uma fazenda que era quase só areia.

Em Aribiri, os Vereza. Depois de Aribiri, os Ataíde tinham casa.

Na Barra do Jucu, os Valadares (Pedro era sogro de Tuffy Nader, ex-prefeito).

Em Jaburuna, Os Freitas eram donos do morro onde hoje existe um anfiteatro da seita Maranata.

Em Inhoá, os Leal criavam gado até ganharem a vizinhança da Escola de Aprendizes Marinheiros, por volta de 1959.

Tudo mudou em Vila Velha. Mas a mudança maior, talvez, foi junto ao Colégio Marista. Ali ao lado havia um mangue, com duas pontes - a velha e a nova. E havia dois campos de futebol, um do Atlético e outro do Olímpico, onde jogou Max Mauro, ex-governador. Naquela área foi construído o Canal da Costa, que muitos pensam ser um córrego natural. O Canal da Costa, puro esgoto diluído em água da chuva, é construção humana feita para drenar um alagado que um engenheiro da Cesan chamou de " maternidade de pernilongo".

 

Autor: Gedelti Gueiros
Fonte: Publicado em Suplemento Especial do Jornal A Gazeta, 30 de novembro de 1992



GALERIA:

📷
📷


Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praça Costa Pereira ou Independência?

Certa vez, de passagem pela Capital, um estrangeiro queixava-se: - A língua capixaba é muito difícil: escreve Costa Pereira e pronuncia-se Independência!

Ver Artigo
Ofícios reservados do príncipe regente D. Pedro I, 1822

Tenha sempre em vista como requisito essencial e objeto em que interessa à causa pública deste reino o exame e conhecimento dos sentimentos dos pretendentes

Ver Artigo
Vale do Mulembá

O Vale do Mulembá fica no bairro Joana D’arc, em Vitória, entre a Pedreira Rio Doce e o loteamento São José. O acesso é pela Rodovia Serafim Derenzi

Ver Artigo
Escolhendo panelas capixabas

Algumas panelas de barro produzidas no Espírito Santo estão ficando grossas, com queima incompleta e perdendo a cor negra profunda, tão característica. Isto se deve a fatores que pretendemos apontar

Ver Artigo
Casa da Memória de Vila Velha - Sua História

Na Prainha, à beira mar, de frente para a Praça Tamandaré, havia um casarão geminado em ruínas, uma das últimas edificações do século XIX, datada de 1893, conforme inscrição em seu frontispício

Ver Artigo